Mothra (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mothra
Mothra - A deusa selvagem (BR)
 Japão
1961 • cor • 100 min 
Direção Ishirō Honda
Produção Tomoyuki Tanaka
Roteiro Shinichi Sekizawa
Elenco Frankie Sakai
Kyoko Kagawa
Hiroshi Koizumi
Género Ficção científica
Fantasia
Idioma Japonês
Música Yuji Koseki
Cinematografia Hajime Koizumi
Estúdio Toho Company
Distribuição Japão Toho
Estados Unidos Columbia Pictures
Lançamento Japão 30 de julho de 1961
Página no IMDb (em inglês)

Mothra (モスラ, Mosura?) (br: Mothra - A Deusa Selvagem [1] ) é um filme japonês de 1961 de ficção científica e fantasia, dirigido por Ishirō Honda, com efeitos especiais de Eiji Tsuburaya. O título refere-se ao nome de um monstro kaiju que ficaria muito popular (no gênero, atrás apenas de Godzilla). Com os efeitos tradicionais japoneses (tokusatsu) do Estúdio Toho. É o filme de estréia do roteirista Shinichi Sekizawa, que ajudou a criar esse gênero de filmes japoneses que se tornariam proeminentes na década de 1960. No elenco, Frankie Sakai (nome transliterado para o inglês, assim como todos os de origem japonesa nesse artigo), popular cômico no Japão na época, Hiroshi Koizumi, atriz que ficaria conhecida pelas produções tokusatsu seguintes, e Jerry Ito (grafado como "Jelly Ito" nos créditos da versão em inglês), em única participação em filmes de monstros da Toho, apesar de estar no elenco da co-produção nipo-americana de 1958, The Manster e no filme da Toho de 1961, The Last War.

O roteiro básico foi reciclado em King Kong vs. Godzilla e Mothra vs. Godzilla (de 1962 e 1964, ambos escritos por Sekizawa). Mothra apareceria em sete filmes da franquia Godzila, além de sequências e uma trilogia própria na década de 1990.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O navio Daini-Gen'you-Maru é atingido por um tufão e naufraga no Pacífico Sul. As equipes de resgate localizam sobreviventes numa ilha rochosa presumidamente inabitada, pertencente à nação de Rolisica e local de testes nucleares. O persistente e corpulento repórter Zenichiro (apelidado de "Buldogue" ou "Zen-chan") Fukuda e a esperta fotógrafa Michi Hanamura, se infiltram no hospital e descobrem que os náufragos estão bem de saúde e que alegam terem sido ajudados por nativos da ilha, o que é surpreendente devido à radiação.

Uma expedição organizada pelo milionário misterioso Clark Nelson vai à ilha investigar e o doutor Shin'ichi Chūjō descobre uma caverna com inscrições e plantas mutantes carnívoras que o atacam. Ele consegue sobreviver graças a ajuda de duas pequenas moças gêmeas (altura de 60 centímetros). Nelson fica sabendo das moças e em viagem posterior as rapta e as usa como um show musical, o das "fadas secretas". Mas elas avisam que "Mothra" irá resgatá-las. Chujo havia descoberto esse nome nas inscrições e não sabia o que era, até que os radares japoneses captam um estranho monstro em forma de larva nadando em direção ao Japão. Nada parece detê-lo até que o monstro chega a Tókio e se fecha num casulo. Pouco depois ele emerge como uma fera voadora monstruosa cujo bater de asas arrasa tanto as cidades japonesas com as de Rolísica, lugar que Nelson levara as fadas, esperando escapar da fúria do monstro.

Produção[editar | editar código-fonte]

The Peanuts, ou "As amendoins" ou ainda "As pequeninas", a dupla japonesa de cantoras gêmeas que são destaque do filme, inclusive se apresentado em número musical

O filme foi baseado no livro The Luminous Fairies and Mothra e a primeira adaptação de Shinichi Sekizawa foi oferecida em 1960. Com o título vago de The Giant Monster Thing, baseava-se na história de uma raça de mulheres pequenas ajudadas por um monstro gigante. O nome das fadas não estava especificado nesse primeiro rascunho.

Um segundo roteiro foi apresentado, com o título mudado para Giant Monster Mothra, com os nomes das mulheres pequenas de "Pichi Fairies". As mulheres eram cinco mas alterou-se para duas e a proposta foi aprovada.

Em 1960, o roteiro do filme foi completado, acompanhado de um storyboard para detalhar os conceitos. Mothra tinha uma versão bem assustadora nesses desenhos e o enredo era diferente, quando comparado com o filme pronto. Algumas ideias retornaram em Godzilla vs. Mothra (1992).

Desde o primeiro rascunho, o dueto de cantoras "The Peanuts" (Emi e Yumi Ito) tinha sido incluido na produção. Os papeis das fadas foram alteradas para a dupla de cantoras. Outra alteração foi a do título, de Giant Monster Mothra para Mothra.

Referências

Outras

Ligações externas[editar | editar código-fonte]