Natação do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A natação do Brasil é um esporte que vem ganhando popularidade no país, à medida que talentos individuais surgem, a modalidade se reestrutura e mais investimentos são aportados. O Brasil participa com a natação nos Jogos Olímpicos desde 1920, juntamente com a primeira delegação olímpica brasileira. Hoje o país conta com nomes de peso em competições internacionais, que trazem um número crescente de bons resultados, como recordes sul-americanos e mundiais, finais e medalhas no Campeonato Mundial e Olimpíadas e torneios nacionais considerados de alto nível, como o Troféu Maria Lenk.

História[editar | editar código-fonte]

A modalidade foi instituída oficialmente no pais em 31 de julho de 1897, data em que os clubes Botafogo, Gragoata, Icarai e Flamengo fundaram a União de Regatas Fluminense, na cidade do Rio de Janeiro, renomeado mais tarde como Conselho Superior de Regatas e, por fim, Federação Brasileira das Sociedades de Remo.[1]

As primeiras disputas ocorriam na Baía de Guanabara.

Porém, antes disso, a primeira competição oficial que se tem registro é a travessia da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Ela ocorreu em uma disputa entre Joaquim Antonio Souza, de 19 anos, de Niterói, e um relojoeiro alemão Theodor John, de 50, no ano de 1881. A cada ano, os dois voltavam a disputar a prova, com cada vez mais pessoas, que aderiam à manifestação esportiva.[2]

Em 1885, quatro anos depois do início das disputas, a primeira piscina brasileira foi construída às margens do rio Guaíba, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, a qual recebeu o nome de Badeanstalf, ou também basenho, pela Sociedade Ginástica Deutsher Turnverein.[2]

O primeiro Campeonato Brasileiro, na modalidade 1500m nado livre, com o percurso da fortaleza Villegaignon até a praia de Santa Luzia, é disputado em 1898,[3] tendo como campeão Abrahão Saliture. A Federação, localizada em Botafogo, passa a divulgar o Campeonato Brasileiro em 1913, ano em que são disputadas as provas de 100m para estreantes, 600m para seniores e 200m para juniores. Em 1914, o controle do esporte e as competições em território brasileiro passam para a Confederação Brasileira de Desportos.[1]

Em 1 de outubro de 1904, é disputado o primeiro interestadual de natação que se tem notícia. O Clube Espéria, de São Paulo, organizou uma festa desportiva onde possuía uma raia de 350 metros de distância. Abrahão Saliture, competindo pelo Clube de Natação e Regatas, do Rio de Janeiro, acabou como campeão.[4]

Um ano depois, em 1905, iniciaram-se as competições de natação do rio Tietê, em comemoração do aniversário do Espéria, evento que se repetiria até os anos 1920. Entre as disputas de remo, provas de 100 e 350 metros eram travadas. Os grandes destaques dos anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial eram Guilherme Schollz, Walter von Kutzleben e José Rubião, mas esses não eram páreo para Saliture, que comparecia como convidado e jamais foi superado. Saliture chegou a participar dos Jogos Olímpicos de 1920, na Antuérpia.[4]

Desempenho em Olimpíadas[editar | editar código-fonte]

Nos Jogos Olímpicos de Verão, os nadadores brasileiros fazem sua estreia juntamente com a primeira delegação nacional a participar dos Jogos, em 1920, na cidade belga da Antuérpia. A delegação, devido ao desconhecimento de técnicas, estilos e da própria piscina olímpica fez com que vários atletas brasileiros desistissem da disputa. Somente Orlando Amêndola e Ângelo Gammaro - que também integravam a equipe de pólo aquático - caíram na água.[5] Orlando competiu nos 100 metros livre, ficando em sexto na 4a. bateria,[6] enquanto Ângelo disputou os 200 metros peito, ficando em terceiro da 2a. bateria com o tempo de 1m22s0.[7] Ambos foram eliminados logo na primeira rodada.

A primeira medalha somente seria conquistada 32 anos depois, em Helsinque, na Finlândia.[3] A primeira de ouro viria somente em Pequim 2008.[8] Nenhuma mulher ainda alcançou a conquista do pódio. No total foram doze medalhas, sendo uma de ouro, quatro de prata e sete de bronze para a equipe verde e amarela.

A natação tem em seu histórico o integrante mais jovem de uma delegação brasileira nas Olimpíadas: Talita Rodrigues disputou o revezamento 4x100m livre nos Jogos de 1948, em Londres, quando tinha apenas 13 anos e 347 dias de idade.[9]

Ano Cidade Atleta Prova Medalha
1952 Helsinque Tetsuo Okamoto (18m51s30[10] ) 1500m livre masculino Bronze
1960 Roma Manuel dos Santos Júnior (55s40[10] ) 100m livre masculino Bronze
1980 Moscou Djan Madruga, Ciro Delgado, Jorge Fernandes e Marcus Mattioli (7m29s30[10] ) 4x200m livre masculino Bronze
1984 Los Angeles Ricardo Prado (4m18s45[10] ) 400m medley masculino Prata
1992 Barcelona Gustavo Borges (49s43[10] ) 100m livre masculino Prata
1996 Atlanta Gustavo Borges (1m48s63[10] ) 200m livre masculino Prata
Gustavo Borges (49s02[10] ) 100m livre masculino Bronze
Fernando Scherer (22s29[10] ) 50m livre masculino Bronze
2000 Sydney Carlos Jayme, Edvaldo Valério, Fernando Scherer e Gustavo Borges (3m17s40[11] ) 4x100m livre masculino Bronze
2008 Pequim César Cielo (21s30[12] ) 50m livre masculino Ouro
César Cielo (47s67[12] ) 100m livre masculino Bronze
2012 Londres Thiago Pereira (4m08s86[13] ) 400m medley masculino Prata

Desempenho no Campeonato Mundial[editar | editar código-fonte]

O Brasil conquistou no Mundial de piscina longa, até a edição de 2009, três medalhas de ouro, uma de prata e quatro de bronze. Já no Mundial de piscina curta, foram nove ouros, cinco pratas e sete bronzes.

Referências

  1. a b Colégio São Francisco História da Natação. Acessado em 29/07/2009.
  2. a b NOLASCO, Verônica Périssé; PÁVEL, Roberto de Carvalho; MOURA, Ricardo de. Natação. In: DACOSTA, Lamartine. Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Shape, março-abril 2005, p.232-235.
  3. a b História da Natação Natação Brasileira. Acessado em 29/07/2009.
  4. a b NICOLINI, Henrique. Cluster esportivo do rio Tietê – SP. In: DACOSTA, Lamartine. Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Shape, março-abril 2005, p.49.
  5. CBTE - Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Antuérpia (1920): a estréia brasileira nos Jogos Olímpicos. Acessado em 29/07/2009
  6. Sports Reference - Olympics Orlando Amendola Biography and Statistics. Acessado em 29/07/2009.
  7. Sports Reference - Olympics Ângelo Gammaro Biography and Statistics. Acessado em 29/07/2009.
  8. A Tarde On Line Medalhas olímpicas da história da natação brasileira. Acessado em 29/07/2009.
  9. Sports Reference - Olympics Brazil. Acessado em 30/07/2009.
  10. a b c d e f g h Equipe Djan Madruga História da Natação. Acessado em 29/07/2009.
  11. Swim Rankings Acessado em 29/07/2009.
  12. a b CBDA XXIX Jogos Olímpicos de Pequim. Acessado em 29/07/2009.
  13. Thiago é prata nos 400m medley; Lochte vence, e Phelps é quarto

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Portal CBDA Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos