Myxogastria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMyxogastria
Diderma testaceum

Diderma testaceum
Classificação científica
Reino: Amoebozoa
Filo: Mycetozoa
Classe: Myxogastria
Ordens
Echinosteliales

Liceales
Physarales
Stemonitales
Trichiales

Myxogastria é uma classe de Mycetozoa.[1] [2] Esta classe compreende 5 ordens, 14 famílias, 62 géneros, e 888 espécies.[3]

Myxomycota[editar | editar código-fonte]

O grupo taxonómico antes conhecido como "Myxomycota", que se sabe agora não ser fúngico, é agora normalmente classificado em Myxogastria.

Um exemplo é Physarum polycephalum.[4]

Estes organismos heterotróficos são predadores em redes alimentares microbianas, e como tal são capazes de envolver e digerir bactérias, leveduras, esporos de fungos, e matéria em decomposição.[5]

Terminologia e classificação[editar | editar código-fonte]

O nome latino deriva do grego Myxo, que significa lodo ou muco, e mycota, que significa fungo. São coloquialmente conhecidos como fungos mucosos plasmódicos ou acelulares e pela comunidade científica como mixomicetes, porém este último termo termo não se refere à sua classificação taxonómica. Alguns considerariam também Myxomycota como um grupo sistemático de ordem superior (como um reino) por si só, com uma filogenia não resolvida devido a dados moleculares e de desenvolvimento conflituosos. As relações entre os grupos sistemáticos inferiores (neste caso ordens), são ainda pouco claras.[6] .

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Quando um esporo de mixomicete germina, ele fissura, libertando uma célula amebóide chamada mixameba. Dependendo das condições ambientais, a mixameba pode desenvolver flagelos; este processo é reversível. A mixameba ingere alimento por fagocitose e divide-se enquanto se alimenta. Quando duas mixamebas de populações diferentes se encontram, fundem-se formando um zigoto. O zigoto propriamente dito não se divide, antes cresce à medida que o seu núcleo se divide, formando uma grande célula multinucleada chamada plasmódio. O plasmódio continuará a consumir matéria orgânica por fagocitose. Após algum tempo, e por causas desconhecidas, o plasmódio converte-se numa estrutura portadora de esporos chamada corpo frutífero. São quatro os principais tipos de corpos frutíferos: esporângio, etálio, psedoetálio e plasmodiocarpo. Os esporos são libertados do corpo frutífero e o ciclo de vida é reiniciado.

Referências

  1. www.ncbi.nlm.nih.gov. Página visitada em 2009-03-27.
  2. Fiore-Donno AM, Berney C, Pawlowski J, Baldauf SL. (2005). "higher-order phylogeny of plasmodial slime molds (Myxogastria) based on elongation factor 1-A and small subunit rRNA gene sequences". J. Eukaryot. Microbiol. 52 (3): 201–10 pp.. DOI:10.1111/j.1550-7408.2005.00032.x. PMID 15926995.
  3. Kirk PM, Cannon PF, Minter DW, Stalpers JA.. Dictionary of the Fungi. 10th ed. Wallingford: CABI, 2008. p. 765. ISBN 0-85199-826-7
  4. Krishnan U, Barsamian A, Miller DL. (2007). "Evolution of RNA editing sites in the mitochondrial small subunit rRNA of the Myxomycota". Meth. Enzymol. 424: 197–220 pp.. DOI:10.1016/S0076-6879(07)24009-1. PMID 17662842.
  5. C.J. Alexopolous, Charles W. Mims, M. Blackwell. 1996. Introductory Mycology, 4th ed. John Wiley and Sons, Hoboken NJ.
  6. FIORE-DONNO Anne-Marie; BERNEY Cedric; PAWLOWSKI Jan; BALDAUF Sandra L. 2005. Higher-order phylogeny of plasmodial slime molds (myxogastria) based on elongation factor 1-A and small subunit rRNA gene sequences. The Journal of eukaryotic microbiology 52(3): 201-210.