Monoamina oxidase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Monoamina oxidase

A Monoamina oxidase (MAO) é uma enzima presente em animais cuja função é degradar monoaminas.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Existem dois tipos de monoamina oxidases conhecidas, a MAO-A e MAO-B.

A MAO-A se caracteriza por ter preferência pelo substrato 5-hidroxitriptamina (serotonina) e normalmente é encontrada no sistema nervoso, fígado, trato gastrointestinal e na placenta.

A MAO-B metaboliza preferencialmente o substrato feniletilamina, e é normalmente encontrada no sistema nervoso e nas plaquetas. Tanto MAO-A como MAO-B são encontradas em neurônios e astrócitos do sistema nervoso.

Função[editar | editar código-fonte]

Como muitas monoaminas tem função biológica é importante que suas concentrações no ambiente extracelular e intracelular sejam controladas. A função da MAO é degradar essas monoaminas evitando assim que se acumulem (no caso de monoaminas endógenas) ou que gerem efeitos indesejáveis (no caso de monoaminas exógenas). O processo pelo qual a MAO degrada monoaminas é conhecido por deaminação oxidativa que gera como produtos aldeídos e íon amônio.

Degradação de monoaminas endógenas[editar | editar código-fonte]

As monoaminas endógenas são os neurotransmissores e/ou hormônios dopamina, serotonina, noradrenalina e adrenalina. A degradação desses não se dá somente pela MAO, mas também pela COMT (catecol-O-metil transferase), no caso das catecolaminas, e pela aldeído desidrogenase no caso da serotonina.

Degradação de monoaminas exógenas[editar | editar código-fonte]

Algumas monoaminas presentes na alimentação, tal como a tiramina presente em alguns queijos, são estruturalmente similares as monoaminas endógenas e podem mimetizar o papel dessas, levando geralmente a efeitos cardiovasculares indesejáveis como taquicardia e vasoconstrição. Isso não ocorre porque a MAO-A esta amplamente distribuída nos órgãos do sistema digestório e degrada essas monoaminas antes que elas possam atingir a circulação sistêmica e prejudicar o organismo.

Genética[editar | editar código-fonte]

Os genes que codificam tanto a MAO-A como a MAO-B se encontram no braço curto do cromossoma X um após o outro e possuem aproximadamente 70% de homologia.

MAO e a saúde[editar | editar código-fonte]

Níveis aumentados ou diminuídos de atividade da monoamina oxidase em indivíduos já foram relacionados a uma série de distúrbios neuropsiquiátricos como fobias, depressão, distúrbio de déficit de atenção, abuso de drogas e comportamento violento.

Existem três classes de medicamentos cujo mecanismo de acção se baseia na interacção com a MAO. Os inibidores da MAO (IMAO)actuam bloqueando irreversivelmente os dois subtipos, enquanto os inibidores selectivos da MAO-A (RIMA) bloqueiam de forma reversível o tipo A; as duas classes têm utilidade como antidepressivos, embora os RIMA causem menos efeitos laterais. Um terceiro tipo de fármacos são os inibidores selectivos da MAO-B, utilizados como antiparkinsónicos.

Ver também[editar | editar código-fonte]