Nazım Hikmet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Túmulo de Nazim Hikmet

Nazım Hikmet Ran (20 de Novembro de 19013 de Junho 1963) foi um importante poeta e dramaturgo turco, conhecido na Europa como o melhor poeta de vanguarda da Turquia, sendo os seus poemas traduzidos para diversas línguas, sem exceptuar o português.

Nascido em Salónica, no Império Otomano, situada no seio da actual Grécia, foi registrado a 15 de Janeiro de 1902, embora tenha nascido efectivamente no dia 20 de Novembro do ano de 1901, mesmo no início do século XX.

Hikmet pertenceu ao Partido Comunista da Turquia, sumariamente TKP, tendo sido por isso muitas vezes perseguido pelos realistas.

Apesar de ter escrito primeiramente poemas com sílabas métricas bem definidas, o seu género distanciou-se dos géneros dos chamados "poetas silábicos", sendo, em parte por tal, denominado vanguardista. Pelo contrário, os seus poemas distinguiam-se pelas formas confusas e conceptuais. Aliás, todos eles contêm diversas propriedades linguísticas da Turquia.

Nunca satisfeito com o seu trabalho, rumou à URSS, onde se manteve de 1922 a 1925, na intensiva busca pelo "climáx". Um outro motivo para ter viajado para a União Soviética foi a Revolução Soviética.

Depois de completos os seus estudos na Universidade de Moscovo cansado das competições com Vladimir Mayakovski e com outros jovens poetas soviéticos, que tendiam para o recente Futurismo, retornou ao seu país natal.

Vários trabalhos seus retratam cenas inóspitas de guerra como a invasão da Etiópia pela Itália de Mussolini

Como já foi referido anteriormente, Hikmet foi perseguido pelos defensores da monarquia e, por isso, condenado a quinze anos de prisão. Tal fez com que se refugiasse na URSS, uma mais valia, já que conhecia o país.

Depois da sua morte, em 1963, na cidade dos moscovitas, diversos músicos transformaram os seus expressivos poemas em belas canções, como fez, entre outros tantos, o grego Manos Loizos.

Nacionalidade turca[editar | editar código-fonte]

O governo turco aboliu em 5 de Janeiro de 2009, por decreto a decisão que, em 1951, retirou a nacionalidade turca ao poeta[1] .

Referências

Traduções[editar | editar código-fonte]

1. Preso na Fortaleza de Bursa/Yatar Bursa Kalesinde, Leonardo da Fonseca (trad.), (n.t.) Revista Literária em Tradução, nº 1 (set/2010), Fpolis/Brasil, ISSN 2177-5141

Ligações externas[editar | editar código-fonte]