Nevermind

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nevermind
Álbum de estúdio de Nirvana
Lançamento 24 de setembro de 1991 (1991-09-24)
Gravação Maio – junho de 1991;
Sound City Studios, Van Nuys, Devonshire
(North Hollywood, Califórnia)
"Polly": gravada em abril de 1990;
Smart Studios
(Madison, Wisconsin)
Gênero(s) Grunge, rock alternativo
Duração 54:17
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD, fita cassete, disco de vinil
Gravadora(s) DGC
Produção Butch Vig
Cronologia de Nirvana
Último
Último
Bleach
(1989)
In Utero
(1993)
Próximo
Próximo
Singles de Nevermind
  1. "Smells Like Teen Spirit"
    Lançamento: 10 de setembro de 1991 (1991-09-10)
  2. "Come as You Are"
    Lançamento: 2 de março de 1992 (1992-03-02)
  3. "Lithium"
    Lançamento: 13 de julho de 1992 (1992-07-13)
  4. "In Bloom"
    Lançamento: 30 de novembro de 1992 (1992-11-30)
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg link
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg link

Nevermind é o segundo álbum de estúdio da banda grunge norte-americana Nirvana. Foi lançado em 24 de setembro de 1991 através da DGC Records, sendo o primeiro disco do grupo a ser lançado por esta gravadora. O vocalista da banda Kurt Cobain tentou compor as faixas do disco fora dos limites restritivos da cena grunge de Seattle, tendo influências de grupos como os Pixies e seu uso dinâmico do volume das músicas. Produzido inteiramente por Butch Vig, o gênero proeminente no álbum é o grunge, com influências do rock alternativo.

Críticos de música contemporânea aclamaram Nevermind, destacando a mistura do grunge e do rock alternativo, citando que, com Nevermind, o "Nirvana mudou a história do rock mundial". Apesar das baixas expectativas da gravadora a respeito das vendas do álbum, o disco tornou-se um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos com 30 milhões de cópias vendidas mundialmente, sendo o disco mais bem sucedido da banda. Obteve sucesso comercial, liderando as tabelas de álbuns do Canadá e da Suécia. Em janeiro de 1992, o disco tirou Dangerous do topo da tabela de álbuns Billboard 200. Foi certificado como diamante pela Recording Industry Association of America (RIAA), vendendo mais de 10 milhões de cópias nos Estados Unidos, ao passo que vendeu mais de um milhão de cópias em outros quatro territórios.

Quatro singles foram lançados de Nevermind. O primeiro, "Smells Like Teen Spirit", tornou-se a canção de maior sucesso do Nirvana, recebendo aclamação universal da mídia especializada e liderando as tabelas musicais da Bélgica, da Espanha, da França e da Nova Zelândia. A revista Rolling Stone citou "Smells Like Teen Spirit" como uma das 500 melhores canções de todos os tempos, atingindo a nona colocação. Outros singles lançados foram "Come As You Are", "Lithium" e "In Bloom", que foram bem sucedidos comercialmente. Nevermind deixou um legado significativo e cultural, sendo, em parte, responsável por trazer o rock alternativo para o mainstream. Consequentemente, atingiu altas posições em listas dos melhores álbuns de todos os tempos em publicações como a Rolling Stone e a Time. Depois de seu lançamento, o grupo fez uma turnê na Europa em novembro de 1991, que passou por países como o Reino Unido.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O Nirvana foi uma banda de Aberdeen, no Estado de Washington, formada por Kurt Cobain e Krist Novoselic, que assinou contrato com a gravadora independente de Seattle, a Sub Pop. O grupo lançou seu álbum de estreia Bleach em 1989, com Chad Channing na bateria. Entretanto, Channing saiu do Nirvana em 1990 e a banda foi em busca de um baterista permanente. Durante um show da banda de hardcore punk Scream, o baterista do grupo, Dave Grohl, impressionou Novoselic e Cobain. Quando Scream inesperadamente acabou, Grohl contatou Novoselic, fez o seu caminho para Seattle e foi logo convidado para integrar a banda. Novoselic disse no retrospecto que quando Grohl entrou para a banda, tudo "caiu no local".[1]

