Motivo (psicologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Psicologia


Em psicologia a palavra motivo designa um traço de personalidade relativamente estável que determina quão importantes são para a pessoa determinados objetivos, ou seja é uma disposição da personalidade voltada à valoração das consequências de uma ação. Desde meados do século XX (Murray, 1938) o termo motivo tem um significado próprio, diferente de motivação, que designa a disposição momentânea do indivíduo para agir, que é variável1 .

Motivos podem ser vistos também como componentes do processo de autocontrole, uma vez que els permitem ao indivíduo encontrar maneiras criativas e flexíveis (isto é, que se adaptam a novas situações) de satisfazer suas necessidades. Além disso eles auxiliam o esforço da pessoa de corresponder às expectativas geradas pela autoimagem, pelos objetivos pessoais, pelos valores individuais e culturais, pelos papéis sociais. Os motivos auxiliam o processo de organização e representação cognitiva das experiências de vida ligadas à satisfação de necessidades, sobretudo das possibilidades de ação percebidas implicitamente, ou seja, não conscientes2 .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer.
  2. Rudolph, Udo (2003). Motivationspsychologie. Weinheim: Beltz.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer. ISBN 3 540 66230 8
  • Heckhausen, Jutta & Heckhausen, Heinz (2006). Motivation und Handeln. Heidelberg: Springer. ISBN 3-540-25461-7
  • Rudolph, Udo (2003). Motivationspsychologie. Weinheim: Beltz. ISBN 3-621-27508-8