Moscovo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Moscovo
Moscou

Москва
Flag of Moscow.svgBandeira Coat of Arms of Moscow.svg
Lema:
Врагу никогда не добиться,
чтоб склонилась твоя голова!

(O inimigo jamais conseguirá abaixar a tua cabeça!)
Padroeiro: São Jorge
Cognome(s): A Terceira Roma, Primeiro Trono, Os Quarenta Fortes, Moskva City, O Porto dos Cinco Mares, A Cidade Áurea.[1] [2]
MoscowNewCollage-2013.png
Da esquerda para a direita: A fortaleza do Kremlin, o templo de Cristo Salvador, Moskva City, estátua de Vladimir Lênin na Casa dos Povos, noite em Moscou e a Catedral de São Basílio.
Hino: Minha Moscou (Áudio)
Região Centro
Distrito Distrito Federal Central
Subdivisão Moscou
Prefeito Serguei Sobianin
Área 2.510 km² km²
População (2013) 11 979 529 [3] habitantes
Densidade 9.682 hab/km²
Altitude 150 - 200 metros
Gentílico moscovita
Fundação 1147
Código telefônico +7 495, +7 499
Matrículas de automóveis 77, 99, 97, 177
Website mos.ru/
Localização
Localização de MoscovoMoscou 55° 46' N 37° 40' E
Cidade da Rússia Rússia

Moscovo (português europeu) ou Moscou (português brasileiro) (em russo: Москва, transl. Moskva, lido MaskváAFI: [mɐˈskva]) é a capital, cidade e subdivisão federal mais populosa da Federação Russa. A cidade é um importante centro político, econômico, cultural, científico, religioso, financeiro, educacional e de transportes da Rússia e do continente. Moscou é a megacidade mais ao norte na Terra, a segunda cidade mais populosa da Europa, atrás de Istambul, e a sexta cidade mais populosa do mundo, ficando atrás somente de Xangai, Istambul, Pequim, Mumbai e Karachi. Sua população, de acordo com os resultados de estatísticas federais, já ultrapassou os 12 milhões.[3] Com base na lista de 2012 da Forbes, Moscou tem a segunda maior comunidade de milionários do mundo.[4]

Moscou está situada sobre o rio Moscova, no Distrito Federal Central da Rússia europeia. No curso de sua história, a cidade serviu como capital de diversos Estados, como da Moscóvia medieval, do subsequente Czarado da Rússia e da União Soviética. Durante a Guerra Fria, Moscou foi o centro do chamado Bloco do Leste. A capital também é a sede do Kremlin, uma antiga fortaleza que é hoje a residência do presidente russo e sede do poder Executivo do governo da Rússia. O Kremlin é também um dos vários Patrimônios da Humanidade na cidade. Ambas as câmaras do Parlamento russo, a Duma e o Soviete da Federação, também estão sediadas em Moscou.

A cidade é servida por uma extensa rede de trânsito, que inclui quatro aeroportos internacionais, nove terminais ferroviários e um dos mais profundos túneis subterrâneos do mundo, o metrô de Moscou, perdendo apenas para Tóquio em termos de número de passageiros e reconhecido como um dos marcos da cidade devido à arquitetura rica e variada de suas 185 estações.

História[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade vem do rio Moscova, um termo de origem incerta. A primeira referência à cidade data de 1147, quando Jorge I convidou o príncipe de Novgorod para a cidade de Moscou. O encontro ocorreu em 4 de abril de 1147. A cidade estava em festa, os príncipes das zonas vizinhas ofereciam presentes uns aos outros e concordavam num acordo de cooperação mútua. Nove anos mais tarde, Jorge I manda construir uma muralha de madeira, que passou a ser reconstruída com frequência para garantir a proteção da cidade que crescia em meio aos conflitos entre Jorge I e o príncipe de Chernigov. A cidade também era um ponto estratégico para os príncipes de Vladimir-Suzdal, na época uma importante província. O rio Volga também tinha grande influência nas trocas comerciais entre a cidade e os restantes principados, bem como outros reinos. Prova disso são as moedas árabes encontradas na cidade.

Na altura, Moscovo era mais uma cidade administrativa do que comercial, dado que a população que ali vivia era sobretudo camponesa. Nos anos seguintes, a cidade viria a ter metalúrgicos e pessoas ligadas aos artesãos. O rio Volga, o seu ponto estratégico e a crescente populações fizeram Moscou crescer nos séculos XII e XIII.[5]

Vista de Moscou no século XVII.

No inverno de 1278, os mongóis capturaram a cidade e assassinaram o comandante da armada, bem como praticamente toda a população. Esses saques, ligados diretamente à história da Rússia, foram um desastre à composição do território russo. Posteriormente, os moscovitas puderam regressar às suas casas expulsando os inimigos. Contudo, ao contrário do que se passava na cidade, o resto do sul do território havia sido totalmente destruído, e muitas das cidades não se recuperaram, provocando grandes ondas de imigração para o norte, onde localizava-se Moscou. Isso influenciou a cidade, que viu a sua população crescer.

Depois dos saques e das carnificinas provocados pelos tártaros, Moscou volta a se recuperar e, em 1327, a cidade torna-se a capital do principado de Vladimir-Suzdal. A sua boa localização em relação ao rio Volga permitiu um desenvolvimento estável, atraindo milhares de refugiados provenientes de todo o território russo devido às grandes invasões dos tártaros, estabelecendo o poderoso Estado da Moscóvia.

