New Statesman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

New Statesman é uma revista britânica de conteúdo político publicada semanalmente em Londres. Fundada em 1913, e conectada com os principais membros da socialista Sociedade Fabiana, ela tem uma posição política de cunho centro-esquerdista.1 A revista se diz comprometida com o "desenvolvimento, os direitos humanos e o meio-ambiente, acontecimentos globais que a grande imprensa ocasionalmente ignora"2 .

Cquote1.svg

Desde que foi criado em 1913, este semanário que conquistou reputação pela qualidade dos seus analistas e pela pertinência dos seus comentários, é, por excelência, o fórum da esquerda britânica. No que toca a questões sociais, internacionais e de política social, o New Statesman, manifesta-se amiúde, e abre as suas colunas de opinião aos mais variados quadrantes.

Cquote2.svg
Presseurop2

O New Statesman teve uma média de circulação de 24.910 exemplares em 2012, um aumento de 1.000 cópias, em comparação com o ano anterior.3

Origens[editar | editar código-fonte]

O New Statesman foi fundada em 1913 por Sidney e Beatrice Webb, com o apoio de George Bernard Shaw e outros membros proeminentes da Sociedade Fabiana.4 Seu primeiro editor foi Clifford Sharp, que permaneceu editor até 1928. Durante os últimos dois anos de Sharp devido ele estar debilitado pelo alcoolismo crônico o jornal foi realmente editado por seu vice Charles Mostyn Lloyd. Este ficou após a partida da Sharp até à nomeação de Kingsley Martin como editor em 1930 - uma posição que Martin ocupou por 30 anos.

1930-1960: Kingsley Martin[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1930, Martin levou acentuadamente o Statesman à esquerda politicamente. Tornou-se fortemente antifascista e foi geralmente crítico da política do governo de apaziguamento de Mussolini e Hitler, embora não apoiando o rearmamento britânico. Foi também, notoriamente, um apologista da União Soviética de Joseph Stalin. Em 1938 Martin recusou publicar os despachos de George Orwell enviados de Barcelona durante a guerra civil espanhola, porque eles criticaram os comunistas por reprimirem os anarquistas e outros esquerdistas pertencentes ao Partido Operário de Unificação Marxista (POUM) durante as Jornadas de Maio. É um fato lamentável, Martin escreveu a Orwell, mas qualquer crítica hostil ao atual regime russo é susceptível de ser tomada como propaganda contra o socialismo.5 Martin também se recusou a permitir que o jornal publicasse comentários do livro anti-stalinista A Revolução Traída de Leon Trotsky.6 No entanto, Martin tornou-se mais crítico de Stalin após a invasão soviética da Finlândia.7

A circulação do Statesman cresceu enormemente sob a direção de Martin, atingindo 70.000 copias em 1945.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Press Gazette "Editing the 'Staggers': 'That we are still here after 99 years speaks for itself'", Press Gazette, 19 Julho 2012, acessado em 1 Novembro 2012.
  2. a b New Statesman | Presseurop - Português
  3. [1]"New Statesman , 14 fevereiro 2013. acessado em 10 março 2013.
  4. "From the archive: 9 April 1913: Launching the New Statesman" republished in The Guardian, Wednesday 9 April 2008.
  5. The Russia complex: the British Labour Party and the Soviet Union, por Bill Jones Google books
  6. Bashir Abu-Manneh, Fiction of the New Statesman, Lexington Books, 2011. ISBN 1611493528, (p. 169-70).
  7. Paul Corthorn, In the Shadow of the Dictators: the British Left in the 1930s. Tauris Academic Studies, 2006, ISBN 1850438439, (p. 215).


Ícone de esboço Este artigo sobre uma revista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.