Monumento aos Descobrimentos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Monumento aos Descobrimentos, Lisboa.

O Monumento aos Descobrimentos ou Padrão dos Descobrimentos (também conhecido como Monumento aos Navegantes) localiza-se na freguesia de Belém, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal.

Em posição destacada na margem direita do rio Tejo, o monumento original, em materiais perecíveis, foi erguido em 1940 por ocasião da Exposição do Mundo Português para homenagear as figuras históricas envolvidas nos Descobrimentos portugueses; a réplica atual é posterior, tendo sido inaugurada em 1960.

História[editar | editar código-fonte]

Parte este do monumento.

O monumento foi pensado inicialmente por Cottinelli Telmo como uma homenagem ao Infante D. Henrique, na sequência de vários projetos e concursos para Sagres, realizados ao longo dos anos sem que nenhum chegasse a ser construido. Por ocasião da Exposição do Mundo Português, 1940 – de que Cottinelli Telmo foi arquiteto-chefe –, transformou-se em Padrão dos Descobrimentos, celebrando não apenas o Infante mas também os seus colaboradores e seguidores. Concebido por Cottinelli Telmo e pelo escultor Leopoldo de Almeida (autor da estatuária) para essa grande exposição, o monumento inicial foi realizado no curto espaço de tempo de oito meses. Feito de materiais perecíveis, foi desmontado em 1958 e reconstruido nos anos imediatos, em betão e pedra de lioz, por decisão de Salazar que, por ocasião do 5º centenário do Infante, contrariou o resultado de mais um concurso henriquino para Sagres (ganho em 1955 por um projeto notável de uma equipa formada por João Andresen, Barata Feyo e Júlio Resende). O Padrão dos descobrimentos seria erguido no local de implantação original, em Belém, com orçamento inferior ao desse concurso.[1] [2]

Considerado uma peça emblemática da Exposição do Mundo Português, "o grito da exposição e uma síntese do nosso passado glorioso" (roteiro da época), o Padrão dos Descobrimentos foi amplamente elogiado (Fernando de Pamplona, Ocidente, 1941; Costa Lima, Brotéria; etc.), mesmo por vozes dissonantes como a de Adriano de Gusmão (O Diabo, 16-11-1940), que já nessa ocasião desejou, como outros, vê-lo "para sempre transposto para o mármore ou granito". Erguido em definitivo algo fora de tempo, esteticamente desfasado da evolução das artes nos vinte anos entretanto decorridos, o monumento atual foi inaugurado em 1960 no contexto das comemorações dos quinhentos anos da morte do Infante D. Henrique.[1] [2]

Em 1985 o interior foi remodelado, dotando o Padrão de um miradouro, auditório e salas de exposições. O Padrão foi então inaugurado como Centro Cultural das Descobertas.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Rosa-dos-ventos vista a partir do topo do monumento.

O monumento tem a forma de uma caravela estilizada, com três grandes velas que se prolongam num bloco central, vertical, decorado de ambos os lados com baixos-relevos representando a bandeira de D. João I. Sobre a entrada, a espada da Casa Real de Avis. D. Henrique, o Navegador, ergue-se à proa, com uma caravela na mão direita e um mapa na esquerda. Em duas filas descendentes, de cada lado do monumento, estão as estátuas de portugueses notáveis ligados aos descobrimentos entre os quais navegadores, guerreiros, frades, cientistas, homens da cultura (Nuno Gonçalves com uma paleta; Camões segurando Os Lusíadas). A inspiração das figuras radica-se no histórico políptico de Nuno Gonçalves e no «classicismo austero» proposto por Francisco Franco no seu Monumento a Gonçalves Zarco (Funchal; 1927), de que Leopoldo de Almeida não se desviou, cumprindo e consolidando os princípios academizantes da estatuária oficial do Estado Novo, a «idade de ouro da escultura portuguesa» segundo António Ferro (1949).[4]

No chão do espaço fronteiro a norte do monumento encontra-se representada uma rosa-dos-ventos de 50 metros de diâmetro, desenhada no atelier do arquiteto Luís Cristino da Silva e oferecida pela África do Sul em 1960. Ao centro encontra-se um planisfério de 14m de largura, decorado com elementos vegetalistas, rosas-dos-ventos, bufões, uma sereia, um peixe fantástico e Neptuno com tridente e trombeta montado num ser marinho. "Datas, naus e caravelas marcam as principais rotas da expansão portuguesa, entre os séculos XV e XVI".[5]

No interior do monumento, que hoje acolhe o Centro Cultural das Descobertas, existem, no piso inferior, um auditório com 101 lugares e duas salas de exposição. O piso superior dispõe de quatro dependências retangulares e, no topo, localiza-se um miradouro de onde se descortina um belo panorama de Belém e do rio Tejo.[6]

Características técnicas[7] [editar | editar código-fonte]

  • Altura – 56m; Largura – 20m; Comprimento – 46m; fundações com 20 m de profundidade.
  • Materiais: estrutura em betão armado, revestida a calcário rosal de Leiria; esculturas em cantaria de calcário de Sintra; ferro, portadas de vidro e de madeira.

Estatuária[editar | editar código-fonte]

Para além da estátua principal do Infante Dom Henrique, o Navegador, segurando um modelo de uma caravela, de ambos os lados das rampas do monumento há um total de 32 figuras da história dos descobrimentos, especificamente (da esquerda para a direita):[8]

Lado Este (figuras rotuladas) 
O Infante D. Henrique 
Lado Oeste (figuras rotuladas) 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Monumento aos Descobrimentos

Notas

  1. a b A.A.V.V. - Os Anos 40 na Arte Portuguesa (tomo 1). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 60
  2. a b França, José AugustoA arte em Portugal no século XX [1974]. Lisboa: Bertrand Editora, 1991, p. 224, 281.
  3. Padrão dos Descobrimentos EGEAC - Padrão dos Descobrimentos. Página visitada em 26-08-2014.
  4. A.A.V.V. - Os Anos 40 na Arte Portuguesa (tomo 1). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 60, 118-121
  5. Rosa-dos-Ventos EGEAC - Padrão dos Descobrimentos. Página visitada em 26-08-2014.
  6. Padrão dos Descobrimentos EGEAC - Padrão dos Descobrimentos. Página visitada em 26-08-2014.
  7. Padrão dos Descobrimentos Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana. Página visitada em 26-08-2014.
  8. Padrão dos Descobrimentos
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.