Mycena adonis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaMycena adonis
Mycena adonis 46237.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Divisão: Basidiomycota
Classe: Basidiomycetes
Ordem: Agaricales
Família: Mycenaceae
Género: Mycena
Espécie: M. adonis
Nome binomial
Mycena adonis

Mycena adonis é uma espécie de fungo da família de cogumelos Mycenaceae.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi batizada inicialmente de Agaricus adonis em 1792 por Jean Baptiste François Pierre Bulliard, até ser transferida para o gênero Mycena por Samuel Frederick Gray em 1821. Apesar do micologista alemão Rolf Singer ter mudado o cogumelo para outros gêneros, tais como o Hemimycena (1943) e Marasmiellus (1951), ele mesmo mudou de ideia e em sua obra Agaricales in Modern Taxonomy, de 1968, trouxe a espécie dentro dos Mycena, corroborando assim com a classificação de Gray feita no século anterior, sendo esta a nomenclatura binominal aceita atualmente. Os outros nomes atribuídos ao fungo são hoje sinônimos obrigatórios.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O píleo ou "chapeú" tem inicialmente uma forma acentuadamente cônica, mas a medida que o fungo cresce fica mais estreito e com formato de sino ou de cone largo na maturidade, tipicamente atingindo 0,5 a 1,2 centímetros de diâmetro. A margem do píleo, que é inicialmente comprimida contra a estipe, é opaca ou quase opaca a princípio. Quando fresco é úmido e de cor vermelho escarlate, tornando-se laranja ou laranja-amarelado antes de perder a umidade. O cogumelo mude de cor conforme a umidade, e quando está seca tem uma coloração couro. A carne é fina, da mesma cor do píleo, frágil, e sem qualquer gosto ou odor característico. As lamelas são adnatas ascendentes (ou seja, se anexam à estipe em ângulo agudo, parecendo fazer uma curva ascendente em direção ao tronco) ou fixadas por um dente, com 14 a 16 lamelas atingindo o tronco. Além disso, existem dois ou três camadas de lamélulas, lamelas curtas que não se estendem completamente a partir da borda do píleo até a estipe. As lamelas são estreitas, e de cor amarelada ou com um tom avermelhado a princípio; suas margens são mais pálidas e da mesma cor que suas faces. A estipe tem de 2 a 4 cm de comprimento e de 1 a 2 mm de espessura, sendo aproximadamente igual em toda a extensão. É tubular, frágil, inicialmente coberta com um pó fino, polida e lisa com o passar do tempo; tem cor amarelo pálido, tornando-se esbranquiçado, com a base muitas vezes com um tom amarelo "sujo" ou marrom. Os cogumelos M. adonis não são comestíveis.

Características microscópicas[editar | editar código-fonte]

Os esporos são estreitamente elipsoides, não-amiloides, e medem de 6 a 7 por 3 a 3,5 micrômetros (µm). Os basídios (as células portadoras de esporos) possuem quatro esporos cada e medem de 20 a 22 por 6 a 7 µm. O queilocistídio e pleurocistídio (cistídios encontrados nas arestas e nas faces, respectivamente, das lamelas) são abundantes.

Ecologia, habitat e distribuição[editar | editar código-fonte]

Os corpos de frutificação do Mycena adonis crescem solitariamente ou em grupos em florestas de coníferas, e aparecem na primavera e no outono. Os cogumelos se desenvolvem próximos uns dos outros ou espalhados sobre uma camada de abetos e cicutas de florestas úmidas de coníferas, no litoral ou em montanhas mais altas, onde não é incomum nos meses da primavera e outono. Por exemplo, os corpos de frutificação do fungo foram encontrados crescendo em árvores decíduas como Acer granatense e o salgueiro (Salix alba), perto de Amsterdã, na Holanda. Levantou-se a hipótese de que a casca destas árvores tinha se tornado mais ácida nos últimos anos devido ao aumento da poluição atmosférica (especificamente, os aumentos nos níveis de ácido sulfúrico e nítrico a partir de fumaça industrial), proporcionando assim um substrato mais adequado para o fungo.

Na natureza, o M. adonis é encontrado no oeste da América do Norte, na Europa (Grã-Bretanha, Alemanha, Holanda, Escócia) e nas Ilhas Canárias. Em 2007, foi publicada a coleta da espécie no vale do rio Ussuri, no nordeste da China. O especialista em cogumelos Mycena Alexander H. Smith encontrou as espécies nos estados de Washington, Oregon e Califórnia.

Referências

  1. Mycena adonis (em inglês) mycobank.org.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre fungos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.