Montes Ruwenzori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Montes Ruwenzori *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Rwenzori mountains FP.jpg
Os Montes Ruwenzori alguns quilómetros a sul de Fort Portal
País Uganda
Critérios (vii) (x)
Referência 684
Coordenadas 0° 23′ N 29° 52′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 1994  (18ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Os Montes Ruwenzori constituem uma pequena mas espectacular cordilheira da África Central, situada na fronteira entre o Uganda e a República Democrática do Congo, com elevações que atingem os 5109 metros. Os pontos mais altos dos Montes Ruwenzori encontram-se permanentemente coberto de neve, sendo conjuntamente com os montes Kilimanjaro e Quénia os únicos na África com tal característica. Esta cordilheira é muitas vezes identificada com as Montanhas da Lua mencionadas por Ptolomeu, mas as descrições são demasiado vagas para que esta identificação seja definitiva. Estão situados numa região muito úmida, pelo que estão frequentemente envolvidos por nuvens.

Esta cordilheira formou-se como resultado do levantamento ocorrido no flanco ocidental do Grande Vale do Rift, e estende-se por cerca de 120 km de comprimento por 65 km de largura. É composta por seis maciços principais separados por gargantas profundas: Monte Stanley (5 109 m), Monte Baker (4 843 m), Monte Emin (4 789 m), Monte Gessi (4 715 m) e Monte Luís de Sabóia (4 672 m).[1] O Monte Stanley é o maior e tem vários cumes acessórios, sendo o Pico Margarida o ponto mais elevado.

Fauna e flora[editar | editar código-fonte]

Vegetação dos Montes Ruwenzori (destacam-se as lobelias gigantes).

Os Montes Ruwenzori são conhecidos pela sua vegetação, que varia desde a floresta tropical húmida passando por prados alpinos até às neves permanentes, bem como pela sua fauna, incluindo elefantes-da-floresta, várias espécies de primatas, e muitas espécies endémicas de aves. Uma zona é conhecida pelas suas urzes de seis metros de altura cobertas de musgo, outra pelas lobelias gigantes. A maior parte da cordilheira é actualmente Património Mundial incluindo o Parque Nacional dos Montes Ruwenzori no Uganda e o Parque Nacional de Virunga na República Democrática do Congo.

Os primeiros europeus a visitarem os Ruwenzori encontravam-se na expedição liderada por Henry Morton Stanley em 1889. A primeira subida ao cume mais alto foi feita por Luísi Amadeu de Sabóia, duque dos Abruzos, em 1906.

Recuo glaciar nos Ruwenzori[editar | editar código-fonte]

Um ponto de preocupação nos últimos anos é o impacto das mudanças climáticas nos glaciares dos Ruwenzori. Em 1906, existiam aqui 43 glaciares distribuídos por seis picos com uma área total de 7,5 km². Em 2005, o número de glaciares remanescentes é menos de metade do existente em 1906, em apenas três picos, com uma área aproximada de 1,5 km².

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]