Mona Lisa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Monalisa)
Ir para: navegação, pesquisa
La Joconde
Mona Lisa, by Leonardo da Vinci, from C2RMF retouched.jpg
Autor Leonardo da Vinci
Data 1503-1506[1]
Técnica Pintura a óleo sobre madeira de álamo
Dimensões 77 cm × 53 [1]  cm
Localização Museu do Louvre

Mona Lisa ("Senhora Lisa"[2] ) também conhecida como A Gioconda[3] (em italiano, La Gioconda, "a sorridente"[4] ; em francês, La Joconde) ou ainda Mona Lisa del Giocondo("Senhora Lisa [esposa] de Giocondo") é a mais notável e conhecida obra de Leonardo da Vinci, um dos mais eminentes homens do Renascimento italiano.

Sua pintura foi iniciada em 1503 e é nesta obra que o artista melhor concebeu a técnica do sfumato. O quadro representa uma mulher com uma expressão introspectiva e um pouco tímida. O seu sorriso restrito é muito sedutor, mesmo que um pouco conservador. O seu corpo representa o padrão de beleza da mulher na época de Leonardo. Este quadro é provavelmente o retrato mais famoso na história da arte, senão, o quadro mais famoso e valioso de todo o mundo. Poucos outros trabalhos de arte são tão controversos, questionados, valiosos, elogiados, comemorados ou reproduzidos. Muitos historiadores da arte desconfiavam de que a reverência de Da Vinci pela Mona Lisa nada tinha a ver com sua maestria artística. Segundo muitos afirmavam devia-se a algo muito bem mais profundo: uma mensagem oculta nas camadas de pintura. Se observarem com calma verá que a linha do horizonte que Da Vinci pintou se encontra num nível visivelmente mais baixo que a da direita, ele fez com que a Mona Lisa parecer muito maior vista da esquerda que da direita. Historicamente, os conceitos de masculino e feminino estão ligados aos lados - o esquerdo é feminino, o direito é o masculino.[5]

A pintura a óleo sobre madeira de álamo encontra-se exposta no Museu do Louvre, em Paris e é uma das suas maiores atrações.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A pintura foi trazida da Itália para França pelo próprio Leonardo, em 1506, quando este foi convidado pelo rei Francisco I de França para trabalhar na sua corte. Francisco teria então comprado a pintura, que passou a estar exibida em Fontainebleau e, posteriormente, no Palácio de Versailles.

Foto da parede do Louvre onde se encontrava o quadro em 1911, pouco após ter sido roubado.

Só após a Revolução Francesa o quadro foi exposto no Museu do Louvre, onde se conserva até hoje. O imperador Napoleão Bonaparte ficou apaixonado pelo quadro desde a primeira vez que o viu, e mandou colocá-lo nos seus aposentos. Porém, durante as guerras com a Prússia, a Mona Lisa, bem como outras peças da coleção do museu francês, foi escondida num lugar seguro.

A 22 de Agosto de 1911, cerca de 400 anos após ser pintada por Leonardo da Vinci, a Mona Lisa foi roubada. Muitas pessoas, incluindo o poeta francês Guillaume Apollinaire e o pintor espanhol Pablo Picasso, foram presas e/ou interrogadas sob suspeita do roubo da obra-prima da pintura italiana. Quanto a Guillaume Apollinaire e a Pablo Picasso, foram soltos meses mais tarde. Acreditou-se, que a pintura estava perdida para sempre, que nunca mais iria aparecer. Porém, a obra apareceu na Itália, nas mãos de um antigo empregado do museu onde a obra estava exposta, Vincenzo Peruggia, que era de fato, o verdadeiro ladrão.[6] [7] [8] [9]

Em 1956, um psicopata jogou ácido sobre ela, danificando parte inferior da obra; o processo de restauração foi demorado. No mesmo ano, um boliviano jogou uma pedra contra a obra, estragando parte da sobrancelha esquerda da musa de Da Vinci.[10]