Sob o poder de Ivan I da Rússia, Moscou substitui definitivamente Tver como o centro político de Vladimir-Suzdal. A partir daí, a cidade cresce a uma velocidade ainda maior. Ao contrário dos outros principados do mundo, a Moscóvia não era dividida em zonas para serem governadas pelos filhos, mas sim herdada inteiramente pelos descendentes. A revolta de Moscou contra a dominação estrangeira aumentava cada vez mais.

Em 1380, Demétrio, príncipe de Moscovo, ganhou uma importante batalha que permitiu acabar com o poder dos tártaros, a batalha de Kulikovo. Com isso, a Rússia, através de Moscovo, torna-se livre de todo o domínio estrangeiro. A cidade torna-se um grande centro de poder, que com o passar dos anos viria a se tornar a capital de um grande Império com grande notoriedade mundial. Com isto, Kiev perde o seu estatuto de poder que antes tivera como Rússia Kievana.

Em 1571, tártaros da Crimeia atacaram e saquearam Moscou, poupando apenas o Kremlin. O século XVII seria marcado por um grande crescimento populacional e por certas revoluções, como o fim da invasão da Polônia e Lituânia em 1612 e a revolta de Moscou em 1682. Em 1712, após Pedro, o Grande fundar São Petersburgo às margens do Neva, em 1703, Moscou perde a condição de capital. As razões foram o contato com o mar que São Petersburgo propiciava, a localização estratégica para as trocas comerciais e a própria defesa da Rússia. I

O incêndio de Moscou, durante a invasão francesa da Rússia em 1812.

O ano de 1812 é, sem dúvida, a data mais conhecida da história da Rússia, pois marca a invasão das tropas de Napoleão Bonaparte. Ao saber que Napoleão chegara às fronteiras da Rússia, os moscovitas elaboraram uma emboscada previamente definida. Quando os franceses chegaram à cidade, em 14 de setembro, o seu assustador exército encontrou uma cidade abandonada e completamente queimada. Sem nada para comer e com o terrível frio russo, as tropas viram-se obrigadas a bater em retirada. A imensa maioria morreu no regresso a França, fazendo com que Napoleão fosse perseguido pelos russos. Este acontecimento é dramatizado na obra Guerra e Paz, de Leão Tolstoi, e na Abertura 1812 de Tchaikovsky, que retrata todos estes acontecimentos.

Depois da vitória, Moscou continua crescendo a um ritmo bastante elevado. Em 1918, durante a Guerra Civil, Moscou serviu de quartel-general do Exército Vermelho, com um número aproximado de 178.500 soldados. Com o grande feito da Revolução de Outubro, a cidade torna-se capital da União Soviética, em 12 de Março de 1918.

Em novembro de 1941, a cidade volta a ser atacada, desta vez pela Alemanha Nazi, durante a Segunda Guerra Mundial. Moscou é evacuada e decretada como campo de batalha. Ao passo que a cidade era bombardeada, eram construídos diversos armamentos para combater os tanques. Nessa altura, e devido aos riscos, o líder soviético da época, Joseph Stálin, é aconselhado a abandonar a cidade e evacuar o resto da população que lá permanecia. A proposta, entretanto, foi recusada pelo líder. Em meio à invasão, a cidade dava continuidade à construção do metrô iniciada em 1930 que, ironicamente, foi beneficiada pelos bombardeamentos, que permitiram a expansão rápida das linhas.

Posteriormente, Moscou recebeu as Olimpíadas de 1980, que foram boicotados pelos Estados Unidos e outras nações ocidentais como protesto contra a Invasão soviética do Afeganistão.

Em 1991, a URSS é dissolvida e, com Boris Iéltsin no poder, Moscou cresce exponencialmente. A cidade passa a ser a capital da Federação Russa, onde fica o poder central, a Duma. No fim da década de 1990, a cidade cresce, aumenta suas linhas de metrô e moderniza a sua arquitetura, gerando críticas à demolição desmedida de prédios históricos para dar lugar aos grandes arranha-céus. Moscou transforma-se numa cidade cosmopolita cheia de história, cultura e vivacidade, mas também com problemas como o crime organizado e a pobreza.

Panoramas[editar | editar código-fonte]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Moscou e seus subúrbios vistos do espaço.

Moscou está situada às margens do rio Moscova, que corre pouco mais de 500 km através da planície do leste da Europa, na Rússia central. 49 pontes atravessam o rio e seus canais dentro dos limites da cidade. A elevação de Moscou no local onde localiza-se a estação meteorológica da cidade é de 156 metros. O ponto mais alto é o planalto Teplostanskaya com 255 m.[6] A largura da cidade de Moscou, desconsideradas as limitações de MKAD, de oeste para leste, é de 39,7 km, sendo o comprimento de norte a sul de 51,7 km .

O sistema viário de Moscou é centrado em torno do Kremlin, no coração da cidade. De lá, as estradas geralmente irradiam-se ao exterior para cruzar com uma sequência de estradas circulares, os chamados anéis.

O primeiro anel principal e mais interno, o Bulvarnoye koltso, foi construído no local da antiga muralha do século XVI ao redor da cidade que costumava ser chamada Bely Gorod. O Bulvarnoye koltso tecnicamente não é um anel, já que não forma um círculo completo, mas sim uma ferradura em arco, que vai da Catedral de Cristo Salvador até o rio Iauza.

