Movimento Republicano Nacional por Democracia e Desenvolvimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

O Movimento Republicano Nacional por Democracia e Desenvolvimento (Francês: Mouvement républicain national pour la démocratie et le développement, MRND) foi o partido político no poder em Ruanda de 1975 a 1994 sob o Presidente Juvénal Habyarimana. Foi dominado pelos Hutus, particularmente da região de origem do Presidente Habyarimana no Norte de Ruanda. O partido foi fundado em 1975 como Movimento Revolucionário Nacional pelo Desenvolvimento (Mouvement Révolutionaire National pour le Développement). De 1975 até 1991, o MRND foi o único partido político legal no país e todos os cidadãos eram obrigados a se afiliarem. Tomou como modelo os partidos comunistas da China e Coréia do Norte, com estruturas institucionais que faziam parelelo a cada uma das estruturas do governo. O nome do partido foi alterado após a legalização de partidos políticos oposicionistas em 1991.

Depois da invasão do RPF em 1990, membros do MRND criaram a revista Kangura. A ala jovem do partido, o Interahamwe, posteriormente se tornou um grupo miliciano que teve um papel central no genocídio de 1994. Após a morte de Habyarimana em Abril de 1994, membros extremistas do partido estavam entre os principais idealizadores do Genocídio em Ruanda. Após a conquista de Ruanda pela rival Frente Patriótica Ruandesa de maioria Tutsi e liderada por Paul Kagame, o MRND perdeu o poder e foi banido.

A Coalizão pela Defesa da República, que teve um grande papel no genocídio em Ruanda era uma facção extremista do MRND que se separou do partido.

Veja também[editar | editar código-fonte]