Mopso (filho de Rácio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mopso)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

Mopso, filho de Manto e de Rácio ou Apolo, tornou-se um profeta e vidente como sua mãe, que era filha de Tirésias. Em tempos históricos recebeu culto na Jônia e foi o patrono dos oráculos de Claros e de Mallos.

Seu pai, Rácio, filho de Lebes, e da raça dos micênios,[1] ou um cretense,[2] levou uma grande força de cretenses para a Cária e ocupou sua costa, mas a maior parte da região continuou sob o controle dos cários.[3]

Após a queda de Tebas para Tersandro, filho de Polínice, no episódio conhecido como os Epígonos, os prisioneiros foram enviados ao oráculo de Delfos,[3] que ordenou que eles fundassem uma colônia.[4] . Ao chegarem, os cretenses os levaram prisioneiros para Rácio, porém este, ao saber quem eles eram, tomou Manto, filha de Tirésias, como esposa, e deixou o povo habitar a terra.[4] .

Mopso, filho de Rácio e Manto, expulsou os cários da região.[4] Em outra versão, Mopso era filho de Apolo e Manto.[5]

Havia sido profetizado que o adivinho Calcas morreria quando encontrasse um adivinho mais sábio que ele;[6] quando Calcas e Mopso se encontraram,[5] em Colofão,[6] eles disputaram para ver quem era o melhor.[5] Calcas desafiou Mopso a determinar o número de figos em uma figueira, e Mopso acertou.[5] Em seguida, Mopso desafiou Calcas a determinar o número de porquinhos que havia em uma porca grávida, Calcas disse que eram oito, mas Mopso disse que eram nove, todos machos, e ainda precisou a data quando nasceriam; quando isto aconteceu, Calcas morreu de desgosto, e foi enterrado em Notium.[7]

Mopso morreu quando Anfíloco, filho de Alcmeão, lutou contra ele em combate singular, pela disputa do reino; os dois se mataram.[8]

Referências