Nêutron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
O nêutron é composto de um quark u e dois quarks d.


Um nêutron (português brasileiro) ou neutrão (português europeu) é um bárion eletricamente neutro, formado por dois quarks down e um quark up. É uma das partículas, junto com o próton, que formam os núcleos atômicos. Fora do núcleo atômico é instável e tem uma vida média de cerca de 15 minutos, emitindo um eletrón e um antineutrino para se converter em um próton. Sua massa é muito similar à do próton.

Foi descoberto pelo físico inglês James Chadwick em 1932, que recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1935 por essa descoberta.[1]

Para saber a quantidade de nêutrons que um átomo possui, basta fazer a subtração entre o número de massa (A) e o número atómico (Z).

Propriedades[editar | editar código-fonte]

  • Massa: mn = 1,675x10−27 kg (1,0087086660945540101555981535467... u)
  • Vida média: tn = 886,7 ± 1,9 s
  • Momento magnético: mn = -1,9130427 ± 0,0000005 mN
  • Carga: qn = (-0,4 ± 1,1) x 10−21 e (teoricamente nula)

O nêutron é necessário para a estabilidade de quase todos os núcleos atômicos (a única exceção é o hidrogênio), já que a força nuclear forte faz com que seja atraído por elétrons e prótons, mas não seja repelido por nenhum, como acontece com os prótons, que se atraem nuclearmente mas se repelem eletrostaticamente.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Nobel Prize in Physics 1935 (em inglês) Nobelprize.org. Página visitada em 17 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]