Enquanto isso, Cobain estava compondo diversas canções. Na época, ele se influenciou por bandas como The Melvins, R.E.M., The Smithereens e os Pixies. Sentindo-se desiludido com o rock pesado detonado na cena grunge de Seattle sob a qual foi criada a imagem da Sub Pop, Cobain se inspirou por seu hábito de audição contemporânea, e começou a compor canções que eram mais melódicas. Um passo fundamental foi o lançamento do single "Sliver", lançado em 1990 pela Sub Pop (antes de Grohl se juntar à banda), que Cobain comentou que "era como uma declaração de uma forma que eu tinha que compor uma canção pop e lançá-la como um single para as pessoas se prepararem para o próximo disco. Eu queria escrever mais canções como esta".[2] Grohl disse que naquele momento, a banda fazia a analogia de comparar sua música à música infantil, em que o grupo tentou fazer suas canções de um modo simples o mais rápido possível.[1]

Até o início da década de 1990, a Sub Pop estava passando por dificuldades financeiras. Após rumores de que a Sob Pop teria assinado um contrato para se tornar uma subsidiária de uma outra gravadora, a banda decidiu "cortar o intermediário" e ir para uma grande gravadora.[1] Diversas gravadoras contataram o grupo, mas o Nirvana decidiu ir para a logomarca da Geffen Records, DCG Records, com base em seu gerente empresarial Gold Mountain, que conseguiu ídolos da banda (e recentes contratados pela Geffen) Sonic Youth e Kim Gordon, do Sonic Youth.[3]

Gravação[editar | editar código-fonte]

O Nirvana escolheu Butch Vig como produtor de Nevermind após sugestões de sua antiga gravadora Sub Pop.

No início de 1990, o Nirvana planejou lançar seu segundo álbum pela Sub Pop, provisoriamente intitulado Sheep. Para o álbum, Bruce Pavitt, chefe da Sub Pop, sugeriu Butch Vig como o principal produtor do disco.[1] O grupo particularmente gostou do trabalho de Vig com Killdozer e contatou Vig para lhe dizer que "queremos parecer pesados como esse álbum".[4] Em abril do mesmo ano, Vig e a banda viajaram para os Smart Studios em Madison, Wisconsin, onde começaram a gravar o álbum. A maioria dos arranjos básicos das faixas foram feitos nessa época, mas Cobain ainda estava trabalhando nas letras das canções, e a banda não tinha certeza de quais canções iriam gravar.[5] Mais tarde, foram registradas oito músicas: "Immodium" (mais tarde intitulada de "Breed"), "Dive" (que foi posteriormente lançada como o lado B de "Sliver"), "In Bloom", "Pay to Play" (eventualmente intitulada de "Stay Away" com um novo conjunto de letras), "Sappy", "Lithium", "Here She Comes Now" (mais tarde lançada em Velvet Underground Tribute Album: Heaven and Hell Volume 1) e "Polly".[6] A banda havia planejado gravar e compor mais faixas, mas a voz tensa e severa de Cobain em "Lithium" forçou o Nirvana a encerrar a gravação. Vig disse que o grupo iria gravar mais músicas, mas não ouviu nada por um bom tempo.[1] Em vez disso, a banda usou as faixa gravadas como fitas de demonstração para assinar um contrato com outra gravadora. Dentro de alguns meses, as fitas estavam circulando entre as grandes gravadoras, causando grande repercussão das gravadoras em torno da banda.[7]

