Monotremata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMonotremata
Ocorrência: 123–0 Ma
Cretáceo Inferior - Recente
Ornitorrinco

Ornitorrinco
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Subclasse: Prototheria
Ordem: Monotremata
Bonaparte, 1837
Famílias e gênero incertae sedis

Monotremata[nota 1] (aportuguesados para monotremados ou monotrématos) é uma ordem de mamíferos que põem ovos, diferindo significativamente com os modos reprodutivos dos marsupiais e dos placentários. Eles retêm muitas características de seus ancestrais terapsídeos, porém apresentam várias características mamíferas importantes, como a presença de pêlos, coração dividido em quatro câmaras, três ossículos auditivos e a presença de glândulas mamárias com produção de leite. Encontrados na Austrália, Tasmânia e Nova Guiné, os monotremados provavelmente originaram-se durante o Mesozoico, quando se separaram da vertente Theria. Compreendendo duas famílias, três gêneros e cinco espécies viventes, esta ordem constitui uma das mais distintas entre os mamíferos atuais.

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Os monotremados estão restritos à região australásica, distribuindo-se pela Austrália, Tasmânia, Nova Guiné e ilhas adjacentes, incluindo Kangaroo, King, Grupo Furneaux e Salawati.

Características[editar | editar código-fonte]

Os monotremados mantiveram algumas características esqueléticas presentes nos seus ancestrais reptilianos, entre as quais as mais importantes são a estrutura da cintura escapular e alguns traços craniais. O crânio é razoavelmente grande, a caixa craniana arredondada e o focinho alongado. Os adultos das espécies viventes não possuem dentes. Dentes vestigiais estão presentes na mandíbula de jovens ornitorrincos, mas eles nunca irrompem da gengiva. Várias espécies fósseis apresentam a dentição totalmente desenvolvida. Os monotremados retêm cartilagens escleróticas, embora elas não sejam ossificadas, formando um anel ósseo, como o que ocorre com os demais amniotas, incluindo os sinapsídeos não-mamíferos. Também está presente o osso septomaxilar, o qual não é encontrado nos térios. O arco zigomático está reduzido ou ausente. O dentário (que forma a mandíbula) é delgado com um vestígio rudimentar do processo coronóide. Os ossos lacrimais estão ausentes e não possuem bula timpânica (cóclea).

O esqueleto pós-craniano dos monotremados é também único entre os mamíferos. Mostram um mosaico de características inerentes dos terapsídeos não encontradas em nenhum outro mamífero, e modificações provavelmente relatadas aos hábitos escavadores dos monotremados modernos. A cintura pélvica apresenta o formato derivado mamífero, apesar de conservar os ossos epipúbicos, enquanto sua cintura escapular é mais similar à condição tipicamente réptil, conservando os ossos coracóide, epicoracóide e interclavícula. O ombro é mais rigidamente ligado ao esqueleto axilar. O fêmur e úmero são perpendiculares ao corpo como nos répteis. Apresentam costelas cervicais.

Detalhe do esporão presente no Ornitorrinco.

A cloaca está presente em ambos os sexos, e constitui o orifício único, que deu nome a ordem, onde desembocam o sistema digestório, urinário e reprodutivo. Nos machos, os testículos são abdominais e o pênis situado na parte ventral da cloaca, conduz apenas o esperma. As fêmeas são ovíparas, não possuem vagina, apresentam ovidutos, onde os óvulos são fertilizados, cobertos pelo albúmen e recobertos com uma casca, e como todos os mamíferos apresentam glândulas mamárias, apesar de não possuir mamilos (tetas).

Os machos apresentam um esporão no tornozelo, nos ornitorrincos esse esporão é sulcado para a passagem de uma substância glandular venenosa.

Apesar de possuírem muitas características reptilianas, os monotremados são tipicamente mamíferos. Como todos os mamíferos, possuem pêlos, o coração dividido em quatro câmaras, nutrem seus filhotes com leite e são animais de sangue quente.

Classificação e evolução[editar | editar código-fonte]

Mandíbula do Steropodon em exibição no Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque.