Fuso horário[editar | editar código-fonte]

Moscou é o ponto de referência do fuso horário de toda a Rússia central, incluindo a cidade de São Petersburgo. As áreas que seguem esse fuso horário operam sob o chamado Horário de Moscou, que é quatro horas à frente do meridiano de Greenwich.

Clima[editar | editar código-fonte]

Moscou é uma das capitais mais frias do mundo. De acordo com a classificação de Köppen-Geiger, Moscou tem um clima continental úmido com verões quentes e úmidos e invernos frios e longos. O tempo é flexível, com temperaturas variando dos -25 °C aos 0 °C no inverno e dos 15 °C aos 30 °C no verão. Temperaturas consideradas altas no verão situam-se entre 20 °C e 26 °C, mas durante os períodos de calor, as temperaturas podem exceder os 30 °C, por uma ou duas semanas. No inverno, as temperaturas noturnas geralmente alcançam os -10 °C, apesar de períodos de calor com temperaturas acima do 0 °C. A maior temperatura já observada na cidade foi de 39 °C, durante a onda de calor de 2010. A temperatura mais baixa já registrada, por sua vez, foi de -42 °C, em 1940. A neve, presente de três a cinco meses por ano, normalmente inicia-se no final de novembro, derretendo em meados de março.

Tabela Climática de Moscou
Temperatura
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média
Média Máxima °C -4.0º -3.7º 2.6º 11.3º 18.6º 22.0º 24.2º 21.9º 15.7º 8.6º 0.9º -3.0º 9.6º
Média °C -6.5º -6.7º -1.0º 6.7º 13.2º 17.0º 19.2º 17.0º 11.3º 5.6º -1.2º -5.2º 5.8º
Média mínima °C -9.1º -9.8º -4.4º 2.2º 7.7º 12.1º 14.4º 12.5º 7.4º 2.7º -3.3º -7.6º 2.1º
Precipitação
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total
Total mm 46 36 33 38 52 84 90 80 67 66 60 53 705
Dados referentes aos séculos XIX, XX e XXI.

Demografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com as estatísticas federais de 2013, a população de Moscou é de 11 979 529 habitantes,[3] contra 10 382 754 registrados no Censo de 2002.[7]

Na época do censo de 2010 oficial, a composição étnica da cidade era:

Gráfico populacional de Moscou, entre 1350 e 2009.
Russos 91,6% Georgianos 0,4% Ossetas 0,1%
Ucranianos 1,4% Usbeques 0,3% Coreanos 0,1%
Tártaros 1,4% Tajiques 0,2% Cazaques 0,1%
Armênios 1,0% Moldavos 0,2% Basquírios 0,1%
Azeris 0,5% Mordovianos 0,2% Chineses 0,03%
Judeus 0,5% Chechenos 0,1% Vietnamitas 0,03%
Bielorrussos 0,4% Chuvaches 0,1% Outros 1,2%

A população oficial de Moscou é tomada daqueles que têm residência permanente. De acordo com o Serviço Federal de Migração da Rússia, Moscou também possui 1 milhão e 800 mil moradores oficiais com residência temporária. O número de moradores não oficiais, aqueles sem a devida documentação, é estimado em um adicional de 1 milhão de pessoas.[8]

Religião[editar | editar código-fonte]

O Cristianismo é a religião predominante na cidade, sendo a Igreja Ortodoxa Russa a denominação mais popular. Moscou também é a sede de um Patriarcado, entre os mais influentes da Igreja, que conduz a religião tradicional do país, considerada uma parte do patrimônio histórico da Rússia em uma lei aprovada em 1997.[9] Além dos velhos crentes, as outras religiões praticadas em Moscou incluem o Islã, o Protestantismo, o Budismo e o Judaísmo.

O Patriarcado de Moscou serve como a sede da Igreja russa, residindo no Mosteiro de Danilov. Moscou era chamada de cidade das 1600 igrejas até 1918, quando a Rússia se tornou um Estado laico e a religião perdeu sua posição na sociedade. Com a desintegração da União Soviética, em 1991, muitas das igrejas destruídas foram restauradas e as religiões tradicionais vem ganhando popularidade.

Enquanto a população muçulmana da cidade é estimada entre 1,2 e 1,5 milhões de pessoas de um total de 12 milhões,[10] no ano de 2010 havia apenas quatro mesquitas na cidade. Apesar de uma mesquita adicional ter sido aprovada no sudeste, ativistas contrários às práticas islâmicas bloquearam a sua construção.[11]

Política[editar | editar código-fonte]

Os distritos de Presnya e Dorogomilovo, com o prédio da prefeitura de Moscou (à esquerda) e a Câmara Branca (à direita).

Moscou é a sede do poder para a Federação Russa. No centro da cidade, no distrito administrativo central, está o Kremlin de Moscou, que abriga a casa do Presidente da Rússia, bem como muitas das instalações do governo nacional. Isso inclui a sede militar e a sede do Distrito Militar de Moscou. A cidade, como qualquer capital nacional, é também a sede de todas as embaixadas estrangeiras e diplomatas que representam as várias nações na Rússia.