Depois que o grupo assinou um contrato com a DGC Records, foram sugeridos alguns produtores para o álbum, como Scott Litt, David Briggs e Don Dixon, mas o Nirvana ainda queria Butch Vig.[8] Krist Novoselic observou em 2001 que a banda já estava nervosa sobre gravar um disco sob uma grande gravadora, e os produtores sugeridos pela DGC queriam ganhos percentuais para poderem trabalhar no álbum. Em vez disso, a banda contatou Vig novamente, que achavam um colaborador confiável.[9] Com um orçamento de 65 mil dólares, o Nirvana gravou o Nevermind nos Sound City Studios em Van Nuys, na Califórnia, entre maio e junho de 1991.[10] A banda iria gravar o álbum entre março e abril de 1991, mas a data das gravações foi adiada diversas vezes, apesar da ânsia da banda para começar as sessões. Para ganhar o dinheiro para chegar a Los Angeles, o Nirvana fez um pequeno concerto, onde apresentaram "Smells Like Teen Spirit" pela primeira vez.[1] A banda enviou à Vig algumas fitas dos ensaios feitos antes das sessões de gravação, que contaram com músicas gravadas anteriormente nos Smart Studios, juntamente com novas faixas, incluindo "Smells Like Teen Spirit" e "Come as You Are".[11]

Após chegar a Califórnia, o Nirvana teve alguns dias de pré-produção e, juntamente com Vig, o grupo reforçou alguns arranjos das faixas.[12] A única gravação a transitar das sessões dos Smart Studios foi a canção "Polly", em que foram incluídos pratos adicionais, tocados por Chad Channing. Uma vez que as gravações do disco começaram, a banda trabalhou entre oito e dez horas por dia. Os membros da banda tendiam a tentar o instrumental duas o três vezes; se o instrumental não fosse satisfatório nesse ponto, eles poderiam partir para outra música.[13] O grupo tinha ensaiado as músicas antes que as sessões de gravação começaram, em que muitas vezes apenas alguns ensaios eram necessários.[9] Novoselic e Grohl haviam terminado suas partes do baixo e da bateria em questão de dias, mas Cobain teve que trabalhar mais nas guitarras, em seu canto e, particularmente, nas letras das canções (que, às vezes, terminavam poucos minutos antes das gravações).[14] O fraseado de Cobain era tão consistente em várias ocasiões que Vig mixava o resultado final junto ao canto de Cobain para criar batidas duplas.[13] Vig disse que teve de enganar Cobain em gravações adicionais diversas vezes para criar batidas duplas, já que o cantor não queria ensaiar diversas vezes. Particularmente, Vig convenceu Cobain a dobrar seus vocais na faixa "In Bloom", dizendo que "John Lennon fez isso".[1] Enquanto as sessões de gravação tomaram rumos geralmente bons, Vig disse à Cobain que se tornaria instável e difícil diversas vezes: "Ele seria ótimo para uma hora, ou seja, se ele não se sentasse em um canto e não dizesse nada por uma hora".[4]

Após as sessões de gravação serem concluídas, Vig e a banda partiu mixaram o álbum. Entretanto, depois de alguns dias, tanto Vig quanto os membros da banda perceberam que estavam descontentes com a forma de como as faixas se transformaram. Como resultado, eles decidiram chamar alguém para supervisionar a mistura, com a DGC Records fornecendo uma lista de opções possíveis. A lista continha vários nomes conhecidos, incluindo Scott Litt (conhecido por seu trabalho com REM) e Ed Stasium (conhecido por seu trabalho com os The Smithereens); contudo, Cobain temia que trabalhar com mixers conhecidos tornaria o som do álbum parecido com os discos destas bandas. Em vez disso, Cobain escolheu Andy Wallace — que co-produziu o álbum de 1990 do Slayer, Seasons in the Abyss — na parte inferior da lista.[15] Novoselic lembrou: "Nós dissemos, 'muito bem', porque os discos do Slayer eram muito pesados".[16] Wallace mixou as músicas em várias caixas de efeitos especiais e ajustou os sons da bateria, completando cerca de uma mixagem por dia.[17] Wallace e Vig notaram, anos mais tarde, que, ao ouvir o trabalho de Wallace, a banda adorou as mixagens.[18] Após o lançamento do álbum, no entanto, os membros do Nirvana expressaram insatisfação com o som mixado em Nevermind. Cobain disse em Come as You Are, "Olhando para trás na produção de Nevermind, eu estou envergonhado com isso agora. Está mais perto de um disco de Mötley Crüe que um disco de punk rock".[17]

