Movimento (álbum de Gil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Movimento
Álbum de estúdio de Gil
Lançamento 9 de dezembro de 2002[1]
Gênero(s) Axé
Formato(s) CD
Gravadora(s) Abril Music
Cronologia de Gil
Último
Último
Me Beija
(2001)
Gilmelândia ao Vivo
(2004)
Próximo
Próximo
Singles de Gil
  1. "Miau"
    Lançamento: 28 de novembro de 2002
  2. "Balada Quente"
    Lançamento: 30 de fevereiro de 2003
  3. "Vou Badalar (Final de Semana)"
    Lançamento: 2 de junho de 2003

Movimento é o segundo álbum da cantora brasileira Gil, lançado pela Universal Music e vendendo ao todo 100 mil cópias.

Recepção e Crítica[editar | editar código-fonte]

Erick Melo da revista eletrônica voltada ao axé music, Carnasite, fez uma revisão do álbum da cantora, classificando-o como abaixo de tudo feito antes por Gil. Erick iniciou a crítica sobre o álbum com "Peraê, cadê o axé? Sai o gostoso bate-lata e entra o irritante bate-estaca", acrescentando:

Cquote1.svg O que era para ser um conto de fadas, com direito a discos de ouro e platina, hits nas FMs, shows por todo o Brasil, anda se transformando num incrível pesadelo. Há quase dois anos a cantora Gil deixou os vocais da Banda Beijo para tentar à sorte na carreira solo, porém até agora… nada de positivo aconteceu! Todos os sonhos e projetos naufragaram… E pior, a cantora anda perdendo até o seu público fiel. Motivos para essa queda livre não faltam. O primeiro e maior erro da cantora foi a sua brusca mudança musical. Nos tempos da Banda Beijo ela mesclava vibrantes músicas de trio elétrico, com gostosas e apaixonantes baladinhas. Contudo, desde que migrou para a carreira solo, Gil tem flertado bastante com a música eletrônica e os ritmos caribenhos, deixando a axé music totalmente de lado! Além disso, Gil não tem mais aquela energia do início da carreira. Muitos fãs da cantora reclamam que ela perdeu a alegria, e sobretudo a sua marcante personalidade. O novo figurino e tipo físico da ex-vocalista da Banda Beijo, por exemplo, não combinam com a sua pessoa e sobretudo com o seu passado. Até o jeito de falar da cantora não é mais o mesmo… Parece que ela não está feliz, que está sendo controlada por seus assessores 24 horas por dia! Gil anda parecendo um boneco de ventríloquo: que não pensa e nem age de forma natural! A cativante Gilmelândia morreu! É coisa do passado! Uma pena! No seu lugar nasceu uma cantora totalmente perdida musicalmente. Que atira para todos os lados: música eletrônica, dance de FM, ritmos caribenhos, baladas românticas, xote, baião, maracatu, samba, pop, brega e até rap – que horror! Já o axé que é bom… nada! Se no primeiro CD solo a cantora investiu pesado nos ritmos caribenhos e baladinhas românticas, em “Movimento” ela usou e abusou da música eletrônica. Praticamente todas as canções possuem elementos do chato bate-estaca! A cantora conseguiu estragar até a bela e empolgante “O Beijo”, do mestre Luiz Caldas. Nada a ver a sua nova versão dance/pop/axé! Cquote2.svg
Erick Melo, do Carnasite, sobre o álbum

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Vou Badalar (Final de Semana)"    
2. "Miau"    
3. "Balada Quente"    
4. "Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme"    
5. "Minha Fantasia"    
6. "Movimento"    
7. "Pra Cima"    
8. "Voraz"    
9. "Saia de Baixo"    
10. "Tic Tac"    
11. "Afins"    
12. "Rebola, Embola"    
13. "O Beijo"    

Singles[editar | editar código-fonte]

  • Miau
  • Balada Quente
  • Vou Badalar (Final de Semana)

Referências

  1. Gil - Movimento Amazoncom