Moscou é designada como uma das duas únicas cidades federais da Rússia — a outra sendo São Petersburgo. Das 83 subdivisões da Rússia, Moscou representa a cidade mais populosa e a menor em termos de área. Por fim, a cidade está localizada na Região Econômica do Centro, uma das doze regiões no interior da Rússia com as mesmas metas econômicas.

Subdivisões administrativas[editar | editar código-fonte]

Moscovo é dividida em 12 distritos administrativos.

Todos os distritos possuem o seu brasão, bandeira e políticos eleitos por voto. Cada distrito também dispõe de emissoras de televisão próprias.

Divisões administrativas de Moscovo.
Distritos Administrativos Nome em russo População (2010)
1. Central
Центральный
742,689
2. Leste
Восточный
1459,051
3. Nordeste
Северо-Восточный
1366,303
4. Norte
Северный
1114,607
5. Noroeste
Северо-Западный
924,419
6. Novomoskovski
Новомосковский
113,569
7. Oeste
Западный
1299,337
8. Sudeste
Юго-Восточный
1313,848
9. Sudoeste
Юго-Западный
1366,282
10. Sul
Южный
1703,892
11. Troitski
Троицкий
86,752
12. Zelenograd
Зеленоград
223,902

Economia[editar | editar código-fonte]

O distrito industrial e a Krasnaya Presnya.

Moscou é uma das maiores economias entre as cidade da Europa e compreende aproximadamente 22% do PIB russo. Em 2009, a economia de Moscou chegou a 7,16 trilhões de rublos[12] (US$ 225 bilhões).[13]

A cidade tem a menor taxa de desemprego de todas as subdivisões federais da Rússia, situando-se em apenas 1% no ano de 2010, em comparação com a média nacional de 7%. O salário médio mensal na cidade é o quarto maior da Rússia, com 41.600 rublos, aproximadamente 1.070 ou R$ 2.900, que é quase o dobro da média nacional de 21.800 rublos, equivalente a cerca de € 560 ou R$ 1.500.[14]

A capital russa é indiscutivelmente o centro financeiro da Rússia e a sede dos maiores bancos do país e de muitas de suas maiores empresas, como a Gazprom, a maior estatal russa. Moscou responde por 17% das vendas de varejo e 13% de toda a atividade de construção civil no país.[14] [15] Desde a crise financeira russa de 1998, vários setores de atividade em Moscou mostraram taxas exponenciais de crescimento. Muitos centros de negócios novos e prédios de escritórios foram construídos nos últimos anos, mas a cidade ainda enfrenta a escassez de espaços de escritório. Como resultado, muitas das antigas instalações industriais e de pesquisa estão sendo reconstruídas para se tornarem adequadas para o uso de escritórios.

No entanto, enquanto a estabilidade global melhorou nos últimos anos, o crime e a corrupção continuam a ser um problema, impedindo o desenvolvimento dos negócios.

O mercado de Cherkizovskiy é o maior mercado na Europa, com volume diário de cerca de 30 milhões de dólares e cerca de 10 mil vendedores [16] de diferentes países, incluindo China, Turquia, Azerbaijão e Índia.

Em 2008, Moscou tinha 74 bilionários com uma fortuna média de US$ 5,9 bilhões, o que a colocou acima dos 71 bilionários de Nova York. No entanto, em 2009, o número de bilionários na cidade caiu para 27, bem menos que os 55 bilionários de Nova York. No geral, a Rússia perdeu 52 bilionários durante a crise econômica, entre 2008 e 2011.[17] No topo da lista de bilionários da Rússia em 2009, estava Mikhail Prokhorov, com US$ 9,5 bilhões, à frente do mais famoso Roman Abramovich, com US$ 8,5 bilhões. A companhia de Prokhorov, o grupo ONEXIM, possui ativos enormes em energia de hidrogênio, nanotecnologia, energia tradicional e setor de metais preciosos, enquanto Abramovich, que vendeu a sua companhia petrolífera Sibneft para a gigante estatal russa Gazprom, em 2005, comprou os ativos de siderurgia e mineração. Ele também é dono do clube de futebol Chelsea FC. A mulher mais rica da Rússia continua sendo Helena Baturina, casada com o ex-prefeito de Moscou, Iuri Luzhkov. Oleg Deripaska, que liderou a lista com uma fortuna recorde de US$ 28 bilhões em 2009, hoje ostenta US$ 3,5 bilhões. Com base na lista de 2011 da Forbes, Moscou era a cidade com mais bilionários no mundo, um total de 79. Na lista de 2012, a cidade perdeu a posição para Nova York, mas ainda continua com o segundo lugar.[18]

Os novos ricos, também chamados de novos russos, muitas vezes pejorativamente, têm uma reputação de ostentar sua riqueza, alardeando-se dos métodos pelos quais obtiveram-na.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Educação e ciência[editar | editar código-fonte]

Há 1696 colégios e 91 faculdades em Moscou. Além deles, também existem 222 instituições de educação superior, incluindo 60 universidades federais e a própria Universidade de Moscou, fundada em 1755. O prédio principal, que já foi o maior edifício do continente, com seus 240 metros de altura, é localizado na Colina dos Pardais. A universidade tem mais de 30.000 alunos e 7.000 aspirantes, em cursos de pós-graduação, distribuídos por 29 faculdades e 450 departamentos educacionais. Há ainda 10.000 estudantes secundários que estudam na universidade, junto de milhares de pesquisadores. A biblioteca da Universidade de Moscou contém mais de nove milhões de títulos, fazendo dela uma das maiores bibliotecas de toda a Rússia. Seu sucesso na comunidade mundial fez com que 11.000 estudantes estrangeiros tenham se graduado na universidade, além das centenas de outros que lá aprendem a língua russa.

A Universidade Nacional de Pesquisa Médica, também conhecida por seu nome antigo de Universidade Russa Federal de Medicina, é uma das maiores escolas médicas do país e da Europa. Atualmente, mais de 9.200 estudantes ingressam nos 115 diferentes departamentos da universidade, que também oferece cursos de pós-graduação.

Moscou é um dos principais centros financeiros da Rússia e dos países da CEI, sendo muito conhecida por suas escolas de economia e negócios. Entre as melhores, estão a Academia Financeira, a Universidade de Economia Plekhanov, a Universidade Federal de Administração e a Universidade Federal de Economia. Essas instituições oferecem diplomas em administração, finanças, contabilidade, marketing, mercado imobiliário e economia, assim como mestrados e MBA com vários recursos. A maioria dessas universidades tem departamentos em outras regiões russas e até mesmo em outros países.

A Universidade Técnica Estatal Bauman de Moscou, fundada em 1830, é localizada no centro de Moscou, atendendo a mais de 18.000 alunos e 1.000 pós-graduandos em áreas da engenharia, oferecendo uma gama de diplomas técnicos. Desde que abriu inscrições para estudantes de fora do país, em 1991, a Universidade Bauman aumentou o número de estudantes estrangeiros para mais de 200.

O Conservatório de Moscou, fundado em 1866, é uma conhecida escola de música, cujos alunos incluem Serguei Rachmaninoff, Mstislav Rostropovich, Aram Khachaturian, Alexander Scriabin e Alfred Schnittke.

O Instituto de Cinematografia Gerassimov de Todas as Rússias (VGIK) é a instituição educacional mais antiga de cinematografia, fundada por Vladimir Gardin em 1919. Serguei Eisenstein, Mikhail Vartanov, Andrei Tarkovski, Nikita Mikhalkov, Eldar Riazanov, Alexandr Sokurov, Iuri Norshtein, Alexander Petrov e Vassili Shukshin estão entre os mais destacados professores e alunos do instituto.

O Instituto Federal de Relações Internacionais de Moscou, fundado em 1944, continua sendo a escola de diplomacia e relações internacionais mais conhecida da Rússia, com seis diferentes vertentes focadas nas relações internacionais. Aproximadamente 4.500 estudantes compõem o corpo universitário, e mais de 700.000 livros em russo e línguas estrangeiras — dos quais 20.000 são considerados raros — podem ser encontrados na biblioteca do instituto.

Outras importantes e reconhecidas instituições de ensino são o Instituto Moscovita de Física e Tecnologia, também conhecido como Phystech, o Complexo Oftalmológico Fedorov, o Instituto de Aviação de Moscou e o Instituto de Física e Engenharia de Moscou, que formou diversos vencedores do prêmio Nobel, como Nicolai Semionov, Lev Landau, Alexander Prokhorov e Peter Kapitsa.

Apesar das numerosas instituições educacionais estabelecidas na era soviética, Moscou tem visto um crescimento no número de instituições privadas que oferecem cursos na área de negócios e administração. Várias instituições estatais expandiram seus horizontes, criando novos cursos e departamentos. As instituições de Moscou começam a oferecer novos certificados internacionais e diplomas de pós-graduação, incluindo os MBAs. Os programas de intercâmbio com diferentes países, principalmente da Europa, estão cada vez mais populares nas universidades da cidade, ao passo que várias escolas dentro da capital também oferecem seminários, palestras e cursos para empregados e empresários.

Moscou é um dos maiores centros científicos da Rússia. A sede da Academia Russa de Ciências é localizada em Moscou, assim como diversas instituições científicas e de pesquisa. Há 452 bibliotecas na cidade, incluindo 168 infantis. A Biblioteca Nacional, fundada em 1862, é a principal biblioteca do país. Essa livraria possui mais de 17 milhões de livros, 13 milhões de revistas, 350.000 partituras musicais e 150.000 mapas, fazendo dela a maior biblioteca da Rússia e uma das maiores do mundo. Itens em 247 diferentes idiomas compõem aproximadamente 29% de toda a coleção.