Nevermind foi masterizado na tarde de 02 de agosto no The Mastering Lab, em Hollywood. Howie Weinberg começou a trabalhar sozinho quando ninguém mais apareceu na hora marcada no estúdio; no momento em que o Nirvana, Andy Wallace, e Gary Gersh chegaram, Weinberg já havia masterizado a maior parte do álbum.[19] Uma das músicas da sessão, uma faixa escondida chamada "Endless, Nameless", destinou-se a aparecer no final "Something in the Way", e foi deixada acidentalmente nas prensagens iniciais do álbum. Weinberg lembrou: "No começo, era um tipo de coisa verbal para colocar essa faixa no final. Talvez eu interpretei mal as suas instruções, assim você pode chamá-lo de 'meu erro', se quiser. Talvez eu não notei quando Nirvana ou a gravadora disseram para fazer isso. Assim, quando eles emitiram os primeiros vinte mil ou mais CDs, álbuns e fitas cassetes, não estava lá". Quando a banda descobriu a omissão da música depois de ouvir sua cópia do álbum, Cobain chamou Weinberg e exigiu que ele corrigisse este erro.[20] Weinberg cumpriu e acrescentou cerca de dez minutos de silêncio entre o fim de "Something in the Way" e o início da faixa escondida em futuras prensagens do álbum.[21]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Nevermind foi lançado em 24 de setembro de 1991. As lojas de discos americanas receberam um carregamento inicial de 46,251 cópias,[22] Enquanto 35,000 cópias foram embarcadas no Reino Unido, onde Bleach tinha sido bem sucedido.[23] O single líder "Smells Like Teen Spirit" tinha sido lançado no dia 10 de setembro com a intenção de ser um corte de construção de base entre os fãs de rock alternativo, enquanto o próximo single, "Come As You Are", seria a canção que possivelmente angariasse mais atenção.[24] A banda partiu para uma pequena turnê americana quatro dias antes da data de lançamento para apoiar o álbum. A Geffen Records esperava que Nevermind vendesse por volta de 250,000 cópias, que era o mesmo nível que a gravadora tinha conseguido com a estreia do Sonic Youth da Geffen, Goo.[25] A melhor estimativa era de que se todos os envolvidos trabalhassem duro, a gravação poderia ser certificada Ouro em setembro de 1992.[26]

Em 2011, foi lançada uma edição remasterizada de Nevermind, em comemoração aos 20 anos do álbum.

Influências[editar | editar código-fonte]

O grande sucesso do álbum e do compacto do Nirvana abriu as portas para outras bandas de Seattle - aconteceu uma verdadeira corrida das grandes gavadoras para contratar os grupos de rock grunge, resultando numa onda renovadora, alterando os rumos do velho rock. Não é por acaso que alguns dos mais famosos álbuns dos anos 90 tiveram origem em Seattle, como Ten e Vs. do Pearl Jam, Dirt e Facelift do Alice In Chains, Superunknown e Badmotorfinger do Soundgarden, além dos discos do próprio Nirvana.

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções escritas e compostas por Kurt Cobain e produzidas por Butch Vig, exceto quando escrito. 

Edição padrão
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Smells Like Teen Spirit"   Kurt Cobain, Dave Grohl, Krist Novoselic 5:01
2. "In Bloom"     4:14
3. "Come as You Are"     3:39
4. "Breed"     3:03
5. "Lithium"     4:17
6. "Polly"     2:57
7. "Territorial Pissings"     2:22
8. "Drain You"     3:43
9. "Lounge Act"     2:36
10. "Stay Away"     3:32
11. "On a Plain"     3:16
12. "Something in the Way"     3:35
Duração total:
54:17

Edição comemorativa de 20 anos[editar | editar código-fonte]

Discos bônus da edição deluxe[editar | editar código-fonte]

Notas
  • Em algumas prensagens, o disco contém a faixa escondida "Endless, Nameless" com duração de 13:51, fazendo "Something in the Way" ter duração de 20:35.
  • O primeiro disco da edição deluxe foi originalmente lançado com exclusividade pela Target. A edição deluxe foi posteriormente emitida como um conjunto limitado especial, com quatro discos.

