Muralhas de Faro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Muralhas de Faro
MuralhasFaro2.JPG
Muralhas de Faro, Portugal.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção ()
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público

As muralhas de Faro localizam-se na cidade de mesmo nome, no Distrito de Faro, em Portugal.

Envolvem o núcleo urbano mais antigo da cidade, hoje designado por "Vila-Adentro" ou "Cidade Velha".

História[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que a primitiva muralha da povoação seja anterior à invasão romana da península Ibérica.

Foi reconstruída no século IX, durante o reinado de Ben Bekr, príncipe de um pequeno reino muçulmano que se tornou independente do emirato de Córdoba.

Durante o período Almóada foram erguidas duas torres albarrãs numa das entradas principais, conjunto actualmente conhecido como "Arco do Repouso"[1] .

Com a conquista da cidade pelas forças de Afonso III de Portugal (1249), as suas muralhas foram reconstruídas. Nesta fase, a malha urbana correspondia a dois núcleos distintos:

  • a chamada "Vila Adentro" (atual freguesia de Santa Maria), onde se localizavam os templos religiosos, a Judiaria e as casas dos cristãos; e
  • a "Ribeira", área residencial das classes sociais de nível mais elevado.

Na atual baixa da cidade instalou-se a Mouraria, onde desde 1269, os mouros foram forçados a residir.

Posteriormente, sob o reinado de João III de Portugal, este determinou, em 1541, a reparação das muralhas de Faro. Estas seriam, entretanto, severamente castigadas quando da invasão do Robert Devereux, 2º Conde de Essex (1596), tendo de imediato se iniciado a sua reparação, que se estendeu por décadas.

No contexto da Guerra da Restauração, foram feitas diversas alterações às estruturas das ameias.

O terramoto de 1755 também acarretou extensos danos ao conjunto defensivo. Ao final do século XVIII, diante do avanço da piro-balística, as antigas muralhas deixaram de ter importância defensiva, sendo abandonadas. Como parte desse processo de degradação, sobre os restos do antigo Castelo de Faro foi erguida, em 1931, uma fábrica de cerveja, o que alterou significativamente a estrutura das muralhas.

Nas últimas décadas do século XX, esse conjunto vem sendo recuperado.

Características[editar | editar código-fonte]

Muralhas de Faro: Arco do Repouso.

A muralha pré-romana era de planta aproximadamente oval. À época muçulmana era rasgada por três portas, que permitiam o acesso à chamada Vila-Adentro: o Arco da Vila, o Arco do Repouso e o Arco da Porta Nova. Datam desse período as duas torres albarrãs que defendem o chamado "Arco do Repouso".

Notas

  1. De acordo com uma lenda local, o conjunto é assim denominado por nele ter "repousado" Afonso III de Portugal após a conquista da cidade (1249).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LAMEIRA, Francisco I. C.. Faro Edificações Notáveis. Faro: Câmara Municipal de Faro, 1995.

Ver também[editar | editar código-fonte]