A Biblioteca Histórica, fundada em 1863, é a maior especializada em história da Rússia. Sua coleção contém 4 milhões de itens em 112 idiomas, a respeito da história russa e mundial, de heráldica, de numismática e da história da ciência.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Um dos museus de arte mais conhecidos de Moscou é a Galeria Tretyakov, fundada por Pavel Tretyakov, um rico defensor das artes, que doou sua coleção privada para a administração da cidade. A galeria é dividida em dois blocos. O chamado "antigo Tretyakov" é a galeria original, à margem sul do rio Moscova, que lida com a arte clássica e tradicional da Rússia. Os trabalhos de vários pintores famosos da época pré-revolucionária, tal qual Ilya Repin e diversos ícones podem ser encontrados por lá. O chamado "novo Tretyakov" foi estabelecido na era soviética, e contém, principalmente, os trabalhos dos artistas soviéticos e obras contemporâneas, além de uma pequena quantidade de conteúdos do início do século XX, da mesma época daqueles encontrados no antigo Tretyakov. A nova galeria inclui uma reconstrução do famoso Monumento à III Internacional e uma mistura de trabalhos de artistas da vanguarda, como Kazimir Malevich e Wassily Kandinsky. O Realismo socialista também se faz presente dentro da galeria do novo Tretyakov. Também há em Moscou o renomado Museu Pushkin de Belas Artes, com exposições acerca das civilizações, com diversas réplicas de esculturas antigas. Entretanto, o museu também abriga pinturas famosas de praticamente toda era ocidental, além de obras de Claude Monet, Paul Cézanne e Pablo Picasso. O Museu Histórico da Rússia, um dos mais visitados do país, é localizado em Moscou, mais especificamente entre a Praça Vermelha e o Manege moscovita. Suas mostras vão de relíquias de tribos pré-históricas da atual Rússia até os trabalhos artísticos de valores incalculáveis adquiridos pelos czares da dinastia Romanov. O número total de objetos nas coleções do museu ultrapassa os milhões. O Museu Politécnico, fundado em 1872, é o maior museu técnico da Rússia, oferecendo uma ampla gama de invenções históricas e descobrimentos tecnológicos, incluindo o humanoide do século XVIII e os primeiros computadores soviéticos. Essa coleção contém mais de 160.000 itens. O Panorama de Borodino é um museu localizado na Avenida Kutuzov que oferece a oportunidade para que seus visitantes experimentem estar em um campo de batalha, com uma visão de 360º, uma homenagem à Batalha de Borodino, uma das principais atrações desse museu que é completamente dedicado à vitória na Guerra Patriótica de 1812 sobre Napoleão e seu exército, incluindo o Arco do Triunfo, erguido em 1827. Na cidade, existe também o museu de história militar, que inclui estátuas, equipamentos bélicos e informações interativas obtidas por meio de histórias de guerra. Moscou é o coração da performance das artes, incluindo o balé e o cinema. Há 93 teatros, 132 cinemas e 24 salões de concerto na capital. Entre os vários teatros e estúdios de balé da cidade, destacam-se o Teatro Bolshoi e o Teatro de Arte de Moscou. Os repertórios são numerosos durante a temporada, com interpretações modernas de trabalhos clássicos, líricos ou dramáticos. O

Moscou tem uma grande tradição circense, sendo sede do Circo de Moscou.

Moscou celebra o Dia da Vitória.

O Museu Memorial da Cosmonáutica é, de fato, um verdadeiro memorial aos heróis e pioneiros do espaço. O ambiente é localizado sob o célebre Monumento aos Conquistadores do Cosmos.

Os filmes soviéticos fazem parte da história do cinema russo, e o estúdio moscovita Mosfilm foi o coração de diversos clássicos cinematográficos, responsável pelas produções artísticas e documentais. Entretanto, apesar da constante presença e reputação de cineastas internacionalmente reconhecidos na cidade, os estúdios que outrora fizeram fama em todo mundo hoje vivem tempos de mansidão. Filmes raros e históricos podem ser vistos no Cinema Salut, onde coleções de museu são apresentadas regularmente.

O Museu Estatal da Arquitetura, localizado próximo da Praça Vermelha, é o museu nacional de arquitetura da Rússia, que leva o nome do arquiteto Alexei Schusev.

O Dia da Vitória é um importante evento em toda a Rússia. Em Moscou, a data é considerada especial, e comemorada com desfiles militares, apresentações musicais e queima de fogos.

Luxo e vida noturna[editar | editar código-fonte]

A cidade é repleta de diferentes tipos de clubes, restaurantes e bares. O centro da cidade e a Rublevka, zona mais rica da cidade, apresentam amplas possibilidades de entretenimento e vários estabelecimentos de luxo. A Tverskaya é uma das ruas comerciais mais frequentadas de Moscou.

A via Tretyakovski, em Kitai-Gorod, é um dos principais símbolos da chegada do capitalismo ao país, abrigando luxuosas marcas como Bulgari, Tiffany & Co., Armani, Prada e Bentley. A vida noturna de Moscou mudou drasticamente desde a queda da União Soviética, e os estabelecimentos de entretenimento popular e de massa deram lugar a vários dos maiores clubes noturnos do mundo.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Moscou dispõe de um grande número de várias instalações esportivas, sendo a sede de 63 estádios, além de oito campos profissionais de futebol e onze praças de atletismo. O mais conhecido é o Complexo Luzhniki, o quarto maior de toda a Europa, sede das Olimpíadas de 1980 e da final da Liga dos Campeões da UEFA de 2007–08. 40 outros complexos esportivos estão localizados dentro dos limites da cidade, incluindo 24 arenas com gelo artificial. O Estádio Olímpico era a principal arena para a prática do bandy, sediando o torneio mundial em duas ocasiões. Em Moscou também há sete hipódromos, sendo o maior deles o Central de Moscou, fundado em 1834.

Em 1980, Moscou sediou os Jogos Olímpicos, apesar de as provas marítimas terem acontecido em Tallinn, na época a Estônia Soviética. Os jogos propiciaram a construção de uma grande infraestrutura, como vários complexos esportivos e o segundo terminal do Aeroporto Sheremetievo. Moscou também candidatou-se como sede para as Olimpíadas de 2012, mas foi eliminada na decisão, que definiria Londres como a sede dos jogos.