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de Nevermind, de acordo com o encarte do disco:[27]

Grupo
  • Kurt Cobain (creditado na "foto do macaco" como Kurdt Kobain): vocais principais e de apoio, guitarra, guitarra acústica em "Polly" e "Something in the Way", fotografias
  • Krist Novoselic (creditado como Chris Novoselic): baixo, voz na introdução de "Territorial Pissings"
  • Dave Grohl: bateria, vocais de apoio
Músicos adicionais
  • Chad Channing: címbalos em "Polly", tambores no "Smart Studios Sessions" (edição deluxe)
  • Kirk Canning: violoncelo em "Something in the Way"
Técnicos e arte
  • Craig Doubet: assistência de engenharia, mixer
  • Spencer Elden: criança presente na capa
  • Robert Fisher: capa, direção de arte, design, design da capa
  • Michael Lavine: fotografia
  • Bob Ludwig: masterização (edição comemorativa de 20 anos)
  • Jeff Sheehan: assistência de engenharia
  • Butch Vig: co-produção, produção, engenharia
  • Andy Wallace: mixer
  • Howie Weinberg: masterização
  • Kirk Weddie: fotografia da capa

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Tabela musical (1992) Melhor
posição
 Alemanha (Media Control Charts)[28] 3
 Austrália (ARIA Charts)[29] 2
 Áustria (Ö3 Austria Top 40)[30] 2
 Bélgica (Ultratop 50 de Flandres)[31] [A] 14
 Bélgica (Ultratop 40 da Valônia)[32] [A] 7
 Canadá (Canadian Albums Chart)[33] 1
 Dinamarca (Tracklisten)[34] [A] 16
 Espanha (Productores de Música de España)[35] 2
 Estados Unidos (Billboard 200)[36] 1
 Finlândia (IFPI Finlândia)[37] [A] 41
 França (Syndicat National de l'Édition Phonographique)[38] 1
 Hungria (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)[39] 12
 Itália (Federazione Industria Musicale Italiana[40] [A] 20
 Japão (Oricon)[41] [A] 26
 México (Mexican Albums Chart)[42] [A] 43
 Nova Zelândia (Recording Industry Association of New Zealand)[43] 2
 Noruega (VG-lista)[44] 2
 Países Baixos (MegaCharts)[45] 3
 Portugal (Associação Fonográfica Portuguesa)[46] [A] 1
 Reino Unido (UK Albums Chart)[47] 7
 Suécia (Sverigetopplistan)[48] 1
Suíça (Schweizer Hitparade)[49] 2

Tabelas de fim-de-década[editar | editar código-fonte]

Tabela musical (1990–1999) Posição
 Estados Unidos (Billboard 200)[50] 32
A - Nestes respectivos países, a melhor posição de Nevermind foi atingida por sua edição comemorativa de 20 anos.

Relançamento[editar | editar código-fonte]

