Mosteiro de Sumela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mosteiro de Sumela
O mosteiro está implantado na borda de um penhasco íngreme
O mosteiro está implantado na borda de um penhasco íngreme
Local Parque Nacional de Altindere
Região província de Trebizonda, Maçka
País  Turquia
Coordenadas 40° 41' 31" N 39° 28' E
Religião Ortodoxa grega



Início da construção Século IV



O Mosteiro de Sumela é um mosteiro ortodoxo grego, situado no sopé de um penhasco em frente ao vale de Altındere, na região de Maçka, na província de Trebizonda, na atual Turquia.[1] Está localizado a uma altitude de aproximadamente 1 200 metros, sendo uma grande atração turística do Parque Nacional de Altindere.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O mosteiro foi fundado no ano de 386 d.C. durante o reinado do imperador Teodósio I (375-395),[2] . Diz a lenda que dois padres se comprometeram a fundar um mosteiro no lugar, depois de ter descoberto um ícone milagroso da Virgem Maria em uma caverna na montanha.[1] Durante sua longa história, o mosteiro caiu em ruínas várias vezes e foi restaurado por vários imperadores bizantinos. Durante o século VI, foi restaurado e ampliado pelo general Belisário a mando de Justiniano.[2]

Atingiu sua forma atual no século XIII depois de ganhar destaque durante o reinado de Aleixo III (1349–1390) do Império de Trebizonda, (criado em 1204). Naquele tempo, ao mosteiro era concedido anualmente uma quantidade de fundos imperiais. Durante os reinados de Manuel III, filho de Aleixo III, e dos príncipes subsequentes, Sumela ganhou mais riqueza através de subsídios imperiais.

Após a conquista pelos otomanos liderados pelo sultão Mehmed II em 1461, lhe foi concedida a proteção por ordem do sultão e que foi renovada pelos sultões sucessivos. Monges e viajantes puderam assim continuar a viagem até lá ao longo dos anos, e o mosteiro continuou extremamente popular até ao século XIX.

Vista do exterior enquadrando o penhasco

Em 1682 e por mais algumas décadas abrigou o Phrontisterion de Trapezous (Escola de Trebizonda), uma conhecida instituição grega educacional da região.[3]

Depois de uma breve ocupação de Trebizonda pelo Império Russo de 1916 a 1918. O Mosteiro foi abandonado em 1923, na sequência da troca de populações entre a Grécia e a Turquia, de acordo com o Tratado de Lausanne que definiu as fronteiras da Turquia moderna. Os monges foram obrigados partir e não foram autorizados a tomar qualquer propriedade com eles, pelo que enterram o famoso ícone de Sumela sob o chão do mosteiro na capela de Santa Bárbara. Em 1930, um monge secretamente retornou ao Sumela e recuperou o ícone, transferindo-o para o novo Mosteiro de Soumela Panagia, nas encostas do Monte Vermio perto da cidade de Naousa, na Macedónia, Grécia.

Hoje a função principal do mosteiro é ser uma atração turística. Sua localização, com vista para as florestas e riachos abaixo, o torna extremamente popular pela sua atração estética, bem como pelo seu significado cultural e religioso.

Em 15 de agosto de 2010 a liturgia Ortodoxa foi novamente permitida no mosteiro, depois de décadas de proibição.[4] [5] [6]

Construção[editar | editar código-fonte]

O quintal do mosteiro hoje

Os principais elementos que compoem o complexo arquitetónico do mosteiro são a igreja, várias capelas, cozinhas, salas de estudo, uma pousada, uma biblioteca, e uma fonte sagrado venerada tanto pelos gregos ortodoxos como pelos muçulmanos. Existe ainda um aqueduto de grandes dimensões, que alimentava de água o mosteiro, compostos por inúmeros arcos sustentando o canal de transporte de água, o qual ao longo dos tempos têm sido alvo de vários restauros.

O acesso ao complexo monástico é feito através de uma longa e íngreme escada, a qual termina na caverna onde está implantada a igreja principal, após passar por duas salas da guarda. A influência da arquitetura otomana está amplamente representada e faz-se notar principalmente nos armários, nichos e lareiras dos quartos nos edifícios que rodeiam o pátio.

Os frescos do mosteiro estão severamente danificados, o tema principal era composto por cenas bíblicas contando a história de Cristo e da Virgem Maria, porém as suas configurações originais foram removidas na sua larga maioria.

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c htm Mosteiro de Sumela, Trabzon, Turquia dobrarfronteiras.com.
  2. a b Sümela Monastery (Archived from September 29, 2007). Republic of Turkey Ministry of Culture and Tourism.
  3. Salvanou, Emilia. Φροντιστήριο Τραπεζούντας [Phrontisterion of Trapezous] Εγκυκλοπαίδεια Μείζονος Ελληνισμού, Μ. Ασία.. Página visitada em 2010-10-14.
  4. Euronews. Rare Orthodox mass held at Turkish monastery. Página visitada em 2011-04-14.
  5. Dormition in Turkey. Liturgy on the Black Mountain, Sandro Magister, retrieved from L'espresso
  6. Qantara.de. Greek Orthodox Liturgy in Turkey: Uncovering the Country's Non-Muslim Cultural Heritage. Página visitada em 2011-08-02.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mosteiro de Sumela