Naamã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Eliseu recusando os presentes de Naamã, por Pieter de Grebber
Para Naamã, filho do patriarca Benjamim, veja a Lista de personagens bíblicos menores.

Naamã (em hebraico: נַעֲמָן, "agradabilidade") era um comandante dos exércitos de Ben-Hadade II, no tempo de Jorão, rei de Israel. Ele é mencionado em 2 Reis 5 do Tanakh.

Narrativa[editar | editar código-fonte]

De acordo com a narrativa, ele sofria de tzaraat.[1] Quando a escrava hebreia que espera a sua esposa diz a ela de um profeta em Samaria que poderia curar seu mestre, ele logo obteve uma carta de Ben-Hadade para Jorão, em que o primeiro pede a Jorão que providencie a cura de seu súdito Naamã, que logo a envia para Jorão. O rei de Israel suspeita que neste pedido impossível - para ele - seria um pretexto da Síria para depois começar uma guerra contra ele, e rasga suas vestes. Quando o profeta Eliseu ouviu sobre isso, ele pede que o rei deixe Naamã vir até ele. Mas ao invés de pessoalmente receber Naamã, quando este chega a casa de Eliseu, Eliseu simplesmente manda um mensageiro para a porta que diz a Naamã para curar sua lepra se imergindo sete vezes no rio Jordão. Naamã, que esperavam que o próprio profeta viesse falar com ele e fazer algum tipo de ritual mágico impressionante, com raiva se recusa e se prepara para ir para casa. Somente após os escravos de Naamã sugerir ao seu mestre que ele não tinha nada a perder, pelo menos fazendo uma tentativa, ele faz o que Eliseu disse e logo ficou curado. Naamã volta à Eliseu com presentes caros, e Eliseu se recusa a aceitar. Naamã também renuncia ao seu ex-deus Rimom depois de ser curado por Eliseu e aceita o Deus de Israel.[2]

Naamã também é mencionado em Lucas 4:27 do Novo Testamento como um exemplo da vontade de Deus para salvar as pessoas que são consideradas pelos homens como menos piedosas e indignas da salvação. Como a Septuaginta, o Antigo Testamento em grego, usa a palavra baptizein para a imersão que cura o pagão Naamã, o que também ocorre no Rio Jordão onde Jesus Cristo foi batizado muitos séculos depois, os cristãos muitas vezes interpretam a história Naamã como uma prefiguração do batismo cristão das nações pagãs.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Muitas vezes traduzido como lepra, esta doença ou aflição não era a lepra de hoje. Hanseníase como conhecida hoje não veio para o antigo Israel, até que Alexandre voltou de uma viagem à Índia em meados dos anos 300s BC.
  2. God Loves Naaman Word Journey, August 29, 2008. Acessado em 7 de setembro de 2008.