Em 2 de agosto de 2009, uma mulher russa jogou uma xícara vazia de café contra o quadro. A pintura não foi danificada, pois a xícara quebrou na proteção de vidro à prova de balas que existe antes do painel. Segundo as autoridades, a mulher só fez isso porque estava indignada após não conseguir a cidadania francesa. A russa foi presa imediatamente.[11]

Identidade do modelo[editar | editar código-fonte]

Muitos historiadores da arte acreditam que o modelo usado para a pintura pode ter sido a esposa de Francesco del Giocondo, um rico comerciante de seda de Florença e uma figura proeminente no governo fiorentino. Acredita-se também que estes eram vizinhos de Leonardo Da Vinci.[12] Esta opinião fundamenta-se numa indicação feita por Da Vinci durante os últimos anos de sua vida, a propósito de um retrato de uma determinada senhora florentina feita da vida ao pedido do magnífico Juliano de Médici. O primeiro biógrafo de Da Vinci, Vasari, também pintor, descreve o retrato como sendo o de Mona Lisa, esposa do cavalheiro florentino Francesco del Giocondo.

As notas de Agostino Vespucci na Biblioteca da Universidade de Heidelberg

Em 2008, essa hipótese é a mais aceita, sendo, inclusive, respaldada por cientistas da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, que afirmam terem encontrado um documento com clara referência a um retrato de Lisa del Giocondo que estaria sendo realizado por Leonardo.[13]

A identidade da modelo sendo Lisa del Giocondo, mulher de um comerciante florentino, Francesco del Giocondo, com base em notas escritas de Agostino Vespucci de 1503, encontradas na biblioteca da Universidade de Heidelberg. Descobriu-se também que Lisa tinha sido mãe recentemente, e o retrato foi feito um pouco em comemoração da recente maternidade.[14]

Porém pouca coisa se sabe da sua vida e muito menos da história de sua mulher, Lisa Gherardini, nascida em 1479. Sabe-se que casaram em 1495, mas do fato não há nenhuma prova que poderia ter sido a senhora de um Medici, a mulher que Da Vinci referenciou. O título alternativo ao trabalho, La Gioconda, aparece apenas pela primeira vez num texto escrito mais tarde, em 1625, que se refere ao trabalho como um retrato de uma determinada Gioconda. Esta referência não contradiz nem suporta a hipótese de o modelo ser a mulher de Giocondo, uma vez que em italiano gioconda pode significar uma mulher alegre. A equipe do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá fez um estudo do quadro, por meio de scanners e lasers, e puderam projetar uma imagem em 3D com as várias camadas de pintura utilizada. A técnica revelou que a mulher do quadro usava um véu típico de mulheres grávidas do século XVI, o que poderia indiciar tanto que ela estava grávida, ou então havia dado à luz há pouco tempo.[15]

Há estudiosos que pensam que o assunto da pintura é a mãe de Leonardo Caterina (1427-1495).[16] [17]

Lillian Schwartz, cientista dos Laboratórios Bell, sugere que a Mona Lisa é na verdade um auto-retrato de Leonardo, porém, vestido de mulher. Esta teoria baseia-se no estudo da análise digital das características faciais do rosto de Leonardo e os traços do modelo. Comparando um possível auto retrato de Leonardo com a mulher do quadro, verifica-se que as características dos rostos alinham perfeitamente. Os críticos desta teoria sugerem que as similaridades são devidas ao facto de ambos os retratos terem sido pintados pela mesma pessoa usando o mesmo estilo.

A historiadora Maike Vogt-Lüerssen, de Adelaide sugeriu, após ter pesquisado o assunto por 17 anos, que a mulher por trás do sorriso famoso é Isabel de Aragão, Duquesa de Milão, para quem Leonardo da Vinci trabalhou como pintor da corte durante 11 anos.[18] O padrão do vestido verde escuro de Mona Lisa indica, segundo este estudioso, que o modelo é um membro da casa de Visconti-Sforza. O retrato de Mona Lisa terá sido o primeiro retrato oficial da nova Duquesa de Milão e pintado no inverno ou verão de 1489. O autor compara cerca de 50 retratos de Isabel de Aragão, representada como a Virgem ou Santa Catarina de Alexandria (nos quais só a própria duquesa poderia servir de modelo), e conclui que a semelhança com a Mona Lisa é evidente.[19] .

