Navarco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Navarco (em grego clássico: ναύαρχος; transl.: nauarcos, de ναῦς [naus; "embarcação"] e ἀρχή [arkhê; "comandante") era o título militar dado aos capitães de navios ou frotas de guerra na Grécia Antiga.[1] Em alguns países, o termo foi ou é usada para designar um posto equivalente ao de almirante ou comandante supremo da marinha nacional.[nt 1]

Grécia Antiga[editar | editar código-fonte]

Nem todos os estados marítimos gregos usaram o termo para designar os comandantes navais. Por exemplo, o a marinha ateniense era comandada por um general (estrategos), o qual tinha o mesmo título que o comandante das forças militares terrestres. Esta estrutura de comando refletia o facto, verificado especialmente durante o início do período clássico, das armadas operarem em conjunção muito próxima com as forças terrestres, e o título de navarco só começou a ser usado durante a Guerra do Peloponeso (século V a.C.), quando as frotas começaram a operar de forma mais independente.[nt 1]

O título começou por ser usado de forma separada em cidades que que não tinham uma tradição naval arreigada, nomeadamente em Esparta, o caso mais notório dessa situação. Mais tarde foi usado de forma mais generalizada, tendo sido adotado pelas marinhas de estados do período helenístico (séculos IV a II a.C.) como a Macedónia, Siracusa, Rodes, Liga Aqueia e os impérios ptolemaico e selêucida.[nt 1] Por exemplo, Alexandre, o Grande foi o navarco da armada macedónia que cercou Tiro em 332 a.C..[nt 2] [2]

Em Esparta e muitas outras cidades-estado, o posto era mantido apenas por um ano, mas noutros estados despóticos ou monárquicos podiam manter-se no posto durante vários anos.[nt 1]

Sem relação com funções militares, o navarco era responsável por uma liturgia específica em Erétria e noutras cidades, no âmbito das festas da navegação em honra de Ísis e outras divindades egípcias.[nt 2] [3]

Esparta[editar | editar código-fonte]

Em Esparta, o cargo de navarco foi instuído para aliviar o problema do comando: segundo a Grande Retra (a constituição de Esparta), eram os reis que comandavam as tropas, mas não se mostravam adequados à tarefa. As expedições podiam ser comandadas por chefes que não eram reis, mas tratavam-se geralmente de pequenas campanhas, mobilizando poucos homens.[nt 2] [4]

A partir de 430 a.C., durante a Guerra do Peloponeso, a cidade começa a nomear sistematicamente navarcos. Provavelmente eram escolhidos pela Assembleia, sob proposta dos éforos, e não pelos próprios reis. O posto era atribuído anualmente e não era renovável.[nt 2] Essa situação levou os Espartanos a recorrer a uma elaborado expediente legal quando quiseram manter Lisandro, o mais célebre dos navarcos espartanos, no posto por mais de um ano: em 405 a.C., ele é nomeado segundo comandante da frota, sendo Arakos o navarco titular. Nessa altura foram criados os postos subordinados ao navarco: o de secretário (em grego: ἐπιστολεύς; epistoleus), que atuava como segundo comandante, e o de epibates (ἐπιϐάτης), o terceiro comandante. Sob controlo direto dos éforos e não do rei, o navarco podia ser destituído em qualquer altura, ao contrário dos reis. Esta situação criou frequentemente tensões entre o rei o navarco, como por exemplo entre Antálcidas e Agesilau II. Na sua obra Política, Aristóteles nota que a "navarquia" constituía «quase uma outra realeza» (II, 9, 1271a 37-41).[nt 2]

Ao contrário da maior parte dos postos superiores, o posto de navarco podia ser atribuído a quem não pertencesse à classe dos Esparciatas. Lisandro beneficiou desta regra, pois era duma classe social inferior.[nt 1]

Roma e Bizâncio[editar | editar código-fonte]

Em Roma, o título de nauarchus, um termo que é a transliteração direta do termo grego para latim, foi também usado para designar os comandantes de esquadra da marinha romana. Os Bizantinos, falantes de grego, por vezes usavam o termo para se referirem a capitães de navios ou esquadras, enquanto que os almirantes usavam o título de estratego ou drungário.[nt 1]

Grécia moderna[editar | editar código-fonte]

Bandeira do navarco da Marinha da Grécia moderna

Na atual marinha de guerra grega, o posto de návarcos é o mais alto da hierarquia e é atribuído apenas ao chefe do estado-maior da defesa nacional quando este é um oficial naval. Todos os postos superiores da marinha grega são derivados de návarcos: antinávarcos (Αντιναύαρχος; equivalente a vice-almirante), yponávarcos (Υποναύαρχος; equivalente a contra-almirante) e arquiploíarcos (equivalente a "comodoro). Estes mesmo postos são usados pela guarda costeira grega.[nt 1]

Notas

  1. a b c d e f g Trechos baseados no artigo artigo «Navarch» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).
  2. a b c d e Trechos baseados no artigo artigo «Navarque» na Wikipédia em francês (acessado nesta versão).

Referências

  1. navarco www.priberam.pt Dcionário Priberam da Língua Portuguesa. Visitado em 3 de novembro de 2012.
  2. Battistini & Charvet 2004
  3. Dunand 1973, p. 27
  4. Lévy 2003

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Do artigo em inglês:

Do artigo em francês:

  • Battistini, Olivier; Charvet, Pascal, eds. (2004) (em francês), Alexandre le Grand, Histoire et dictionnaire, Paris: Laffont, pp. 1090, ISBN 9782221097847