Nathalia Timberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Novembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nathalia Timberg
Nome completo Nathalia Timberg
Nascimento 5 de agosto de 1929 (85 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação atriz
Outros prêmios
IMDb: (inglês)

Nathalia Timberg (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1929) é uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Natália é considerada uma das melhores atrizes brasileiras. Participou de muitos programas do ciclo Grande Teatro Tupi, da extinta TV Tupi São Paulo, dirigida por Fernando Torres, Sérgio Britto e Flávio Rangel. Na televisão, integrou o elenco de diversos teleteatros e telenovelas, com personagens de destaque, assim como participou de um dos primeiros telejornais da Rede Globo, o Tele Globo.

Alguns de seus trabalhos são considerados clássicos da teledramaturgia , como a primeira versão brasileira de O Direito de Nascer, a versão do romance A Muralha escrita por Ivani Ribeiro para a extinta TV Excelsior, A Sucessora, Elas por Elas, Ti Ti Ti, Vale Tudo, Pantanal, O Dono do Mundo, entre outros.

No fim da década de 1940, formou-se pela Escola de Belas Artes da antiga Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Reconhecida por sua vasta carreira no teatro e na televisão, foi no cinema que teve sua primeira experiência artística. Aos seis anos, fez uma participação especial no filme O Grito da Mocidade, de 1937. Só voltaria a trabalhar numa produção cinematográfica mais de 20 anos depois, quando emprestou sua voz ao filme Ravina, de 1958. Também participou da versão cinematográfica de Society em Baby-Doll, em 1965.

Antes disso, em 1948, começou a atuar no Teatro Universitário, movimento estudantil carioca nascido na Escola Nacional de Música, que contou com a participação de atores como Sérgio Britto, Fernando Torres e Paulo Fortes. Com o grupo, participou das peças O Pai, Quebranto e A Dama da Madrugada. Por sua atuação em A Dama da Madrugada, ganhou como prêmio do governo francês uma bolsa de estudos em Paris.

Entre 1951 e 1954, fez o curso de formação de atores na Education Par Les Jeux Dramatiques, com Jean-Louis Barrault, Etienne Decroux, Jacqueline Levant e Tania Balachova. Aos 25 anos, retornou ao Brasil e trabalhou na Companhia Dramática Nacional. Estreou profissionalmente na peça Senhora dos Afogados.

Dois anos depois, passou a integrar o Teatro Brasileiro de Comédia, em São Paulo. Permaneceu na companhia até 1962, atuando em peças como O Pagador de Promessas.

Também em 1956, iniciou sua carreira na televisão, participando do programa O Grande Teatro, da TV Tupi São Paulo. O teleteatro, passou a ser exibido pela TV Rio em 1963 e, dois anos depois, pela recém-criada TV Globo, e apresentava semanalmente encenações de clássicos da dramaturgia.

Em 1964, ganhou seu primeiro Prêmio Molière, por sua atuação como a artista Beatrice Stella Campbell em Meu Querido Mentiroso. Voltaria a ganhar o mesmo prêmio em 1988, pela atuação na mesma peça. Além do Moliére, também ganhou prêmios como o da Associação Paulista de Críticos Teatrais, o Governador do Estado de São Paulo, o Saci e o Mambembe, além de outros relacionados a sua atuação na TV.

Também naquele ano, viveu seu primeiro grande sucesso em telenovelas, na famosa O Direito de Nascer, exibida pela TV Tupi, onde interpretou a protagonista Maria Helena de Juncal.

Na televisão, trabalhou em praticamente todas as grandes emissoras, mesmo sem assinar contrato com nenhuma delas. Começou na TV Globo em 1965, apresentando um quadro de crônicas no Tele Globo, primeiro telejornal da emissora. No final daquele ano, fez sua estréia em telenovelas da casa, protagonizando Um Rosto de Mulher. Depois, em 1966, pela TV Tupi, protagonizou a novela A Ré Misteriosa.