Após vinte anos do lançamento oficial, o disco Nevermind foi relançado, em 19 de setembro de 2011, com faixas inéditas. Há também o lançamento de um DVD contendo um show nunca antes exibido ao público. No CD, estão também raridades, mixes de músicas e gravações da BBC. A sua publicadora, a Universal, garantiu que, depois do lançamento dos quatro CDs e um DVD, eventos se seguirão. O disco original já vendeu mais de trinta milhões de cópias.[51] [52] [53]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Classic Albums—Nirvana: Nevermind [DVD]. Isis Productions, 2004.
  2. Azzerad 1993, p. 145
  3. Azzerad 1993, p. 162
  4. a b Hoi, Tobias. "In Bloom." Guitar World. Outubro de 2001.
  5. Berkenstadt Cross, p. 29
  6. Azerrad 1993, p. 137
  7. Azerrad 1993, p. 138
  8. Azerrad 1993, p. 164–165
  9. a b Cross, Charles R. "Requiem for a Dream". Guitar World. Outubro de 2001.
  10. Sandford 1995, p. 181
  11. Azerrad 1993, p. 167
  12. Azerrad 1993, p. 169
  13. a b Azerrad 1993, p. 174
  14. Azerrad 1993, p. 176
  15. di Perna, Alan. "Grunge Music: The Making of Nevermind". Guitar World. 1996.
  16. Berkenstadt Cross, p. 96
  17. a b Azerrad 1993, p. 179–180
  18. Berkenstadt Cross, p. 99
  19. Berkenstadt Cross, p. 102
  20. Berkenstadt Cross, p. 103
  21. Berkenstadt Cross, p. 104
  22. Azerrad 1993, pg. 196
  23. Berkenstadt; Cross, pg. 113
  24. Azerrad 1993, pg. 227
  25. Wice, Nathaniel. "How Nirvana Made It". Spin. April 1992.
  26. Azerrad 1993, pg. 193
  27. (1991) Créditos do álbum Nevermind por Nirvana. DGC Records.
  28. Nirvana – Nevermind (Media Control Charts) (em inglês). Musicline.de. PhonoNet. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  29. Nirvana – Nevermind (ARIA Charts) (em inglês). ARIA Charts. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  30. Nirvana – Nevermind (Ö3 Austria Top 40) (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  31. Nirvana – Nevermind (Ultratop 50) (em inglês). Ultratop 50. Hung Medien. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  32. Nirvana – Nevermind (Ultratop 40) (em inglês). Ultratop 40. Hung Medien. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  33. (7 de março de 1992) "RPM 100 Albums" 55 (11).
  34. Nirvana – Nevermind – Deluxe Edition (Tracklisten) (em inglês). Tracklisten. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  35. Nirvana – Nevermind (Productores de Música de España) (em inglês). Productores de Música de España. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  36. Nevermind (1991): Album Info (em inglês). Billboard. Nielson Business Media, Inc.. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  37. Nirvana – Nevermind – Deluxe Edition (IFPI Finlândia) (em inglês). IFPI Finlândia. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  38. Nirvana – Nevermind (Syndincat National de l'Édition Phonographique) (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  39. Nirvana – Nevermind (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége) (em inglês). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  40. Nirvana – Nevermind – Deluxe Edition (Federazione Industria Musicale Italiana) (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  41. ネヴァーマインド<スーパー・デラックス・エディション> (em japonês). Oricon. Página visitada em 18 de abril de 2012.
  42. Nirvana – Nevermind – Deluxe Edition (Mexican Albums Chart) (em inglês). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  43. Nirvana - Nevermind (Recording Industry Association of New Zealand) (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  44. Nirvana – Nevermind (VG-lista) (em inglês). VG-lista. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  45. Nirvana – Nevermind (MegaCharts) (em inglês). MegaCharts. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  46. Nirvana – Nevermind – Deluxe Edition (Associação Fonográfica Portuguesa) (em inglês). Associação Fonográfica Portuguesa. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  47. Nirvana – Artist Chart History (em inglês). The Official Charts Company. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  48. Nirvana – Nevermind (Sverigetopplistan) (em inglês). Sverigetopplistan. Grammofon Leverantörernas Förening. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  49. Nirvana - Nevermind (Schweizer Hitparade) (em inglês). Schweizer Hitparade. Hung Medien. Página visitada em 10 de agosto de 2009.
  50. Mayfield, Geoff. (25 de dezembro de 1999). "1999 The Year in Music Totally '90s: Diary of a Decade – The listing of Top Pop Albums of the '90s & Hot 100 Singles of the '90s". Billboard.
  51. UOL (22 de junho de 2011). Nevermind ganhará re-edição. UOL Notícias. Página visitada em 22 de junho de 2011.
  52. Nevermind ganhará nova edição vinte anos após ser lançado. A Bola (22 de junho de 2011). Página visitada em 22 de junho de 2011.
  53. Luís Guerra (22 de junho de 2011). Nevermind ganhará uma re-edição vinte anos após o seu lançamento. Blitz. Página visitada em 22 de junho de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]