Mrauk-U

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vista de Mrauk-U, ou Arrakan (cidade de Arracão) no primeiro plano o bairro português de Daingri-pet. In Wouter Schouten : Oost-Indische Voyagie, t.o. p. 148. 1676.

Mrauk U (birmanês : မြောက်‌ဦးမြို့, MLCTS=mrauk u: mrui), também chamada Mrohaung, a Cidade do Arracão dos relatos portugueses dos séculos XVI e XVII ( mas Bocarro dá-lhe o nome de Borgolo), é uma cidade da Birmânia situada no norte do Arracão. Foi capital do reino deste mesmo nome, entre 1431[1] e sua tomada pelos birmaneses em 1785.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mrauk U de manhã cedo, sept. 2007.

A cidade encontra-se a oeste do rio Kaladan. É rodeada de serras ao norte e sul e produz grandes quantidades de arroz.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1431,[1] o rei Min Saw Mon fez de Mrauk U a capital do último reino de Arracão unificado. A cidade teve até 120,000 habitantes no meio do século XVI. Tinha relações comerciais com Portugal, Países Baixos, Ava, Pegú, Arábia, Pérsia e Índia. Nos seus arrabaldes existiu uma importante comunidade portuguesa, cujo bairro Daingri-pet, vem desenhado numa gravura do livro de Wouter Schouten : Die Reise nach Ostinden (Viagens às Índias Orientais), publicado em 1676. Era aí que os reis de Arracão, encontravam os seus melhores artilheiros e marinheiros. Comerciava entre outros, arroz, algodão, rubis, elefantes, cavalos, escravos, marfim, cauri e especiarias.

No momento da sua expansão maxima, Mrauk U controlava a metade do actual Bangladesh, com Dhaka e Chittagong, o actual estado de Arracão e toda a parte oeste da Baixa Birmânia.

Durante esse período, os seus reis emetiam moedas estampadas em arracanês, em caracteres cúficos e em Língua bengali. Utilisaram também, sendo budistas, um nome de rei muçulmano até 1635. Eles construíram numerosos templos e stûpas, cujo muitos existem aínda hoje. Os mais célebres são o templo de Shitthaung (Templo das 80,000 imagens ou Templo da Vitória), o templo de Htukkanthein (Sala de ordinação de Htukkan), o Koe-thaung (Templo das 90,000 imagens) e os cinco pagodes de Mahn.

O templo de Shittaung, é uma espécie de fortaleza no cimo de uma pequena colina que dizem ter sido construído para celebrar a vitória frente a um ataque dos portugueses, em 1535. O nome significa Templo das Oitenta Mil Imagens, que tinham sido recolhidas pelo rei Minbin nos territórios budistas conquistados, e foi durante muito tempo a residência do sumo-sacerdote arracanês.

O rei birmanês Tabinshwehti atacou em vão Mrauk U em 1546-1547. Em 1784 o rei Bodawpaya enviou uma expedição comandada pelo seu filho, que apoderou-se dela em 2 de Janeiro de 1785. A cidade ficou sob domínio birmanês até a primeira Guerra anglo-birmanesa, ao fim da qual passou com todo o Arracão sob domínio británico (1826). A sua população era então apenas de aproximadamente 20,000 habitantes.

Hoje Mrauk U é um site arqueológico e turístico de grande importância, a dois dias de Rangoon ou 3 a 5 horas desde Sittwe.

Templos de Mrauk U[editar | editar código-fonte]

o templo de Shitthaung (2008).

A lista que segue apresenta as construções religiosas mais notáveis da cidade e arredores.

  • Templo de Shitthaung
  • Templo de Htukkanthein
  • Templo de Koe-thaung
  • Sala de ordinação Andaw-thein
  • Templo de Le-myet-hna
  • Pagode dos cinco Mahn
    • Pagode de Mingala-Mahn-Aung
    • Pagode de Ratna-Mahn-Aung
    • Pagode de Sakya-Mahn-Aung
    • Pagode de Lawka-Mahn-Aung
    • Pagode de Zina-Mahn-Aung
  • Templo de Sanda Muni
  • Mosteiro Bandoola Kyaung

Os monumentos são principalmente budistas, mas encontram-se também de outras religiões, como a velha mesquita Santikan, construída durante o reino de Min Saw Mon no sul-oeste da cidade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jacques P.Leider Le royaume d’Arakan Birmanie « Son histoire politique entre le début du XVe siècle et la fin du XVIIe siècle  » Monographie 190 École Française d’Extrême-Orient Paris 2004 ISBN 285539631X
  • (em inglês) The Land of the Great Image - Being Experiences of Friar Manrique in Arakan, Maurice Collis, 1943.
  • Na Terra da Grande Imagem (aventuras de um Religioso português no Oriente). Maurício Collis. Tradução do inglês e notas de António Álvaro Dória. Livraria Civilização - Porto. 1944.
  • (em inglês) Burma's Lost Kingdoms - Splendours of Arakan, Pamela Gutman

Notas e referências

  1. a b ou 1443, segundo Louis Frédéric, in L'Art de l'Inde et de l'Asie du Sud-Est, Flammarion, 1994.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mrauk-U