Morada Nova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Morada Nova
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 2 de agosto
Fundação 1876
Gentílico moradanovense
Prefeito(a) Glauber Barbosa Castro (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Morada Nova
Localização de Morada Nova no Ceará
Morada Nova está localizado em: Brasil
Morada Nova
Localização de Morada Nova no Brasil
05° 06' 25" S 38° 22' 22" O05° 06' 25" S 38° 22' 22" O
Unidade federativa  Ceará
Mesorregião Jaguaribe IBGE/2008[1]
Microrregião Baixo Jaguaribe IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Ocara e Beberibe, Leste: Russas, Limoeiro do Norte e São João do Jaguaribe, Sul: Alto Santo, Jaguaribara e Jaguaretama, Oeste: Banabuiú, Quixadá, Ibicuitinga e Ibaretama
Distância até a capital 168 km
Características geográficas
Área 2 779,229 km² [2]
População 62 086 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 22,34 hab./km²
Altitude 52 m
Clima Semiárido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,610 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 383 023,000 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 6 169,23 IBGE/2010[5]
Página oficial

Morada Nova é um município no interior do estado brasileiro do Ceará. Localizado na Mesorregião do Jaguaribe, na Microrregião do Baixo Jaguaribe, no Vale do Jaguaribe.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Sua denominação original era Aldeamento de Nossa Senhora das Montanhas, depois Vila do Espírito Santo de Morada Nova e desde 1925 Morada Nova[carece de fontes?].

História[editar | editar código-fonte]

Suas origens remontam ao século XVIII, quando nas proximidades do Rio Banabuiú estabeleceram-se os colonizadores Alferes José de Fontes Pereira de Almeida e seu irmão, o Capitão Dionísio de Matos Fontes. Em torno dessa fazenda, denominada por seus proprietários de Morada Nova, formar-se-ia a povoação da qual daria origem ao Município. Evolução Política: A elevação do povoado à categoria de distrito provém da Lei Provincial nº 1.719, de 2 de agosto de 1876, com a denominação de Espírito Santo, condicionando sua instalação à doação, pelos moradores, da casa na qual deveria funcionar a Câmara Municipal. Satisfeita essa exigência, instalou-se o Poder Municipal, tendo como data 17 de janeiro de 1877 e sendo eleitos os seguintes membros: 1) Presidente: Manuel Antônio Ferreira Nobre; 2) Vereador: Eduardo Henrique Girão; 3) Vereador: José Mateus Regino de Oliveira; 4) Vereador: José Carneiro de Sousa; 5) Vereador: José Crisóstomo de Sousa; 6) Vereador: José Raimundo Evangelista; 7) Vereador: Antônio Elias Saraiva de Brito; 8) Secretário: Antônio Jorge de Oliveira Façanha; 9) Procurador: Joaquim Victor Carneiro; 10) Fiscal: Raimundo José Cavalcante; 11) Suplente de Juiz: Manoel Antônio Ferreira Nobre; 12) Suplente de Juiz: Conrado Balbino da Silva Girão; 13) Suplente de Juiz: Plácido Francisco de Assis Andrade. Além do projeto do qual resultaria a elevação do povoado à categoria de vila, houvera tentativa similar, de autoria do Legislativo Provincial, mas propondo a denominação de São Crisólogo, o que não merecera aprovação graças aos protestos do Deputado Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira, e inclusão, de sua autoria, do nome Espírito Santo (29/06/1876). A elevação do Distrito à categoria de Município, com a denominação de Morada Nova, provém da Lei Estadual nº 2.336, de 3 de novembro de 1925, tendo sido instalado a 6 de janeiro de 1926. Igreja: As primeiras manifestações de apoio eclesial têm como precedente requerimento formulado pelos fazendeiros Alferes José de Fontes Pereira de Almeida e seu irmão, o Capitão Dionísio de Matos Fontes, requerimento esse endereçado a D. João da Purificação Marques Perdigão, Bispo de Pernambuco, solicitando permissão para edificação de uma capela no reduto, e a ter como padroeiro o Divino Espírito Santo. Concedida a autorização, dever-se-iam iniciar os respectivos trabalhos, porém, à vista de desentendimento por parte dos requerentes irmãos, quanto à localização do templo, prolongaram-se as querelas. Convocados, então, os demais habitantes do reduto, no sentido de opinar a respeito, apresentou-se como vencedor o local preferido pelo Alferes José de Fontes e constante de 25 braças em quadro, conforme escritura datada de 1 de janeiro de 1834, além de segunda doação, constante de 300 braças, que seria feita pelo Capitão Dionísio de Fontes, cujo registro manteria a data de 29 de dezembro do mesmo ano[carece de fontes?].

Geografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia e recursos hídricos[editar | editar código-fonte]

As principais fontes de água são o Rio Banabuiú, os riachos seco, Santa Rosa, Córrego do Corcunda, Aroeiras, Curral Velho, Barbada, Palhano, Carnaúba, a lagoa da Felipa, os açudes das Flores, Curral Velho, Cipoada e ex-pirangi[carece de fontes?].

Relevo e solos[editar | editar código-fonte]

As principais elevações são o Serrote Pedra Branca, do Calado, do Cumbe, do Olho d'Água e das Três Irmãs[carece de fontes?].

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Composta por caatinga arbustiva aberta e floresta caducifólia espinhosa[carece de fontes?].

