Morto-vivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2009).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
O fantasma de Barbara Radziwiłł por Wojciech Gerson: fantasmas são uma forma comum de mortos-vivos no folclore.

Morto-vivo é um personagem mítico e fabuloso que não está vivo nem morto.

O exemplo mais conhecido são os zumbis.

Eles são mortos que não tiveram descanso e voltam à vida num tipo de transe, possuem a pele apodrecida e usam roupas esfarrapadas, possuem um cheiro forte e horrível. Normalmente, perdem partes do corpo, como os dentes ou os dedos. Perambulam sem rumo, geralmente à procura de vingança. Para serem mortos definitivamente devem levar um tiro na cabeça.

Outro exemplo conhecido são os vampiros e as múmias.

Na ciência[editar | editar código-fonte]

Sendo uma construção da mitologia e superstição, o termo "morto-vivo" não é utilizado na ciência. Na ciência e medicina, uma pessoa que é revivida de morte clínica é lembrada como viva uma vez que suas funções biológicas associadas à vida foram restauradas. A capacidade de matéria morta se comportar como se estivesse viva em representações ficcionais do "morto-vivo" não é conhecida pela ciência na atualidade, e qualquer trabalho místico está fora do escopo de trabalho científico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Morto-vivo
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.