Vários nomes ordinais têm sido usados para os monotremados, entre estes, Ornithodelphia de Blainville, 1834, e Monotremata Bonaparte, 1837, são os mais comumente utilizados,[1] e entre estes, Monotremata têm sido preferível ao seu antecessor por ser de uso mais comum tanto na forma científica quanto na vernácula.[1] [2] A ordem Monotremata é tradicionalmente inserida na subclasse Prototheria,[2] que durante as décadas de 1960 e 1970 incluiu diversas ordens fósseis, como a Docodonta, Triconodonta e Multituberculata,[3] [3] entretanto, estudos posteriores demonstraram que este arranjo taxonômico era parafilético.[4] [5] Arranjos filogenéticos do início da década de 2000 incluíram a ordem no clado Australosphenida,[5] [6] posteriormente referido como uma subclasse.[1] Em 2008, uma nova análise filogenética demonstrou que este clado era polifilético, uma vez que a Ausktribosphenida está agrupada com a Theria, não tendo qualquer relação com a Monotremata.[7]

Arranjo sistemático:[1] [8] [9] [10] [11]

  • Ordem Monotremata[nota 2] Bonaparte, 1837
Crânio do Obdurodon dicksoni exposto no Museu Americano de História Natural, Nova Iorque.
Exemplares de Tachyglossus aculeatus em ilustração de John Gould para o livro Mammals of Australia (1849-1861).