Clima[editar | editar código-fonte]

Tropical quente semiárido em todo o território[6] com pluviometria média de 840 mm com chuvas concentradas de janeiro à abril.[7]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período entre outubro de 1962 e dezembro de 2013, a menor temperatura registrada em Morada Nova foi de 14,1 ºC em 18 de agosto de 1974,[8] e a maior atingiu 39,2 ºC em 19 de março de 1967.[9] O maior acumulado de chuva registrado em 24 horas foi de 150,8 milímetros em 4 de março de 1980. Outros grandes acumulados foram 130,4 milímetros em 11 de maio de 2009, 128,5 milímetros em 17 de abril de 1989, 124,9 milímetros em 22 de junho de 2013, 109 milímetros em 11 de janeiro de 1973, 108,4 milímetros em 24 de abril de 1982, 102,3 milímetros em 22 de fevereiro de 1977 e 100 milímetros em 22 de abril de 1964.[10] O maior volume de chuva observado em um mês foi de 485,3 milímetros em abril de 1984.[11]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Morada Nova Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 38,5 38,2 39,2 38,4 37,5 38,1 36,5 37,2 39 38,9 38,5 38,7 39,2
Temperatura máxima média (°C) 35,1 33,8 32,3 31,9 31,9 31,8 32,6 34,2 35,3 36,1 36 35,7 33,9
Temperatura média (°C) 27,9 27,4 26,8 26,7 26,5 26 25,9 26,7 27,4 28 28,2 28,2 27,1
Temperatura mínima média (°C) 23,3 23,5 23 23 22,6 21,4 20,8 20,6 21,4 22,1 22,5 22,9 22,3
Temperatura mínima registrada (°C) 17,7 17,7 20,1 18,4 18 16,5 16,3 14,1 16,6 17,4 18 19,4 14,1
Chuva (mm) 68,7 113,9 208,1 194,5 124,4 64 26,7 4 3,6 2,9 3,3 26,1 840,2
Dias com chuva (≥ 1 mm) 5 9 15 13 11 6 4 1 0 1 1 2 68
Umidade relativa (%) 66 70 75 78 77 69 60 53 50,4 50 48 49 62,1
Horas de sol 232,6 203,1 206,3 217,6 233,5 248,9 259 279,9 282,7 297 279,2 262,7 3 002,5
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (médias climatológicas: período de 1961 a 1990;[12] [13] [14] [7] [15] [16] [17] recordes de temperatura: 10/1962 a 12/2013).[8] [9]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População[editar | editar código-fonte]

A baixo temos uma tabela com os dados do IBGE indicando um crescimento seguido por um decrescimento e novamente um crescimento na população do município de Morada Nova.

IBGE (2010)
Ano Habitantes
1991 58.912
1996 60.100
2000 64.400
2007 61.751
2010 62.065

[18]

Índice de Desenvolvimento Humano[editar | editar código-fonte]

A baixo temos a tabela com os últimos dados obtidos pelo IBGE para o IDH do município de Morada Nova.

PNUD (2000)
IDH 1991 2000
Renda 0.491 0.556
Longevidade 0.664 0.749
Educação 0.539 0.705
Total 0.565 0.67

[19]

Economia[editar | editar código-fonte]

Composição Econômica de Morada Nova[20]
Setor primário
12,59%
Setor secundário
28,92%
Setor terciário

58,49%

A economia do município de Morada Nova é baseada nos serviços (Setor terciário), seguida pela indústria (Setor secundário), que consequentemente é seguida pela agropecuária (Setor primário).

Na agricultura há o cultivo do milho, da banana, do caju, do algodão, da mandioca, do feijão, do abacaxi e de flores.

Na pecuária há a criação de bovinos, de suínos e de aves.

Há ainda o registro de cooperativas de apicultores na região, com alto índice de exportação do mel da abelha[carece de fontes?].

Também há registros da ocorrência da mica branca e da ametista em seu território[carece de fontes?].

No município estão localizadas mais de 45 indústrias[carece de fontes?].

Política[editar | editar código-fonte]

Administração Pública[editar | editar código-fonte]

A administração municipal localiza-se na sede Morada Nova.

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

O município é composto por oito distritos, sendo eles Morada Nova (Sede), Boa Água, Juazeiro de Baixo, Lagoa Grande, Pedras, Roldão, São João do Aruaru e Uiraponga.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Eventos[editar | editar código-fonte]

  • Festa do padroeiro da cidade, Divino Espírito Santo, que é realizada no dia 21 de maio.
  • Festa do vaqueiro, que é realizada pela Associação dos Vaqueiros em seus mais de 70 anos de existência.

Esporte[editar | editar código-fonte]

A cidade possui um clube profissional chamado Centro Esportivo Morada Nova, que disputa a Terceira Divisão Cearense, e realizam seus jogos no Estádio Pedro Eymard, que é de propriedade da Prefeitura Municipal de Morada Nova.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 09 set. 2013.
  6. [1].
  7. a b Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  8. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Morada Nova Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  9. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - Morada Nova Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  10. Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Morada Nova Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  11. Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Morada Nova Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  12. Temperatura Média Compensada (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  13. Temperatura Máxima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  14. Temperatura Mínima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  15. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  16. Insolação Total (horas) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  17. Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 30 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  18. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=230870#]
  19. [2]
  20. [3].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]