Mormugão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O navio USS Boxer no porto de Mormugão.
Quebra mar do porto de Mormugão.
Vagões de minério de ferro a caminho do Porto de Mormugão.

Mormugão, hoje oficialmente denominada Marmagao, é uma cidade portuária com 97 085 habitantes (2001), sede da municipalidade do mesmo nome, sita no Distrito de Goa Sul, Estado de Goa, União Indiana. O porto de Mormugão é a principal estrutura portuária daquele estado e um dos mais importantes da região[1] . O porto de Mormugão serviu de cenário ao filme The Sea Wolves (1980) e também figura proeminentemente no filme de Bollywood intitulado Bhootnath.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Situada numa pequena península a sul da cidade de Goa, Mormugão desenvolve-se ao longo da costa em terreno pouco elevado. Em 1900 a localidade tinha apenas 750 habitantes, sendo pois quase toda ela construída ao longo do século XX. O desenvolvimento da cidade é resultado do desenvolvimento do seu porto e da linha de caminho-de-ferro que o liga ao interior do continente.

Desde que recebeu em 1963 o estatuto de porto principal, na sequência da expulsão das forças portuguesas e da incorporação de Goa na União Indiana, Mormugão tem crescido fortemente, contribuindo em muito para o desenvolvimento do comércio marítimo da Índia. É na actualidade um dos maiores portos exportadores de minério de ferro, com um tráfego anual superior a 27,3 milhões de toneladas[2] .

A instalação do Aeroporto de Goa em Dabolim, nos arredores de Mormugão, e do terminal ferroviário em Vasco da Gama faz de Mormugão uma das principais portas de entrada do estado de Goa.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Aquando do censo de 2001[3] , Mormugão tinha uma população de 97 085 habitantes, sendo 53% do sexo masculino. A taxa de literacia era de 75%, mais alta do que a média nacional de 59.5%: a literacia é de 80% para o sexo masculino e de 70% para o século feminino. Em Mormugão, 11% da população tem menos de 6 anos de idade.

História[editar | editar código-fonte]

Quando os portugueses ocuparam aquela região da costa ocidental do subcontinente indiano no dealbar do século XVI fixaram-se na zona de Tiswadi, onde se desenvolveu aquilo que é hoje a Velha Goa. Com o adensar das ameaças à supremacia marítima portuguesa na região, foram construídos diversos fortes nas colinas circundantes a Goa, especialmente nas sobranceiras à costa. Foi por essa razão que em 1624 se iniciou a construção de uma fortaleza no promontório que domina a entrada sul da baía de Goa, nas proximidades do então pequeno porto de Mormugão. A Fortaleza de Mormugão passou a ser uma das mais importantes da Índia Portuguesa.

Os sultões do Sultanato de Bijapur, que dominavam Goa aquando da chegada dos portugueses, não desistiam de tentar retomar a cidade, tentando por diversas vezes a sua invasão. A partir do segundo quartel do século XVII, a esta ameaça local vieram-se juntar os ataques holandeses dos quais resultou a perda da maior parte das possessões lusas no sul da Ásia: Molucas, Batticaloa, Trincomali, Galle, Malaca, Manar, Jaffna, Quiloa, Cochim e Cananor. Entre 1640 e 1643, os neerlandeses tentaram por diversas vezes conquistar Mormugão, mas foram sempre repelidos.

Em 1683, os portugueses corriam grave risco face à investida dos maratas. Uma derrota quase inevitável foi evitada pela retirada das forças maratas comandadas por Sambhaji, que se viu obrigado a levantar o cerco e partir em defesa da sua capital, então ameaçada pelo avanço das forças do Império Mughal comandadas pelo imperador Aurangzeb. O quase desastre convenceu o vice-rei, D. Francisco de Távora, a transferir a sede do seu governo para a formidável fortaleza de Mormugão.

Em 1685 os novos edifícios para o governo da Índia Portuguesa estavam em construção, tendo como director das obras o padre jesuíta Teotónio Rebelo. Na sua função de arquitecto, o jesuíta tentou evitar o estilo excessivamente ornamentado do tempo, optando por edifícios austeros e funcionais. Os edifícios então construídos ainda subsistem, tendo sido utilizados para diversas funções, desde palácio do governador a hotel.

Os vice-reis que sucederam D. Francisco de Távora consideraram o local demasiado isolado e os edifícios excessivamente austeros, tendo voltada a instalar o governo na cidade de Goa e depois na nova cidade de Pangim.

Durante o século XVIII diversas epidemias devastaram Mormugão, mas a partir dos finais daquele século as condições sanitárias melhoraram. Sendo um dos melhores portos naturais da costa ocidental indiana, a importância de Mormugão foi crescendo paulatinamente e a cidade tornou-se um importante centro de comércio, partilhado por portugueses e britânicos (que davam o nome de Marmagoa ao porto).

Mormugão foi escolhido para terminal da linhas de caminho-de-ferro de via estreita[4] construída na década de 1880 para ligar a colónia portuguesa à rede ferroviária da Índia Britânica. Por um preço fabuloso, uma empresa britânica, a Western India Portuguese Guaranteed Railways Company, modernizou o porto e construiu a linha do Caminho-de-Ferro de Mormugão, obras que ficaram concluídas em Julho de 1886.

Nos arredores de Mormugão foi construída a nova cidade de Vasco da Gama, planeada e construída nos primeiros anos do século XX, foi um colorido e elegante conjunto de bairros onde viviam funcionários coloniais, comerciantes e emigrantes, com as suas escolas e clubes, incluindo alguns de inspiração britânica. Apesar de muito degradado, continua ser uma área de excepcional interesse e única no Estado de Goa.

Foi no hotel instalado na fortaleza de Mormugão que ficaram os agentes britânicos que em 1943 destruíram os navios alemães que se encontravam no porto de Mormugão, então sob soberania portuguesa e por essa razão águas neutrais.

Política[editar | editar código-fonte]

A cidade de Mormugão faz parte do círculo eleitora de Goa Sul para o Lok Sabha (câmara baixa do Parlamento da União Indiana), pelo qual foi eleito em 2007 Francisco Sardinha, do Partido do Congresso, que derrotou o seu rival Dr. Wilfred Mesquita, do Partido Bharatiya Janata, por uma margem superior a 40 000 votos.

Mormugão elege um membro da Assembleia Legislativa do Estado de Goa, lugar que é presentemente ocupado por Milind Naik, do Partido Bharatiya Janata.

Referências

  1. Falling Rain Genomics, Inc - Mormugao
  2. http://www.mptgoa.com/
  3. Census of India 2001: Data from the 2001 Census, including cities, villages and towns (Provisional). Census Commission of India.
  4. http://www.geocities.com/wp7713/vasco_vindaloo.htm
  • Hunter, Sir William Wilson. The Imperial Gazetteer of India. Londres: Trübner & co., 1885.
  • Wilson Hunter, Sir William; Sutherland Cotton, James; Sir Richard Burn, Sir William Stevenson Meyer, Great Britain India Office: The Imperial Gazetteer of India. Oxford: Clarendon Press, 1908.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]