Dois anos depois, voltou a protagonizar uma novela na emissora, A Rainha Louca, onde interpretou dois papéis: o da imperatriz Charlote, a mocinha, e o de uma criada perversa, a vilã. Ainda em 1967, ao lado de Sylvan Paezzo, criou em São Paulo o Circo do Povo, teatro popular construído numa lona de circo onde teve a experiência de encenar textos baseados na literatura de cordel. Em seguida, no ano de 1968, despontou em O Terceiro Pecado, como O Anjo da Morte, que ordena a morte da protagonista vivida por Regina Duarte, e por último, em 1969, protagonizou a novela Vidas em Conflito, ambas pela TV Excelsior.

Na década de 1970, um dos raros períodos em que se dedicou mais à televisão do que ao teatro, podem ser destacadas as seguintes produções em que atuou: pela TV Tupi, esteve em As Bruxas, de 1970, onde viveu a vilã Bagmor, Rosa dos Ventos (telenovela), de 1973, na pele da antagonista principal Eleonora, e Divinas & Maravilhosas, também de 1973, em que viveu uma das três protagonistas, Haydée; pela Rede Record, protagonizou as novelas O Tempo Não Apaga e Quero Viver, ambas de 1972; e pela Rede Globo, em 1978, encarnou a vilã Juliana de A Sucessora.

Nos anos 1980, trabalhou no Teatro dos Quatro, no Rio de Janeiro. Em 1987, por sua atuação em A Cerimônia do Adeus, recebeu o prêmio Mambembe de Melhor Atriz Coadjuvante. Na mesma época, associou-se a Wolf Maya na Virgo Produções Artísticas.

Ainda na década de 1980, integrou o elenco de várias produções dramatúrgicas, entre as quais, a novela Maria Stuart, exibida pela TV Cultura, em que deu vida a protagonista Rainha Elizabeth e Elas por Elas, ambas de 1982, como a enfermeira Eva.

Depois, em 1984, atuou na minissérie Meu Destino É Pecar e, logo em seguida, transferiu-se para a Rede Manchete, onde protagonizou a minissérie Santa Marta Fabril S.A..

Na Globo, em 1985, participou de Ti Ti Ti, onde interpretou Cecília, uma mulher com problemas mentais que cria elegantes figurinos para suas bonecas.

Em 1986, de volta à Manchete, atuou na novela Novo Amor.

Em 1988, na novela Vale Tudo, viveu Celina Junqueira, irmã da vilã Odete Roitman, interpretada por Beatriz Segall.

Em 1990, participou da minissérie Desejo e ainda integrou o elenco de um dos maiores sucessos da antiga TV Manchete, a novela Pantanal. Na trama, interpretou Mariana, sogra de José Leôncio e avó materna de Joventino, protagonistas da trama. De volta à TV Globo, atuou em tramas como O Dono do Mundo, de 1991, e Mulheres de Areia, de 1993.

Em 1994, transferiu-se para o SBT, onde trabalhou no remake de Éramos Seis. Depois, fez uma rápida passagem pela Rede Bandeirantes, onde atuou na novela O Campeão. Em 1997, na Globo, participou de Zazá.

Em 1999, viveu mais um grande momento em sua carreira ao encarnar a maquiavélica Idalina, da novela Força de Um Desejo. Em 2000, retornou a Rede Record, depois de 23 anos, para atuar na novela Marcas da Paixão. Em seguida, na Globo, esteve presente no grande sucesso de Porto dos Milagres, como Ondina.

Em 2002, marcou presença na minissérie O Quinto dos Infernos como Xuxu.

Em 2003, interpretou Yolanda Mendes, na novela Celebridade, tia do inescrupuloso Renato Mendes, mulher ambiciosa, de caráter fraco e duvidoso.

Em 2006 foi destaque na minissérie JK, e na novela Páginas da Vida, do mesmo ano.

Em 2008, trabalhou em mais uma minissérie, Queridos Amigos. Nesse mesmo ano, esteve em Negócio da China, no papel de Augusta, mãe das personagens Júlia e Denise.

Em 2011, retornou à televisão na novela Insensato Coração na pele da rica matriarca Vitória Drummond.

Em 2013 ganha destaque interpretando a ética Bernarda, de Amor à Vida, uma senhora solitária que vive um inusitado romance de meia idade com um médico.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Novelas
Minisséries

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]