Musicalização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Musicalidade)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A musicalização é o processo de construção do conhecimento musical, cujo principal objetivo é despertar e desenvolver o gosto pela música, estimulando e contribuindo com a formação global do ser humano.[1] (...)A musicalização é feita através de atividades lúdicas visando o desenvolvimento e aperfeiçoamento da percepção auditiva, imaginação, coordenação motora, memorização, socialização, expressividade, percepção espacial, etc. O lúdico funciona como elemento motivador e de estímulo para o desenvolvimento da expressão musical onde a imitação, a percepção e a criação são os principais elementos deste processo.

Métodos de musicalização[editar | editar código-fonte]

Os trabalhos com musicalização podem ser feitos com crianças a partir de 2 anos de idade. Faz parte da arte-educação ou de atividades recreativas a partir da pré-escola. Também pode ser ministrada em conservatórios como iniciação a cursos de instrumentos ou canto. Existem vários métodos consagrados de musicalização, cada um utilizando técnicas e recursos diferentes. Os mais conhecidos são:

Método Orff[editar | editar código-fonte]

Desenvolvido pelo compositor alemão Carl Orff, este método Orff utiliza um instrumental especialmente desenvolvido para crianças, incluindo xilofones e metalofones pentatônicos e tambores de pequenas dimensões. O aluno é levado a construir sua própria noção de música através de exercícios rítmicos, melódicos e harmônicos em conjunto.

Método Kodály[editar | editar código-fonte]

Criado pelo compositor húngaro Zoltán Kodály. O método Kodáli é baseado no desenvolvimento da percepção rítmica e melódica através de exercícios que utilizam o canto e atividades corporais. Os aspectos mais conhecidos deste método são as sílabas rítmicas (o solfejo rítmico é feito utilizando uma sílaba diferente para cada duração) e o solfejo manual (a utilização de gestos com as mãos para representar os intervalos ou graus da escala).

Método Willems[editar | editar código-fonte]

O Método Willems é um dos mais importantes métodos de educação musical em todo o mundo. Nascido na Bélgica em 1890, o professor Edgard Willems produziu em sua vida profissional um rico material didático para o desenvolvimento do ouvido musical, aplicado em diversos países. Descobrindo a interligação existente entre a música e o ser humano, ele relacionou o triplo aspecto do homem [fisiológico, afetivo e mental] com os elementos característicos da música [o ritmo, a melodia e a harmonia].

Sua metodologia propõe uma educação musical ativa e criadora, seguindo as etapas do desenvolvimento psicológico da criança. Atualmente o Método Willems é conhecido e reconhecido pela França, Suíça, Itália, Espanha, Noruega, Portugal, Brasil e países da América Latina, dentre outros. Graças ao trabalho desenvolvido pela educadora e musicista Carmen Mettig Rocha, a capital baiana é hoje o principal centro de divulgação do Método Willems no Brasil.

Método Suzuki[editar | editar código-fonte]

Método Tobin[editar | editar código-fonte]

Criado pela educadora Candida Tobin, este método Tobin se baseia principalmente na utilização de estímulos visuais para criar associações com os estímulos sonoros. Cores e formas são utilizadas para fazer a criança perceber as relações de altura e duração. A notação musical é ensinada através de símbolos simplificados e os exercícios de canto utilizam sílabas rítmicas. O método utiliza animações e programas de computador para permitir que a musicalização seja feita por professores que não tenham proficiência em instrumentos musicais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sugahara, Leila Y. (1998) ”Musicalização infantil para crianças de 2 a 6 anos: apostila para formação de professores”, São Paulo: Do autor.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.