Museu Nacional de Machado de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu Nacional de Machado de Castro

O Museu Nacional de Machado de Castro é um dos mais importantes museus de belas artes e arqueologia de Portugal, tanto pela quantidade como pela qualidade das suas coleções. Encontra-se instalado no antigo Paço Episcopal de Coimbra,classificado como Monumento Nacional em 1910,. Está localizado na freguesia da Sé Nova, na cidade e concelho de Coimbra, distrito de Coimbra, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

O museu abriu ao público em 11 de Outubro de 1913.

O seu acervo foi constituído essencialmente pelos bens das extintas casas religiosas da região de Coimbra, bem como peças adquiridas pelo estado e doadas por particulares.

Em 2006 o museu encerrou para uma importante campanha de obras que incluíram a construção de um novo edifício. Reabriu em final de 2012.

Colecções[editar | editar código-fonte]

As colecções do museu contabilizam-se em cerca de 15000 peças de escultura; pintura; desenho; artes decorativas (ourivesaria, cerâmica, mobiliário, e têxteis); e arqueologia ( esculturas, epigrafia, numismática).

Escultura[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma das duas melhores colecções de escultura Portuguesa ( a outra é a do Museu Nacional de Arte Antiga). Maioritariamente constituída por esculturas de temática religiosa, conta com exemplares datando do século XI ao século XVIII, em pedra, madeira e terracota. Inclui a mais representativa colecção da produção escultórica de Coimbra dos séculos XIV a XVI, maioritariamente em pedra de Ançã, incluindo algumas das obras primas da escultura portuguesa (obras de Mestre Pêro - o escultor do túmulo da Rainha Sta. Isabel que actualmente no Convento de Santa Clara a Nova-, de João Afonso, João de Ruão, Nicolau de Chanterene, do chamado Mestre dos Túmulos Reais, e de Filipe Hodard (Última Ceia em terracota) . Inclui também alguns exemplares de escultura flamenga, importada (como o retábulo da natividade) e de mestres radicados em Coimbra (Calvário de Olivier de Gand). A produção do século XVII é representada por obras em madeira, incluindo o Retábulo de Nossa Senhora da Conceição, obra do escultor portuense Manuel da Rocha e um grupo de esculturas de Frei Cipriano da Cruz, entre outras obras de artistas ainda não identificados. A escultura do século XVIII está representada por esculturas em pedra que Claude Laprade realizou para a Universidade de Coimbra, figuras de presépio em terracota, e esculturas em madeira estofada e policromada atribuíveis à escola de Machado de Castro.

Pintura[editar | editar código-fonte]

Colecção maioritariamente de pintura portuguesa dos séculos XV ao [[Século XX]|XX], incluindo também um interessante núcleo de pinturas flamengas do século XVI.

As pinturas portuguesas abarcam um importante arco cronológico. Do século XV é o políptico de Santa Clara, obra de uma oficina de mestre ainda anónimo que laborou para Coimbra e Aveiro. A produção da primeira metade do século XVI é representada por obras dos chamados Mestres de Ferreirim, nomeadamente pinturas do retábulo de Santa Cruz de Coimbra de Cristóvão de Figueiredo e o tríptico de Garcia Fernandes, entre outras peças, e pinturas da oficina dita do Mestre do Sardoal, actualmente identificada com a oficina sediada em Coimbra de Vicente Gil continuada pelo seu filho Manuel Vicente e pelo neto Bernardo Manuel (Assunção da Virgem). A segunda metade do século é representada, entre outras, por obras "maneiristas" realizadas para Conventos e Igrejas de Coimbra pela dupla Simão Rodrigues e Domingos Vieira Serrão. A pintura do século XVII encontra-se representada por importantes pinturas de Josefa de Óbidos, Bento Coelho da Silveira e Manuel Henriques. A colecção de pintura do século XVIII inclui importantes peças de André Gonçalves e Pedro Alexandrino de Carvalho.

Artes Decorativas[editar | editar código-fonte]

Inclui uma importante colecção de ourivesaria sacra dos séculos XII a XVIII, incluindo algumas das obras-primas da ourivesaria portuguesa, como o cálice de D. Gueda Menendis do século XII, o tesouro da Rainha Santa Isabel, a Custódia manuelina da Sé (século XVI) e a Custódia do Sacramento (século XVIII).

Tem importantes núcleos de têxteis de função religiosa (paramentaria litúrgica), mobiliário e cerâmica portuguesa e oriental. Inclui um importante núcleo de artes decorativas do extremo oriente (China e Japão), em parte depositado e em exposição no Museu do Oriente, em Lisboa.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Museu Nacional de Machado de Castro

Museu Nacional de Machado de Castro na base de dados da Direção-Geral do Património Cultural

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.