Mono-no-aware

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mono-no-aware (物の哀れ?) lit. "o pathos das coisas",[1] também traduzido por "uma empatia para com as coisas" ou ainda "uma sensibilidade sobre coisas efémeras", é um termo japonês sobre a consciência da anicca (无常, Mujo?), ou transitoriedade das coisas, assim como uma leve tristeza transitória (ou melancolia) na sua passagem, mudança, mas também uma leve tristeza prolongada, profunda sobre o estado de conformidade para com a realidade da vida.

No âmago da literatura clássica japonesa e poesia, refere-se ao ideal estético do mono no aware, que implica uma "sensibilidade", a consciência e capacidade de resposta para alguma coisa: um objeto inanimado ou mesmo ser vivo, ou uma resposta emocional sobre outra pessoa. As flores de cerejeira são um símbolo do ideal do mono-no-aware. Florescem numa beleza ímpar após o inverno, alardeando a vida por apenas alguns dias antes de morrer.[2]

Mono-no-aware é a expressão emocional do japonês em relação à natureza. Este sentimento baseia-se na convicção da necessidade de se co-existir com a natureza, pois, para o japonês, se dela nascemos, para ela retornaremos. E entretanto, isso conscientiza e traduz-se , cotidianamente, no mono-no-aware.[3]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

O termo foi cunhado no século XVIII durante o período Edo, pelo estudioso da cultura japonês Motoori Norinaga (1730-1801) e referia-se, na sua origem, de um conceito usado na sua crítica literária do Genji Monogatari,[4] tendo mais tarde sido aplicado a outras obras seminais japonesas, nomeadamente Man'yōshū. O mono-no-aware tornou-se fundamental para a sua filosofia literária e, eventualmente, para a cultura tradicional japonesa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Choy Lee, Khoon. Japan: Between Myth and Reality. 1995, page 142.
  2. Oh! A mystery of 'mono no aware' (em inglês). ohthenovel.wordpress.com. Página visitada em 7 de janeiro de 2014.
  3. A casa moderna ocidental e o Japão (em português). lume.ufrgs.br. Página visitada em 4 de janeiro de 2014.
  4. Yoda, Tomiko. Mono no aware and Poetic Communication in The Tale of Genji (em INGLÊS). dUKE uNIVERSITY. Página visitada em 8 de janeiro de 2014.