Estética[editar | editar código-fonte]

A Mona Lisa determinou um padrão para retratos futuros. O retrato apresenta o seu modelo visto apenas acima do busto, com uma paisagem distante visível em plano de fundo. Leonardo usou uma composição em pirâmide, onde a modelo surge no centro com uma expressão calma e serena. A mãos dobradas encontram-se no centro da base piramidal, refletindo a mesma luz que lhe ilumina o regaço, pescoço e face. Esta luminosidade estudada dá às superfícies vivas uma geometria subjacente de esferas e círculos, que acentua o arco de seu sorriso famoso. Sigmund Freud interpretou 'o sorriso' como uma atração erótica subjacente de Leonardo para com a sua mãe; outros descreveram o sorriso como inocente, convidativo, triste ou mesmo lascivo. Os sorrisos de interpretação dúbia eram uma característica comum dos retratos durante o tempo de Leonardo.

Detalhe da face, mostrando o efeito subtil do sfumato, particularmente nas sombras em torno dos olhos.

Muitos investigadores tentaram explicar por que o sorriso é de forma tão diferente para diferentes culturas. As explicações são diversas e variam desde teorias científicas sobre a visão humana a suposições sobre a identidade de Mona Lisa e seus sentimentos. A professora Margaret Livingstone da Universidade de Harvard arguiu que a perceção do sorriso é adquirida através de frequências visuais baixas, o que torna visível através da visão periférica.[20] Christopher Tyler e Leonid Kontsevich do Instituto Smith-Kettlewell para a Investigação do Olho (São Francisco) acreditam que a natureza em mudança do sorriso é causada por níveis variáveis do ruído aleatório no sistema visual humano.[21] O historiador Maike Vogt-Lüerssen discute que Isabel de Aragão (considerada como modelo) era infeliz porque o seu marido era alegadamente impotente, alcoólatra e propenso à agressão física. Isabel descreveu-se como A mais infeliz esposa do mundo.

Um algoritmo de computador desenvolvido na Holanda pela Universidade de Amsterdã, em colaboração com a Universidade de Illinois nos Estados Unidos, descreveu o sorriso de Mona Lisa como uma mulher 83% feliz, 9% enjoada, 6% atemorizada e 2% incomodada [22]

Embora utilizando uma fórmula aparentemente simples, a síntese expressiva que Leonardo conseguiu entre modelo e paisagem tornou este trabalho uma das mais populares e analisadas pinturas de todos os tempos. As curvas sensuais do cabelo e da roupa da mulher, criadas completamente através de sfumato, encontram eco nos rios ondulantes da paisagem subjacente. A harmonia total conseguida no quadro, visível especialmente no sorriso, reflecte a unidade entre Natureza e Humanidade que era parte importante da filosofia pessoal de Leonardo.

Em segundo plano, a paisagem estende-se às montanhas geladas e inclui caminhos ondulantes e uma ponte que dão indicação de presença humana. Os contornos desfocados, a figura graciosa, os contrastes dramáticos entre claro e escuro que se traduzem em serenidade são característicos do estilo de Leonardo. A pintura foi um dos primeiros retratos a descrever o modelo no seio de uma paisagem imaginária. Uma característica interessante da paisagem é a sua desigualdade. À esquerda da figura, a paisagem é visivelmente mais baixa do que à direita. Isto levou alguns críticos a sugerir que este elemento foi adicionado mais tarde.

A pintura foi restaurada numerosas vezes. Exames de raios X mostraram que há três versões escondidas sob a actual. O revestimento em madeira mostra sinais de deterioração numa taxa mais elevada do que se pensou previamente, causando preocupação dos curadores do museu sobre o futuro da pintura[23] .