O futebol, no verão e o hóquei, no inverno, são os esportes mais populares da cidade. Entretanto, o PBC CSKA e o MBC Dínamo são fortes clubes de basquetebol da cidade que se destacam nos campeonatos nacionais. As principais equipes esportivas de Moscou incluem o CSKA, a equipe de hóquei mais premiada do mundo, o Spartak, o mais vezes campeão do futebol russo, e o Dínamo, que revelou importantes nomes em várias modalidades esportivas. Todos esses clubes têm equipes de futebol, hóquei e basquetebol. O Lokomotiv e Torpedo são outras duas equipes de futebol importantes da cidade.

O Estádio Luzhniki, localizado no centro de Moscou.

O Spartak, historicamente representando a grande massa, e o CSKA, o clube do exército, fazem o Grande Clássico Moscovita, decorrente da rivalidade entre os trabalhadores e os militares. O Dínamo, por outro lado, foi fundado pela política secreta. Com isso, os mais fortes times russos acabaram por se concentrar em Moscou.

Por conta do clima frio, existem muitos parques que oferecem a prática de patinação e esqui. Como importante polo do esporte, Moscou também oferece anualmente a Copa Kremlin, um conhecido torneio de tênis entre a Associação de Tenistas Profissionais e a Associação de Tênis Feminino. A Copa é uma competição muito prestigiada, principalmente pelos jogadores russos.

O Slava Moscou e o RC Lokomotiv são conhecidos clubes profissionais de rúgbi. Moscou foi a sede da Copa do Mundo de Rúgbi de 2013.

A Rússia sediará a Copa do Mundo FIFA de 2018. O Luzhniki terá sua capacidade aumentada com quase 10.000 novos assentos. Os estádios do Dínamo e do Spartak também estão em construção, com capacidade de, pelo menos, 40.000 espectadores.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Transporte aéreo[editar | editar código-fonte]

Moscou é atendida primariamente por quatro aeroportos comerciais:

O Aeroporto Moscou-Sheremetievo é o ponto de entrada mais comum de turistas estrangeiros, assumindo 60% dos voos internacionais. O Domodedovo é o principal aeroporto da Rússia em termos de quantidade de passageiro, já que é a saída principal para voos domésticos longos ou com destino aos países da CEI. Os demais aeroportos oferecem exclusivamente voos para regiões da Rússia ou CEI. Os aeroportos moscovitas têm distâncias variadas do MKAD. O Bykovo é o mais distante, localizado a 35 km das vias, enquanto o Ostafievo é o mais próximo, a 22 km do anel. O Domodedovo, Vnukovo e Sheremetievo distam, respectivamente, 27 km, 11 km e 10кm.

O Myachkovo é localizado próximo a Moscou, muito utilizado para voos privados, helicópteros e fretamentos.

Transporte fluvial[editar | editar código-fonte]

Diferentemente de São Petersburgo, Moscou não depende diretamente de um transporte fluvial bem equipado. A capital tem dois terminais de passageiros no rio Moscova, além de rotas regulares de embarcações, também no Oka. Esse método de transporte, entretanto, é usados mais para fins de entretenimento e turismo do que para transporte. O Terminal Norte, construído em 1937, é o principal acesso para rotas fluviais de longa duração. Há também três portos de carga que atendem a Moscou.

Trânsito na Avenida Kutuzov, uma das principais vias da cidade.

Transporte ferroviário[editar | editar código-fonte]

Moscou possui uma ampla rede ferroviária, com nove terminais, os chamados vokzal, batizados originalmente com o nome da principal região conectada à rede. São eles:

  • Bielorússki vokzal
  • Kazanski vokzal
  • Kievski vokzal
  • Kurski vokzal
  • Leningradski vokzal
  • Paveletski vokzal
  • Rizhski vokzal
  • Saviolovski vokzal
  • Iaroslavski vokzal

Todos os terminais são localizados próximos ao centro da cidade, integrados à linha Koltsevaia. Cada estação deve lidar com trens de diferentes partes da Europa e Ásia, o que exige uma boa logística e profunda manutenção técnica. Como os bilhetes são relativamente baratos, os trens são o meio de viagem favorito dos russos, especialmente com destino a São Petersburgo, grande centro de serviços da Rússia. Moscou é o terminal ocidental da Ferrovia Transiberiana, que atravessa aproximadamente 9.300 km do território russo, até chegar a Vladivostok, na costa do Pacífico.

Os subúrbios e cidades satélites são conectados a Moscou por meio da chamada elektritchka, uma rede de trens elétricos. As elektritchkas partem de seus terminais com destino às estações ferroviárias mais próximas.

Metropolitano[editar | editar código-fonte]

O metrô de Moscou, conhecido como o Palácio Subterrâneo, é único pela sua estética, murais, mosaicos e lustres ornados. Quando inaugurado, em 1935, o sistema tinha apenas duas linhas. Hoje, o metrô já compreende doze linhas, sendo a maior parte delas subterrânea, com um total de 188 estações. O metrô de Moscou é um dos mais profundos do mundo. A estação Park Pobedy, inaugurada em 2003, a 84 metros de profundidade, tem os elevadores mais longos da Europa. Em Moscou, o metrô é um dos mais ocupados de todo o planeta, atendendo a mais de nove milhões de pessoas diariamente. Por sofrer com questões que envolvem o transporte, a cidade tem vários planos de expansão do metrô. O metrô de Moscou tem um total de 313 km de extensão.

