Neocolonial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja Nossa Senhora do Brasil (inaugurada em 1940), em São Paulo.

O Neocolonial foi um movimento estético dos começos do século XX especialmente associado à arquitetura. O movimento se propunha a resgatar a arquitetura e motivos decorativos típicos da época colonial americana de origem ibérica e empregá-los na arquitetura contemporânea. O neocolonial foi comum em toda a América Latina - incluindo o Brasil - e no sul dos Estados Unidos.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg Nossas casas não denunciam o país (...) Dentro de um salão Luís XV somos uma mentira com o rabo de fora. Cquote2.svg
Monteiro Lobato, ao mostrar-se contra o ecletismo arquitetônico, e à favor de uma arquitetura genuinamente brasileira.[1]

O estilo neocolonial no Brasil está ligado à busca de uma arte genuinamente nacional. O marco de lançamento do movimento foi a conferência "A Arte Tradicional no Brasil" ditada em 1914 na Sociedade de Cultura Artística de São Paulo pelo arquiteto e engenheiro português Ricardo Severo.

Na conferência, Severo defende o estilo colonial brasileiro de raízes lusitanas como o verdadeiro estilo nacional, em contraposição ao ecleticismo e o revivalismo da arquitetura da época que, segundo Severo, representavam estilos estranhos à tradição brasileira. Assim, o estilo neocolonial seria um movimento de cariz ao mesmo tempo tradicionalista e moderno.

A partir desse momento, o estilo neocolonial foi muito difundido na arquitetura brasileira. Ricardo Severo construiu uma série de edifícios no estilo em São Paulo e arredores, começando pelo Palacete Numa de Oliveira (1916), na Avenida Paulista, já demolido, e terminando no ainda existente edifício da Faculdade de Direito de São Paulo (1939), no Largo São Francisco.

José Mariano Filho, historiador de arte e diretor da Sociedade Brasileira de Belas Artes, teve um papel importante no movimento, patrocinando viagens de arquitetos às cidades mineiras coloniais.

Cquote1.svg A casa brasileira não poderá ser senão a nossa velha casa patriarcal, com o largo beiral de telhões de faiança, os alpendres floridos... Cquote2.svg
José Mariano Filho[2]

Muitos renomados arquitetos aderiram ao neocolonial à época, como Victor Dubugras, Heitor de Mello, Archimedes Memoria e outros. Durante a Semana de Arte Moderna de 1922, dedicada à busca de uma arte nacional, Georg Przyrembel apresentou projetos no estilo. Lúcio Costa, quando jovem, também foi adepto do movimento, tendo chegado a projetar casas neocoloniais, como algumas que existem no Largo do Boticário no Rio de Janeiro.

No Rio de Janeiro, então capital da República, o neocolonial foi o estilo de muitos pavilhões da Exposição do Centenário da Independência, em 1922. Um remanescente importante é o edifício do atual Museu Histórico Nacional, reformado em estilo neocolonial entre 1920 e 1922 por Archimedes Memoria e Francisco Cuchet.

No Rio, o neocolonial foi também o estilo elegido para muitas instituições educativas como o antigo Instituto de Educação (atual Instituto Superior de Educação do Estado do Rio de Janeiro), construído entre 1927 e 1930 pelos arquitetos Ângelo Bruhns e José Cortez.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. HOMEM, Maria Cecília Nactério. O Palacete Paulistano e Outras Formas Urbanas de Morar da Elite Cafeeira. São Paulo: Martins Fontes, 1996. página 241.
  2. Solar Mojope (HTML) Andre Decourt (29 de janeiro de 2009). Visitado em 23 de março de 2010.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Neocolonial no Brasil
  • Neocolonial na Enciclopédia Itaú de Artes Visuais
  • AMARAL, Aracy (org). Arquitetura neocolonial. América Latina, Caribe, Estados Unidos (São Paulo; México: Memorial da América Latina; Fondo de Cultura Económica, 1994)
  • KESSEL, Carlos. Arquitetura neocolonial no Brasil: entre o pastiche e a modernidade (Rio de Janeiro: Jauá, 2008)
  • MELLO, Joana. Ricardo Severo: da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira (São Paulo: Annablume, 2007)
  • SILVEIRA, Marcelo; BITTAR, William. "No centro do problema arquitetônico nacional, a modernidade e a arquitetura tradicional brasileira" (Rio de Janeiro: RioBooks, 2013)
Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.