Nebulosa do Bumerangue

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nebulosa do Bumerangue
Foto da Nebulosa do Bumerangue, tirada pela NASA/ESA.
Foto da Nebulosa do Bumerangue, tirada pela NASA/ESA.
Dados observacionais (J2000)
Constelação Centaurus
Asc. reta 12h 44m 45,45s
Declinação -54° 31′ 11,4"
Magnit. apar.  ?
Características físicas
Raio 1 ano luz
Outras denominações
Nebulosa Bipolar de Centaurus,
ISO 172-7
[[Imagem:|250px|]]

A Nebulosa do Bumerangue é uma protonebulosa planetária[1] na constelação de Centaurus localizada a 5000 anos luz da Terra.[2] É uma estrela — ou sistema estelar — que está evoluindo para a fase de nebulosa planetária. Chamada assim por Keith Taylor e Mike Scarrot em 1980 quando a observaram com o Telescópio Anglo-Australiano, os astrônomos apenas viram uma leve assimetria nos lóbulos, o que sugeria uma forma curvada similar a um bumerangue. A imagem de maior resolução obtida com o Telescópio Espacial Hubble mostra-a como uma nebulosa bipolar.

A Nebulosa do Bumerangue é um dos objetos peculiares do universo. Em 1995, usando o Telescópio Submilimétrico do European Southern Observatory, descobriu-se que a sua temperatura é de tão somente 1 K (-272 ºC) — um grau acima do zero absoluto — a temperatura mais baixa conhecida no Universo, fora de um laboratório. É o único objeto astronômico conhecido cuja temperatura é inferior à da radiação cósmica de fundo em micro-ondas.[3]

A nebulosa foi formada pelo gás expulso pela sua estrela central. A estrela perdeu matéria à razão de uma milésima parte da massa solar a cada ano durante pelo menos 1500 anos.[1] Isso implica um ritmo de perda de massa entre 10 e 100 vezes maior que em outros objetos similares.[3] O gás expande-se a uma grande velocidade (164 km/s), o que causa a baixa temperatura. Assim mesmo tem uma camada interna que se expande a 35 km/s, que pode ser o resultado da expulsão de um invólucro comum por parte de uma estrela binária central.[1]

Referências