Monolito Vivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Monolito Vivo (Ahmet Abdol) é um super vilão fictício no Universo Marvel Comics. Apareceu primeiramente nos X-Men #54 (1969).

História[editar | editar código-fonte]

Ahmet Abdol nasceu no Cairo, Egito. Era um professor de egiptologia antiga que descobriu a habilidade de manipular a energia cósmica, principalmente absorvendo-a e projetando-a como explosões da energia. Decidindo usar seus poderes para seu ganho pessoal, Abdol criou um culto em torno de si mesmo e planejava governar o mundo. Abdol era o faraó vivo quando em sua aparência normal, mas uma vez que obtém bastante energia cósmica, aumenta no tamanho, na massa e no poder, assim transformando-se o Monolito Vivo.

Abdol descobriu que um outro mutante, Destrutor (Alex Summers, irmão de Scott Summers, o Ciclope) poderia absorver e projetar energia cósmica mais facilmente do que Abdol poderia. Abdol raptou Destrutor e o usou para aumentar seu poder. Abdol foi principalmente um inimigo dos X-Men, usando geralmente Destrutor para transformar-se no Monolito Vivo. Usou também outros superheróis, incluindo o Quarteto Fantástico (de quem ganhou seus poderes pela super exposição aos raios cósmicos). Matou sua própria filha para conseguir seu objetivo.

Valendo-se das habilidades singulares de Abdol, Apocalipse objetivava drenar as energias de outros heróis, quando Abdol estivesse como Monolito Vivo. Então muitos heróis tentaram impedi-lo, até que Thor jogou o Monolito Vivo no espaço, onde este se tornou um Planeta Vivo, similar ao Ego.

Mais tarde revelou-se que o poder mutante adormecido de Abdol tinha sido "ativado" por um procedimento executado nele pelo Senhor Sinistro. Determinados x-genes do Destrutor foram acrecentados pelo Senhor Sinistro no genoma de Abdol, assim dando-lhe a habilidade de absorver a energia cósmica. Desde que seus poderes eram geneticamente similares a Havok, este explicou porque suas habilidades interferiram em ambos.

Durante seu tempo no espaço, uma das armas principais do Monolito Vivo, algo como o Poder de Horus, foi levado por uma jovem mulher chamada Akasha. Ela podia usar esse poder transformar-se uma versão feminina do faraó vivo. Felizmente, o Homem-Aranha quebrou esse poder, deixando apenas alguns fragmentos para Akasha. Entretanto, Akasha não tem sido vista desde esse episódio.

Abdol foi encontrado então pela Pássaro Negro e por Bishop, flutuando no espaço. Pássaro Negro nocauteou Bishop e Abdol foi levado até o Apocalipse, que usou o corpo de Abdol como meramente um recipiente da energia durante "Os Doze". Isto conduziu finalmente à fusão de Apocalipse com Ciclope. O Monolito Vivo foi visto quebrando esta fusão por causa de um excesso do poder absorvido, e está foragido desde então.

Poderes e habilidades[editar | editar código-fonte]

O Monolito Vivo foi alterado geneticamente, tendo emendados seus próprios genes com os do X-Men Havok. Esta modificação permite que Adbol absorva quantidades grandes de radiação cósmica - embora enquanto Havok absorve a mesma radiação, os poders do Monolito Vivo podem ser limitados quando Havok absorve a radiação de fundo (ou outras fontes de energia apropriadas) que pode de outra maneira ser usada para abastecer o Monolito Vivo.

Embora Havok projetasse a radiação absorvida como explosões de energia, o Monolito Vivo tem uma escala maior dos poderes. Pode projetar a energia como o calor intenso, uma força concussiva, ou vibrações sônicas. O Monolito Vivo demonstrou também habilidades telepáticas de baixo nível, permitindo-o ler mentes e ter controle mental completo sobre multidões pequenas.

A energia armazenada afeta também sua forma física - aumentando seu tamanho, massa, força, e resistência a ferimento, e a conceder-lhe um poder indefinido que o faz virtualmente imortal. Embora não pareça possuir nenhum limite à quantidade de poder que pode absorver, é também possível que o Monolito Vivo possa sobrecarregar seus poderes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]