Os monotremados provavelmente originaram-se na Austrália durante o Mesozoico e se espalharam para a América do Sul via Antártica no final do Cretáceo.[3] Estudos moleculares sobre o tempo de divergência entre Prototheria-Theria sugerem que a divisão ocorreu no Triássico Superior, a aproximadamente 220 milhões de anos, com uma variação entre 237 e 204.[15] Os tempos de divergência moleculares são, em geral, mais antigos que as evidências paleontológicas estabelecidas.[15] O mais antigo monotremado conhecido data do Cretáceo Inferior, com aproximadamente 120 milhões de anos.[16] Entretanto, novas análises de materiais fósseis fragmentados sugerem que o mais antigo monotremado data de 200 milhões de anos,[12] aproximando-se com as datas moleculares.[15] O registro fóssil do grupo é relativamente escasso. Três formas são conhecidas do Mesozoico, todas do Cretáceo, Steropodon, Kollikodon e Teinolophos.[9] [16] [17] Na América do Sul, uma única forma foi descrita, Monotrematum sudamericanum, do Paleoceno Inferior da Patagônia, Argentina.[18] Os demais monotremados fósseis descritos datam do Mioceno, Oligoceno e Pleistoceno.[19] [20] [21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d KIELAN-JAWOROWSKA, Z.; CIFELLI, R.L.; LUO, Z.-X.. Mammals form the Age of Dinosaurs: Origins, Evolution and Structure. New York: Columbia University Press, 2004. 630 pp. ISBN 9780231119184
  2. a b SIMPSON, G.G.. (1945). "The principles of classification and a classification of mammals". Bulletin of American Museum of Natural History 85: 1-350 pp..
  3. a b c d '
  4. ROWE, T.. (1988). "Definition, Diagnosis, and Origin of Mammalia". Journal of Vertebrate Paleontology 8 (3): 241-264 pp..
  5. a b LUO, Z.; KIELAN-JAWOROWSKA, Z.; CIFELLI, R.. (2002). "In quest for a phylogeny of Mesozoic mammals". Acta Palaeontologica Polonica 47 (1): 1-78 pp..
  6. LUO, Z.; CIFELLI, R.L.; KIELAN-JAWOROWSKA, Z.. (2001). "Dual origin of tribosphenic mammals". Nature 409: 53-57 pp.. DOI:10.1038/35051023.
  7. a b ROWE, T.; RICH, T.H.; VICKERS-RICH, P.; SPRINGER, M.; WOODBURNE, M.O.. (2008). "The oldest platypus and its bearing on divergence timing of the platypus and echidna clades". PNAS 105 (4): 1238-1242 pp.. DOI:10.1073/pnas.0706385105.
  8. a b McKENNA, M.C.; BELL, S.K.. Classification of Mammals - Above the Species Level. New York: Columbia University Press, 1997. 631 pp. ISBN 9780231110136
  9. a b RICH, T.H.; VICKERS-RICH, P.; CONSTANTINE, A.; FLANNERY, T.F.; KOOL, L.; van KLAVEREN, N.. (1999). "Early Cretaceous mammals from Flat Rocks, Victoria, Australia". Records of the Queen Victoria Museum 106: 1-35 pp..
  10. a b GROVES, C.. Order Monotremata. In: WILSON, D.E.; REEDER, D.M.. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 1-2 pp. vol. 1. ISBN 9780801882210
  11. PRIDMORE, P.A.; RICH, T.H.; VICKERS-RICH, P.; GAMBARYAN, P.P.. (2005). "A Tachyglossid-Like Humerus from the Early Cretaceous of South-Eastern Australia". Journal of Mammalian Evolution 12: 359–378 pp.. DOI:10.1007/s10914-005-6959-9.
  12. a b MUSSER, A.M.. (2003). "Review of the monotreme fossil record and comparison of palaeontological and molecular data". Comparative biochemistry & physiology, part A molecular & integrative physiology 136A (4). DOI:10.1016/S1095-6433(03)00275-7.
  13. Musser et al. in prep
  14. MUSSER, A.M.. Furry egg-layers: monotreme relationships and radiations. In: MERRICK, J.; ARCHER, M.; HICKEY, G.; LEE, M.S.Y. (eds.). Evolution and Biogeography in Australasia. Sydney: Australian Scientific Publishing, 2006. 523-550 pp.
  15. a b c MADSEN, O.. Mammals (Mammalia). In: HEDGES, S.B.; KUMAR, S. (eds.). The Timetree of Life. [S.l.]: Oxford University Press, 2009. 459-461 pp.
  16. a b ARCHER, M.; FLANNERY, T.F.; RITCHIE, A.; MOLNAR, R.E.. (1985). "First Mesozoic mammal from Australia — an early Cretaceous monotreme". Nature 318: 363-366 pp.. DOI:10.1038/318363a0.
  17. FLANNERY, T.F.; ARCHER, M.; RICH, T.H.; JONES, R.. (1995). "A new family of monotremes from the Cretaceous of Australia". Nature 377: 418-420 pp.. DOI:10.1038/377418a0.
  18. PASCUAL, R.; ARCHER, M.; JAUREGUIZAR, E.O.; PRADO, J.L.; GODTHELP, H.; HAND, S.J.. (1992). "First discovery of monotremes in South America". Nature 352: 704-706 pp.. DOI:10.1038/356704a0.
  19. ARCHER, M.; JENKINS, F.A. Jr.; HAND, S.J.; MURRAY, P.; GODTHELP, H.. Description of the skull and non-vestigial dentition of a Miocene platypus (Obdurodon dicksoni n. sp.) from Riversleigh, Australia, and the problem of monotreme origins. In: AUGEE, M. L. (ed.). Platypus and Echidnas. Sydney: Royal Zoological Society of New South Wales, 1992. 15-27 pp.
  20. WOODBURNE, M.O.; TEDFORD, R.H.. (1975). "The first Tertiary Monotreme from Australia". American Museum Novitates 2588: 1–11 pp..
  21. GRIFFITHS, M.; WELLS, R.T.; BARRIE, D.J.. (1991). "Observations on the skulls of fossil and extant echidnas (Monotremata: Tachyglossidae)". Australian Mammalology 14: 87-101 pp..
Introduction to Monotremata - Berkeley University (em inglês)
Mikko's Haaramo Phylogeny - Monotremata☃☃.; SCHLAGER, N.; OLENDORF, D. Grzimek's Animal Life Encyclopedia. Detroit: Thomson Gale, 2003.

ERT, E. H; MORALES, M.; MINKOFF, E. C. Colbert's Evolution of the Vertebrates. 5ª ed. Nova Iorque: Wiley-Liss, 2001.DYKES, T. (s externas0

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Monotremata

1). Monotremata (On-line). Mezocoic mammals - an internet directory. Acessado em 7 de março de 2008.


Erro de citação: existem marcas <ref> para um grupo chamado "nota", mas nenhuma marca <references group="nota"/> correspondente foi encontrada (ou uma marca de fechamento </ref> está faltando)