Museu Nacional de Machado de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu Nacional de Machado de Castro

O Museu Nacional de Machado de Castro é um dos mais importantes museus de belas artes e arqueologia de Portugal, tanto pela quantidade como pela qualidade das suas coleções. Encontra-se instalado no antigo Paço Episcopal de Coimbra,classificado como Monumento Nacional em 1910,. Está localizado na freguesia da Sé Nova, na cidade e concelho de Coimbra, distrito de Coimbra, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

O museu abriu ao público em 11 de Outubro de 1913.

O seu acervo foi constituído essencialmente pelos bens das extintas casas religiosas da região de Coimbra, bem como peças adquiridas pelo estado e doadas por particulares.

Em 2006 o museu encerrou para uma importante campanha de obras que incluíram a construção de um novo edifício. Reabriu em final de 2012.

Colecções[editar | editar código-fonte]

As colecções do museu contabilizam-se em cerca de 15000 peças de escultura; pintura; desenho; artes decorativas (ourivesaria, cerâmica, mobiliário, e têxteis); e arqueologia ( esculturas, epigrafia, numismática).

Escultura[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma das duas melhores colecções de escultura Portuguesa ( a outra é a do Museu Nacional de Arte Antiga). Maioritariamente constituída por esculturas de temática religiosa, conta com exemplares datando do século XI ao século XVIII, em pedra, madeira e terracota. Inclui a mais representativa colecção da produção escultórica de Coimbra dos séculos XIV a XVI, maioritariamente em pedra de Ançã, incluindo algumas das obras primas da escultura portuguesa (obras de Mestre Pêro - o escultor do túmulo da Rainha Sta. Isabel que actualmente no Convento de Santa Clara a Nova-, de João Afonso, João de Ruão, Nicolau de Chanterene, do chamado Mestre dos Túmulos Reais, e de Filipe Hodard (Última Ceia em terracota) . Inclui também alguns exemplares de escultura flamenga, importada (como o retábulo da natividade) e de mestres radicados em Coimbra (Calvário de Olivier de Gand). A produção do século XVII é representada por obras em madeira, incluindo o Retábulo de Nossa Senhora da Conceição, obra do escultor portuense Manuel da Rocha e um grupo de esculturas de Frei Cipriano da Cruz, entre outras obras de artistas ainda não identificados. A escultura do século XVIII está representada por esculturas em pedra que Claude Laprade realizou para a Universidade de Coimbra, figuras de presépio em terracota, e esculturas em madeira estofada e policromada atribuíveis à escola de Machado de Castro.

Pintura[editar | editar código-fonte]

Colecção maioritariamente de pintura portuguesa dos séculos XV ao XX, incluindo também um interessante núcleo de pinturas Flamengas do século XVI. A As pinturas portuguesas abarcam um importante arco cronológico. Do século XV é o políptico de Santa clara, obra de uma oficina de mestre ainda anónimo que laborou para Coimbra e Aveiro. A produção da primeira metade do século XVI é representada por obras dos chamados Mestres de Ferreirim, nomeadamente pinturas do retábulo de Santa Cruz de Coimbra de Cristóvão de Figueiredo e o tríptico de Garcia Fernandes, entre outras peças, e pinturas da oficina dita do Mestre do Sardoal, actualmente identificada com a oficina sediada em Coimbra de Vicente Gil continuada pelo seu filho Manuel Vicente e pelo neto bernardo Manuel (Assunção da Virgem). A segunda metade do século é representada, entre outras, por obras "maneiristas" realizadas para conventos e igrejas de Coimbra pela dupla Simão Rodrigues e Domingos Vieira Serrão. A pintura do século XVII encontra-se representada por importantes pinturas de Josefa de Óbidos, Bento Coelho da Silveira e Manuel Henriques. A colecção de pintura do século XVIII é inclui importantes peças de André Gonçalves e Pedro Alexandrino de Carvalho.

Artes Decorativas[editar | editar código-fonte]

Inclui uma importante colecção de ourivesaria sacra dos séculos XII ao XVIII, incluindo algumas das obras primas da ourivesaria portuguesa (cálice de D. Gueda Menendis do século XII, tesouro da Rainha Santa Isabel, Custodia manuelina da Sé (século XVI), Custódia do Sacramento (século XVIII).

Importantes núcleos de têxteis de função religiosa, mobiliário, cerâmica portuguesa e oriental. Inclui um importante núcleo de artes decorativas do extremo oriente (China, Japão), em parte depositada e em exposição no Museu do Oriente (Lisboa).

Obras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Museu Nacional de Machado de Castro

Museu Nacional de Machado de Castro na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.