NME

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A New Musical Express (também conhecida como NME) é uma revista britânica de música publicada semanalmente desde Março de 1952. Foi o primeiro jornal britânico que incluia o top de singles que apareceu na edição de 14 de Novembro de 1952. A sua popularidade veio a crescer e nos anos 70 tornou-se na revista de música mais vendida do Reino Unido.

Anos 90[editar | editar código-fonte]

NME, pode ser entendido como um trocadilho com a palavra inglesa enemy, inimigo em português. Contudo, isto nunca foi oficialmente confirmado. A NME começou a escrever, ainda que muito lentamente, sobre bandas dos Estados Unidos, principalmente de Seattle. Estas novas bandas iriam formar um novo movimento musical designado Grunge tal como Nirvana e Pearl Jam às quais o NME só se interessou mais depois do álbum Nevermind ser lançado e ganhar uma grande popularidade. Apesar de ainda apoiar bandas britânicas, a revista ficou dominada pelas bandas americanas.

Em Abril de 1994, o vocalista dos Nirvana, Kurt Cobain morreu e isso veio a afectar não só os fãs e leitores da NME como a cena musical no Reino Unido. O Grunge viria a ser substituido pelo britpop. Os Blur lançaram o Parklife na mesma altura da morte de Cobain e o crescimento da banda Oasis, o britpop estava mais popular que nunca. Os Blur e os Oasis eram, nesta altura, as duas bandas mais populares do Reino Unido e as vendas da NME estavam a crescer graças a este efeito. Em Agosto de 1995, os Blur e os Oasis iam lançar singles no mesmo dia e a NME fez disso notícia de primeira página. Os Blur "ganharam a corrida nos tops" e a NME continuou a escrever sobre isso, continuando com boas vendas. Nos anos seguinte, o britpop mostrou sinais de declínio e isto deixou o jornal "sem rumo".

Década 2000[editar | editar código-fonte]

A NME sobreviveu reafirmando a sua posição como uma influência para nova música e ajudou bandas em ascensão como The Strokes, The Libertines e os The White Stripes à qual o jornal apelidou como "Revolução do Novo Rock". O NME também escreveu sobre alguns eventos de hip-hop e pôs na capa grupos de R&B como Outkast e Destiny's Child, mas estas mais uma vez mostraram-se pouco apelativas.

A revista começou a ter mais popularidade com o aparecimento de novas brandas britâncias como os Franz Ferdinand e Kaiser Chiefs, apelidadas de "indie music". Este sucesso levou a bandas como Arctic Monkeys a terem um sucesso extremo e a serem um fenómeno desde o britpop.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • NME Awards - os prémios atribuidos anualmente pela revista.
  • Melody Maker - Antiga concorrente que acabou incorporada à NME.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]