As linhas vermelhas representam os eixos vertical e horizontal. As linhas brancas são divisões áureas. Os olhos estão posicionados nessa estrutura geométrica.[nota 1][24]

Expressividade do modelo[editar | editar código-fonte]

O sorriso[editar | editar código-fonte]

A última análise à enigmática Mona Lisa confirma que a personagem desenhada por Leonardo da Vinci está feliz. O quadro foi interpretado por um computador da Universidade de Amsterdã, recorrendo a software apropriado para reconhecimento de emoções. De acordo com esta análise, Mona Lisa estava 83 por cento feliz, 9 por cento angustiada, 6 por cento assustada e 2 por cento chateada. As conclusões da investigação vão agora ser publicadas na próxima edição da revista New Scientist. O computador cruzou variantes como a curvatura dos lábios e as rugas em torno dos olhos, para chegar a este "veredicto". O projeto foi conduzido conjuntamente com alguns pesquisadores da Universidade norte-americana de Illinois, que ajudaram na construção de uma base de dados de rostos de mulheres jovens com expressão "neutra", que serviu de apoio ao software. O programa recorre, na fase de análise, a este standard da base de dados para fazer comparações.

O quadro de Mona Lisa, pintado entre 1503 e 1506, tem intrigado a comunidade científica e artística ao longo dos tempos. Em 2003, uma teoria apresentada na Universidade de Harvard, defendia que o enigmático sorriso associado a este quadro era apenas aparente e visível a partir de determinados ângulos da pintura. No entanto, a especulação em relação à história desta famosa pintura continua e por certo não vai terminar nesta análise.

O olhar[editar | editar código-fonte]

Análises geométricas mostram que a grade estrutural da pintura obedece a rígidas divisões, as quais situam os olhos da figura no eixo que parte do centro horizontal e nas subdivisões áureas ali existentes. Como consequência dessa composição, o olhar de Mona Lisa parece acompanhar quem a observa.[24]

Influência e aspectos culturais[editar | editar código-fonte]

Mona Lisa, graffiti no Porto

A Mona Lisa, enquanto quadro mais famoso do mundo, adquiriu um estatuto de ícone cultural. São numerosas as suas reproduções e utilização na publicidade, objectos do dia a dia e como referência cultural. Algumas incluem:

  • Em 1919, o dadaísta Marcel Duchamp pintou sobre uma reprodução barata da Mona Lisa um bigode e uma pêra, e a inscrição L.H.O.O.Q. (que significa Elle a chaud au cul, algo como Ela tem fogo no rabo, em português).[25]
  • Em 1950, Mona Lisa, uma balada de Nat King Cole em tributo do quadro, foi o single mais vendido durante 8 semanas, atingindo 3 milhões de cópias vendidas e foi premiada com um Oscar para a Melhor canção numa Banda Sonora. Outras canções sobre o quadro são Mona Lisas and Mad Hatters de Elton John (Honky Chateau, 1972), Mona Lisa de Willie Nelson (Somewhere over the Rainbow, 1981), Mona Lisa de Slick Rick (The Great Adventures of Slick Rick, 1988), A Mona Lisa dos Counting Crows (inédita, 1992), "Monalisa" de Jorge Vercilo, 2004 e Mona Lisa de Britney Spears (EP Chaotic, 2006).