Interior da estação Krasnye Vorota, do metrô de Moscou.
Moskwa Metro Line 1.svg
Sokolnitcheskaia
desde 1935
26 km
19 estações
Moskwa Metro Line 2.svg
Zamoskovretskaia
desde 1938
40 km
21 estações
Moskwa Metro Line 3.svg
Arbat-Pokrov
desde 1938
45 km
22 estações
Moskwa Metro Line 4.svg
Filiovskaia
desde 1958
14 km
13 estações
Moskwa Metro Line 5.svg
Koltsevaia
desde 1950
19 km
12 estações
Moskwa Metro Line 6.svg
Kaluzhsko-Rizhskaia
desde 1958
38 km
24 estações
Moskwa Metro Line 7.svg
Tagansko-Krasnopresnensakaia
desde 1966
36 km
19 estações
Moskwa Metro Line 8.svg
Kalininskaia
desde 1979
16 km
8 estações
Moskwa Metro Line 9.svg
Serpukhov-Timiriasev
desde 1983 41 km 25 estações
Moskwa Metro Line 10.svg
Liublinsko-Dmitrovskaia
desde 1995
28 km
17 estações
Moskwa Metro Line 11.svg
Kakhovskaia
desde 1995
3 km
3 estações
Moskwa Metro Line 12.svg
Butovskaia
desde 2003
5 km
5 estações

Ônibus e trólebus[editar | editar código-fonte]

Moscou dispõe de uma longa rede urbana de ônibus, que parte de toda estação de metrô próxima às zonas residenciais. A cidade também tem um terminal para viagens de longo alcance e intermunicipais, que transportam, diariamente, cerca de 25 mil passageiros, o que representa 40% das rotas terrestres de Moscou. Toda via de importância é servida por pelo menos uma rota de ônibus, que são reforçadas por rotas de trólebus.

Bondes[editar | editar código-fonte]

Moscou também conta com um sistema de bondes, inaugurado em 1899. A linha mais recente foi construída em 1984. O uso diário de bondes pelos moscovitas já é baixo e vem caindo, pelo fato de partes das conexões terem sido retiradas. Entretanto, os bondes continuam importantes em alguns distritos, que dependem do transporte para se locomover até as estações de metrô. Os bondes também facilitam a baldeação entre linhas de metrô.

Táxis[editar | editar código-fonte]

Assim como em toda a Rússia, em Moscou é difícil saber a diferença entre um táxi e uma carona. Já faz parte de uma tradição oferecer caronas a estranhos por uma determinada taxa. Independentemente do local ou do horário, é possível achar um automóvel disposto a transportar indivíduos em pouco tempo. Táxis comerciais também são disponíveis, e o sistema de táxis com roteiro é amplamente usado.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Moscovo

Referências

  1. http://anames.ru/?type=%EF%F0%EE%E7%E2%E8%F9%E0+%E3%EE%F0%EE%E4%E0+%CC%EE%F1%EA%E2%FB
  2. http://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9C%D0%BE%D1%81%D0%BA%D0%B2%D0%B0-%D0%A1%D0%B8%D1%82%D0%B8 Refere-se ao Centro Internacional de Negócios de Moscou.
  3. a b c Wikinews.ru - População de Moscou alcança os 12 milhões.
  4. RBTH.ru - Moscou em segundo lugar em número de milionários.
  5. História de Moscovo: Antiguidade
  6. Памятник природы "Высшая точка Москвы - 255 м над уровнем моря (Теплый Стан)" (em russian). www.darwin.museum.ru. Página visitada em 2009-04-29.
  7. "Численность населения России, субъектов Российской Федерации в составе федеральных округов, районов,
  8. "Российская газета" о мигрантах в Москве. Rg.ru. Página visitada em 22 de dezembro de 2010.
  9. Bell, Imogen. Eastern Europe, Russia and Central Asia. [S.l.]: Taylor & Francis, 2003. ISBN 9781857431377 Página visitada em 2007-12-27.
  10. Maxim Kireev. "Planned Mosque Sparks Controversy in Russia", Der Spiegel.
  11. "Moscow Muslims pray on sidewalks for want of mosques", 2010-10-28.
  12. "Moscow Gross Regional Product", RosStat, 2010-03-03. Página visitada em 2011-08-21.
  13. "Russia GDP and PPP conversion rate", IMF Russia Economy, 2010-03-11. Página visitada em 2010-03-11.
  14. a b BOFIT Weekly 42/2010. Bank of Finland’s Institute for Economies in Transition (2010-10-22). Cópia arquivada em 2010-10-27.
  15. Average monthly salaries. Federal Service on State Statistics. Página visitada em 2007-09-07.
  16. (russo) Aleksandrov, Yuri. "Новые лимитчики", New Times, 2005-12-11. Página visitada em 2006-07-07.
  17. Russia’s billionaires hit by financial crisis. www.financemarkets.co.uk. Página visitada em 2009-05-22.
  18. Mexico’s Carlos Slim still tops Forbes’ richest list (March 9, 2011).
  19. a b Foreign relations of Moscow
  20. Moscow and Rejkjavik sister cities. . Retrieved on 2008-03-11
  21. Twinning Cities: International Relations. Municipality of Tirana. www.tirana.gov.al. Retrieved on 2008-01-25.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Moscovo