Morpará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Município de Morpará
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 16 de julho de 1962
Fundação 1812
Gentílico morparaense
Prefeito(a) Edinalva Pereira de Almeida (Nalva) (PR)
(2013–2016)
Localização
Localização de Morpará na Bahia
Morpará está localizado em: Brasil
Morpará
Localização de Morpará no Brasil
11° 33' 32" S 43° 16' 51" O11° 33' 32" S 43° 16' 51" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Vale São-Franciscano da Bahia IBGE/2008[1]
Microrregião Barra IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Barra, Xique-Xique, Gentio do Ouro, Ipupiara, Brotas de Macaúbas, Ibotirama e Oliveira dos Brejinhos.
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 1 731,929 km² [2]
População 8 285 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 4,78 hab./km²
Altitude Latitude

-11° 33' 31 m

Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,558 baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 26 535,956 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 997,40 IBGE/2008[5]
Página oficial

Morpará é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2010 é de 8.350 habitantes. Segundo a FIRJAN é o segundo município que mais cresce na Bahia.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

A área que integra hoje o atual município, pertencia aos de Brotas de Macaúbas e Oliveira dos Brejinhos, e emancipou-se em 1962. A tradição corrente, sem que se saiba a data exata, é de que as primeiras incursões ao território, tenha sido feita pelos muribecas, que exploraram o morro vizinho, no local onde hoje se acha edificada a sede municipal, tendo aí encontrado, segundo algumas fontes, ouro, chegando a construir um acampamento na margem do Rio São Francisco, que teve depois a denominação de Rancho Velho. A formação do povoado deu-se entretanto, em conseqüência da chegada de pescadores, que aí foram se fixando por ser o local muito adequado para atividade pesqueira, que ocuparam inicialmente o local deixado pelos muribecas. O povoamento teve ainda como influência outra localidade chamada "Morro do Paramirim", ponto onde esse rio desemboca no São Francisco. Com o passar do tempo, foram surgindo os primeiros comerciantes, que compravam o peixe e vendiam sal, rapadura, café em grão, querosene etc. Foi erguida a primeira igreja, tendo como padroeiro São Pedro, em homenagem aos pescadores e ao proprietário das terras que se chamava Pedro Mariani. Esta em ruínas foi demolida e outra construída e inaugurada em 1976.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Morpará foi descoberta em 1812 por um vaqueiro da fazenda Picada que andava a procura de gado. Encontrou vários ranchos dos índios que pescavam às margens do Rio São Francisco, no local onde serviu, muitos anos depois para ancoragem dos navios chamados vapor, ficando este local conhecido por todos como Porto do Vapor.

Morpará tem origem nas fazendas Poço de Gado, Ema e Picadas. Seu primeiro nome foi dado pela aglomeração de pescadores Rancho Velho proveniente dos ranchos feitos e cobertos com palhas de carnaúba, produto natural e regional.

Depois foi denominado de Morro do Paramirim por ser aí o encontro dos rios São Francisco e Paramirim.

Em 1891, o fazendeiro Dr. Antônio Bitencourt Mariani, fez glebas e lotes para vender a quem interessasse. Foi aí que chegaram homens para abrir comércios, sendo o primeiro o Major Benedito Marcelino de Almeida, que teve a oportunidade de receber os militares quando vieram em busca dos revoltosos na década de 1914. Esse Major foi o grande defensor da ordem social das famílias morparaense da época.

Em 1916, com a chegada de outros comerciantes, especialmente os Brejeiros, que se instalaram comprando peixes, cera de carnaúba, peles e couro de todos os animais. Estas mercadorias eram despachadas para Juazeiro da Bahia, Petrolina de Pernambuco e para o estado de Sergipe.

Com o desenvolvimento, Morpará recebeu os primeiros serviços públicos, como a instalação de uma agência dos Correios e Telégrafos que também recebia correspondência de Brotas de Macaúbas e da Vila Jordão, que vinham transportadas nas costas dos burros e eram enviadas para as cidades da Barra, Juazeiro e outras das margens do rio São Francisco.

Os primeiros funcionários dos correios foram Bevenuto Ribeiro e Lindaura Ribeiro, que ao serem transferidos para Bom Jesus da Lapa, foram substituídos por Dona Emília Ribeiro, conhecida como Dona Laila, que trabalhou quase quarenta anos, por Dona Maria das Dores, conhecida como Dona Dozinha e os Srs. Dantes e Enok.

Morpará por ser o melhor porto, recebia as mercadorias dos municípios vizinhos, em especial o fumo de corda, que eram despachados para os estados do Piauí, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e outros, através do vapor, que consumia a lenha colhida nas margens do rio São Francisco.

Por volta de 1934, sendo o quinto distrito judiciário do município de Brotas de Macaúbas foi realizada, em 27 de dezembro deste ano, a abertura do livro número um, de registro de nascimento e casamento pelo Juiz de Paz, o Sr. Antônio Cândido de Deus, que celebrou o primeiro casamento em 10 de fevereiro de 1935, tendo como nubentes Antônio Custódio Filho e Almira Custódia de Andrade.

Em 16 de julho de 1962, o município foi criado com parte do território do distrito de Morpará, desmembrado de Brotas de Macaúbas, e com o território do distrito de Quixaba, desmembrado de Oliveira dos Brejinhos, por força de Lei Estadual número 1.722 e publicado no Diário Oficial do Estado, em 25.07.1962, lei sancionada pelo então Governador Coronel Juracy Montenegro de Magalhães, sua emancipação, ficando o nome Morpará e garantindo a categoria municipal.

Distritos[editar | editar código-fonte]

Morpará (sede), Carnaúba Grande e Quixaba.

Características[editar | editar código-fonte]

No município destaca-se o potencial natural como a Serra, pequenas praias, o Rio São Francisco, baixadas, uma vegetação bem vasta o que proporciona um bem estar e um ar completamente saudável.

Pertence a região econômica do Vale do São Francisco, na Região Administrativa de Barra, fazendo limites ao norte com os municípios de Barra e Xique-Xique, ao leste com o município de Gentio do Ouro, Ipupiara e Brotas de Macaúbas, ao oeste com o Rio São Francisco, fazendo divisa com Ibotirama e ao sul com o município de Oliveira dos Brejinhos.

Economia[editar | editar código-fonte]

Na pecuária destacam-se os rebanhos bovinos, ovinos e caprinos.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 24 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.