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota 1] ^ O tamanho oficial da tela exposta no Museu do Louvre é de 77 cm × 53 cm, entretanto há quem afirme que o quadro teve as suas laterais cortadas. Martin J. Kemp, um dos maiores especialistas em Leonardo da Vinci, se mostra contrário a essa versão.[32]

Referências

  1. a b c Museu do Louvre (em francês). Página visitada em 28 de agosto de 2012.
  2. Treccani, Mona, monna: Forma abbreviata di madonna, nel senso di «signora», página visitada em 06 de novembro de 2012.
  3. Correio da Manhã: Paris: Turista ataca quadro ‘A Gioconda’, página visitada em 06 de novembro de 2012.
  4. Leituras da história - UOL,"Assim, o termo "Gioconda", ou "sorridente", nada teria a ver com "Giocondo", apenas significando a expressão da retratada em seu idioma de origem." (Átila Soares), página visitada em 06 de novembro de 2012.
  5. Priscila de Souza Moreira (2006). O sagrado feminino no Código da Vinci Revista Psicanálise e Barroco. Página visitada em 28 de agosto de 2012.
  6. Gênios da Pintura (1967).Editora Abril Cultural, Saber Cultural, página acessada em 29 de agosto de 2012.
  7. Tiago Dantas. Quem foi Mona Lisa?, página acessada em 29 de agosto de 2012.
  8. Ingrid Lemos. Mona Lisa faz 500 anos, página acessada em 29 de agosto de 2012.
  9. Sabine Ochaba. 1911: Mona Lisa é roubada, Deutsche Welle, página acessada em 29 de agosto de 2012.
  10. Veja (11 de agosto de 2009). Mona Lisa é atacada com uma caneca Veja.abril.com.br. Página visitada em 22 de agosto de 2012.
  11. G1 (11/08/09). Mulher é presa por atirar xícara na Mona Lisa Globo.com. Página visitada em 01 de setembro de 2012.
  12. Assimina Vlahou (19/01/2007). Mona Lisa era vizinha de Da Vinci, diz estudioso italiano BBC Brasil. Página visitada em 01 de setembro de 2012.
  13. G1 (14/01/08). Cientistas dizem ter acabado com o mistério da Mona Lisa Globo.com. Página visitada em 01 de setembro de 2012.
  14. Diário Digital (16-01-2008). Confirmada identidade da Mona Lisa, de Leonardo da Vinci. Página visitada em 01 de setembro de 2012.
  15. BBC Brasil (26 de setembro de 2006). Mona Lisa sorriu por gravidez ou filho, diz pesquisa. Página visitada em 31 de agosto de 2012.
  16. Serge Bramly: Mona Lisa (The Enigma); Rina de' Firenze: Mystery of the Mona Lisa.
  17. Roni Kempler: Who is the Mona Lisa ? Comment, The Financial Express
  18. Maike Vogt-Lüerssen.Behind that secret smile, página visitada em 01 de setembro de 2012.
  19. Maike Vogt Lüerssen. Lisa and her family, Wayback Machine, pagina visita em 01 de setembro de 2012.
  20. BBC Brasil.Margaret Livingstone: "Mona Lisa smile secrets revealed", página visitada em 01 de setembro de 2012
  21. Christopher Tyler e Leonid Kontsevich. Noisy secret of Mona Lisa's smile, página visitada em 01 de setembro de 2012.
  22. Universidade de Amsterdã e Universidade de Illinois: "Computador decifra segredo do sorriso da Monalisa"
  23. BBC News: "Ageing Mona Lisa worries Louvre"
  24. a b Denis Mandarino (27/08/2011). A divisão áurea por detrás do olhar de Mona Lisa AloArtista.com. Página visitada em 31 de junho de 2012.
  25. Duchamp. L.H.O.O.Q. Marcelduchamp.net. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  26. Nation Master. La Gioconda (film). Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  27. Studiolo.org. Self Portrait as Mona Lisa. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  28. Salvador Dali. MONA LISA as MOderN LISA Aiwaz.net. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  29. Adoro Cinema. O Sorriso de Mona Lisa Adorocinema.com. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  30. Dan Brown. O Código Da Vinci. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  31. Mauricio de Souza. História em quadrões Monica.com.br. Página visitada em 19 de Julho de 2012.
  32. Charlotte Higgins (23 de setembro de 2006). Unveiled: early copy that reveals Mona Lisa as her creator intended The Guardian. Página visitada em 04 de setembro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]