Mulheres no Islã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As mulheres no Islã são guiadas pelas leis primárias islâmicas, nomeadamente o Alcorão e o Hadith, assim como pelas demais leis secundárias (que tendem a variar de acordo com a tradição islâmica em questão). Em determinadas regiões, além das orientações religiosas, as tradições culturais desempenham papel fundamental na conceituação das mulheres islâmicas.[1]

As leis e a cultura islâmica possuem grande impacto nos mais variados aspectos da vida de uma mulher islâmica, tais como sua educação, oportunidade de emprego, herança, casamento e justiça, entre outros.[2]

A poligamia é permitida aos homens praticantes do Islamismo, não sendo difundido em todos os segmentos da religião; em alguns países islâmicos, como o Irã, o homem pode contrair matrimônio temporário.[3] Sobretudo, o Islão proíbe as mulheres de contrair matrimônio com um homem não-muçulmano.

Contudo, há uma longa série de debates e controvérsias acerca do papel de ambos os gêneros dentro da religião e através dela.

A Sharia provê, como complementarismo[4] , diferenças entre os papéis, direitos e deveres de homens e mulheres. Ser muçulmano é mais do que simplesmente uma identidade religiosa; o Islã estrutura a vida de uma mulher muçulmana como de base cotidiana. Por exemplo: o Islã não restringe o trabalho das mulheres ao cuidado da casa, mas estipula que estas devem obter autorização dos homens para trabalhar.

Na maioria dos países muçulmanos, as mulheres exercem os mais variados níveis de seus direitos religiosos com relação a casamento, divórcio, estado civil, vestuário e educação, baseados nas diferentes interpretações da lei islâmica.

Vida religiosa[editar | editar código-fonte]

Na visão do Islã, não há diferenciação entre as relações de um homem e de uma mulher para com Deus; ambos os sexos recebem iguais graças ou punições por sua conduta.

De acordo com um dito, atribuído a Maomé, mulheres são recebidas nas mesquitas. Contudo, como o próprio Islã apregoava, a presença de mulheres nas mesquitas seria dispensável por causa da impureza causada pelo contato entre os sexos - (esta condição permaneceu até a década de 1960). Desde então, as mulheres têm se envolvido gradativamente nas atividades da mesquita, sendo que homens e mulheres realizam seus cultos em espaços separados. A separação por sexo varia desde a posição de ambos os 'grupos' no mesmo espaço da mesquita (homens ficando à frente das mulheres) até a separação dos sexos por andar.

Estudiosas da religião eram relativamente comuns desde a história primitiva do Islão até o século XVI. Mohammad Akram Nadwi, um estudioso sunita, estimou cerca de 8.000 mulheres juristas, e o orientalista Ignác Goldziher estimava que 15% das estudiosas muçulmanas da Era medieval eram mulheres. Mulheres, durante os primeiros anos de Islão, obtinham seu conhecimento através de grupos de estudo comunitários, nos arrábitas e durante o Hajj. Após o século XVI, contudo, o número de estudiosas islâmicas decresceu. Na era moderna, enquanto ativistas e escritoras mulheres são relativamente comuns, uma mulher não exerceu o papel de jurista durante mais de 200 anos no mundo islâmico. As oportunidades para o ensino de mulheres existem, porém as barreiras culturais eventualmente mantém as mulheres distantes de reconhecer sua vocação.

O direito das mulheres tornarem-se imãs, no entanto, é discutido por muitos. Um dos papéis fundamentais de um imã em uma mesquita é liderar o salat (as preces) e, geralmente, às mulheres é vetado liderar as preces em grupo. Contudo, alguns contestam com a crença de que Maomé permitia Umm Warqa, que acompanhava-o, a liderar as orações na mesquita de Dar.

As mulheres Hui têm auto-conhecimento de sua liberdade relativa como cidadãs chinesas em contraste com as condições políticas das mulheres islâmicas nos demais países, como a Arábia Saudita, onde as mulheres passam por muitas restrições sociais.

Mulheres islâmicas na política[editar | editar código-fonte]

Muitos estudiosos clássicos do Islã, como Al-Tabari, apoiaram a liderança de mulheres. Nos primórdios da história do Islã, mulheres desempenhavam um papel nos assuntos políticos.

Em 1988, o Paquistão se tornou o primeiro Estado de maioria islâmica a possuir uma primeira-ministra. Nas décadas posteriores, uma grande número de países de maioria islâmica, (como Indonésia, Paquistão, Bangladesh, Turquia e Quirguistão) foram ou têm sido governados por mulheres. Em 2002, aproximadamente um terço do Parlamento do Egito era constituído por mulheres.

De acordo com o Xeque Zoubir Bouchikhi, imã da Sociedade Islâmica da Grande Houston (ISGH), não há preceito ou lei na prática islâmica que permita ou proíba o direito de voto às mulheres. Sendo assim, mesmo que uma grande parte das nações islâmicas não gozem de democracia plena, os seus cidadãos de alguns destes países são autorizados a votar periodicamente - incluindo as mulheres. As várias eleições que tiveram a participação de mulheres são indicativo de que as tradições e a interpretação da Lei islâmica variam em cada região.

Ícone de esboço Este artigo sobre o Islamismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências