New York Knicks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
New York Knicks
Temporada da NBA de 2013–14
Conferência Conferência Leste
Divisão Divisão do Atlântico
Fundado 1946
História New York Knicks
(1946–presente)
Arena Madison Square Garden
Cidade Manhattan, New York City, New York
Cores do time Azul, Laranja, Prata
              
Dono(s) James Dolan/The Madison Square Garden Company
General manager Steve Mills
Técnico Derek Fisher
Afiliado na D-League Erie BayHawks
Campeonatos 2 (1970, 1973)
Títulos de Conferência 8 (1951, 1952, 1953, 1970, 1972, 1973, 1994, 1999)
Títulos de Divisão 5 (1971, 1989, 1993, 1994, 2013)
Números retirados 9 (10, 12, 15, 15, 19, 22, 24, 33, 613)
Site oficial
Kit body knicks12h.png
Casa jersey
Kit shorts knicks12h.png
Team colours
Casa
Kit body knicks12a.png
Fora jersey
Kit shorts knicks12a.png
Team colours
Fora

O New York Knickerbockers[1] é um time de basquete da National Basketball Association. O time é tido como a franquia da NBA mais valiosa dos Estados Unidos, segundo a revista Forbes, estimado em aproximadamente 608 milhões de dólares.[2]

A franquia já pertenceu a empresa Gulf+Western (anos depois renomeada para Paramount Communications) e, em 1994, foi vendida para a Viacom. Mais tarde, em 1997, foi vendido novamente, desta vez para a empresa de televisão a cabo Cablevision, a quem pertenceu até o ano de 2010.[3] Atualmente a equipe pertence ao The Madison Square Garden Company.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Os Knicks, abreviação de Knickerbockers, é uma das duas franquias que está localizada em sua cidade sede desde a fundação da NBA (a outra é o Boston Celtics). A "Basketball Association of America" (Associação de Basquete da América) se fundiu com a "National Basketball League" (Liga Nacional de Basquete) em 1949 para formar a atual National Basketball Association.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

A primeira partida dos Knicks (ainda na BAA - Basketball Association of America) foi jogada em 1 de novembro de 1946 contra o Toronto Huskies em Toronto, com vitória para os Knicks por 68-66. O time, comandado pelo técnico Neil Cohalan, estava sempre presente nos playoffs daqueles primeiros anos. Durante a primeira década de existência da liga, os Knicks fizeram 3 finais da NBA seguidas (de 1951 à 1953), sendo muito respeitados por jogadores e fãs. No restante da década, apesar de não contar com times espetaculares, ainda teve aparições nos playoffs em 1955, 1956 (quando perderam por apenas uma partida para o Syracuse Nationals) e 1959.

Já de 1960 a 1966, os Knicks passaram por momentos difíceis, terminando em último na Conferência Leste durante esses anos. Uma das piores derrotas da franquia aconteceu durante essa época, sendo derrotada pelo Los Angeles Lakers por incríveis 162-100. Outra derrota marcante aconteceu em 3 de março de 1962, contra o Philadelphia Warriors, quando Wilt Chamberlain anotou 100 pontos contra os Knicks, até hoje recorde individual em uma mesma partida na NBA.

Anos de Conquistas[editar | editar código-fonte]

Após alguns anos de campanhas ruins, os anos que estavam para vir guardavam a mais valiosa época da franquia. Em 1964, os Knicks escolheram Willis Reed, que no ano seguinte se tornaria o "Calouro do Ano" (Rookie of the Year). Ainda em 1965, tiveram novamente a chance da primeira escolha no draft e, assim, tiveram vantagens ao escolher Bill Bradley e Dave Stallworth.

Em 1967, logo após voltar aos playoffs desde 1959, Red Holzman assumiu como técnico do time. Com Holzman no comando, e contando com jovens promessas como Bill Bradley e Walt "Clyde" Frazier, o time chegou aos playoffs novamente em 1968. Na temporada seguinte, adquiriu Dave DeBusschere junto ao Detroit Pistons e conseguiu a boa campanha de 55 vitórias e apenas 27 derrotas na temporada regular. Nos playoffs, passou pela primeira rodada pelo Baltimore Bullets em três jogos, o que não acontecia desde 1953, só parando na final da Conferência Leste para o Boston Celtics.

Já na temporada 1969-1970, foi a vez de obter o recorde de 18 vitórias consecutivas e uma brilhante campanha na temporada regular com 60 vitórias e 22 derrotas. Após bater os Bullets nas semifinais de Conferência e o Milwaukee Bucks na final de divisão, era hora de encarar o Los Angeles Lakers nas finais da NBA.

Quando a série estava empatada em 2-2, os Knicks tiveram seu grande teste no jogo 5. Reed teve estiramento no músculo da perna direita ainda no primeiro quarto, ficando fora do resto da partida. Mesmo com sua ausência, a equipe de Nova York partiu para a histórica vitória, mesmo após estar perdendo por uma diferença de 16 pontos. Na partida seguinte, sem seu capitão Reed, os Knicks não suportaram o jogo ofensivo do Lakers, empatando a série em 3-3, e começando ali um dos momentos mais famosos da história da liga. Superando a dor da contusão, Reed foi para o jogo 7 mancando e anotou as primeiras duas cestas do time, suas únicas, devido a péssima condição física. Com essa atitude heróica, que serviu de inspiração para o restante do time, os Knicks venceram o jogo por 113-99, ganhando seu primeiro título da NBA.[5] Todo o time titular teve seus números aposentados pelo New York Knicks. As camisas de Walt Frazier (nº 10), Dick Barnett (12), o capitão Willis Reed (19), Dave DeBusschere (22) e Bill Bradley (24) estão suspenas no alto do Madison Square Garden. A cena de Reed adentrando a quadra mancando foi votado como o momento mais importante da história do ginásio.

O sucesso do time se manteve durante os próximos cinco anos. Após perder para os Bullets na final de conferência em 1971, o time ganhou em qualidade com a chegada de Jerry Lucas e Earl "The Pearl" Monroe, retornando as finais da liga no ano seguinte, mas foi derrotado na revanche pelo Lakers em cinco jogos. No ano seguinte, devolveu o resultado no Lakers, vencendo a final da NBA em cinco jogos e se sagrando, pela segunda vez, campeão da liga.[6] Na temporada 1973-1974 teve outra campanha impressionante, quando chegaram as finais de conferência mais uma vez, sendo derrotados pelos Celtics. Após essa temporada, Willis Reed anunciou sua aposentadoria e a sorte do time teve uma virada.

Anos Seguintes aos Títulos[editar | editar código-fonte]

A temporada 1974-1975, os Knicks tiveram um desempenho ruim com 40 vitórias e 42 derrotas, tendo um número maior de revezes dos últimos oito anos. Entretando, ainda alcançou os playoffs, sendo batido na primeira rodada pelo Houston Rockets. Após mais dois anos de fracassos, Holzman foi substituído pelo, agora técnico, Reed. Em seu primeiro ano comandando a equipe, conseguiu um bom desempenho de 43-39 (vitórias-derrotas) na temporada regular e levando o time até as semifinais da Conferência Leste, quando perderam para o Philadelphia 76ers. No ano seguinte, depois de estar com a campanha de 6-8, Holzman voltou ao comando do time no lugar de Reed, mas com a falta de reação, o final da temporada terminou em 31-51, pior desempenho em trinta anos.

Depois de fazer 39-43 na temporada 1979-1980, o time voltou a se encontrar no ano posterior, com 50-32. Porém, foi batido pelo Chicago Bulls, o que levou a aposentadoria do técnico Holzman na temporada seguinte como um dos mais vitoriosos da história da NBA. Seu desempenho no último ano foi de 33-49 na temporada regular. Mas seu legado foi mantido pelos jogadores que comandou. Um dos especialistas em defesa do banco dos Knicks durante a década de 1970, Phil "Action" Jackson, anos depois se tornou o vitorioso técnico do Chicago Bulls de Michael Jordan e do Los Angeles Lakers de Kobe Bryant, como técnido que mais títulos tem da liga ao lado de Red Auerbach em todos os tempos.

Hubie Brown assumiu como técnido, substituindo o lendário Holzman, e em sua primeira temporada conseguiu uma campanha de 44-38, levando o time a segunda rodada dos playoffs, quando foi derrotado pelo futuro campeão da temporada, Philadelphia 76ers. Na segunda temporada do técnico, outra boa campanha de 47-35 com a aquisição de Bernard King, voltando aos playoffs. Na primeira rodada, bateu o Detroit Pistons com uma cesta na prorrogação no quinto e decisivo jogo da série. Mas foi batido na rodada posterior pelo Celtics. A sorte voltou a virar para o time novamente, quando perdeu os últimos 20 jogos na temporada seguinte, ficando com a campanha de 24-58. A primeira dessa sequência de derrotas aconteceu em 23 de março de 1985, quando o principal jogador do time, Bernard King, contundiu seriamente o joelho, ficando em reabilitação pelos próximos 24 meses. Alguns acreditaram se tratar do fim de sua carreira, mas ele deu a volta por cima e só se aposentou anos mais tarde, na temporada 1986-1987.

A Era Patrick Ewing[editar | editar código-fonte]

Como resultado da má campanha em 1985, o time pode fazer a primeira escolha no draft do ano seguinte, com bastante sorte pela primeira vez na loteria do draft. E como escolha, selecionou o pivô Patrick Ewing, da Universidade de Georgetown.

Já em sua temporada de estréia, foi o líder em pontos (com média de 20 por jogo) e rebotes (9 por jogo) entre os novatos do ano, levando também o prêmio de Calouro do Ano da NBA (NBA Rookie of the Year Award). Mas o time ainda ia mal, com 23-59 na primeira e 24-58 na segunda temporada de Ewing.

Mas novamente a sorte sorriu para a franquia com a chegada do técnico Rick Pitino e com a escolha de Mark Jackson no draft, em 1987. Nessa temporada, os Knicks chegaram aos playoffs após uma temporada regular com 38-44, mas caíram novamente diante do Celtics na primeira rodada. Na temporada seguinte, as coisas ficaram ainda melhores com a troca de Bill Cartwright pelo ala-pivô Charles Oakley ainda antes do início dos jogos, o que possibilitou uma campanha de 52-30 e o primeiro título de Divisão em vinte anos. Nos playoffs, após baterem os 76ers na primeira rodada, caíram diante do Chicago Bulls nas semifinais de Conferência.

Antes do começo da temporada 1989-1990, importantes mudanças ocorreram. Pitino saiu do time para comandar o time de basquete da Universidade de Kentucky e Stu Jackson assumiu em seu lugar. Com campanha de 45-37, o time finalmente bateu o rival Celtics na primeira rodada dos playoffs, vencendo os últimos 3 jogos após sair perdendo por 0-2. A derrota na rodada seguinte para os futuros campeões Detroit Pistons foi inevitável. Em 1990-1991, após John McLeod assumir como técnico e ter uma campanha de 39-43 na temporada regular, o time perdeu nos playoffs para o campeão daquela temporada, os Bulls.

Sentindo que o time precisava de um técnico com mais experiência, o presidente da franquia à época, Dave Checketts, contratou Pat Riley, em 1992. O técnico dos títulos da década de 1980 dos Lakers implantou um sistema de jogo duro, com defesa agressiva e deu o estímulo que a equipe precisava. O time, agora com o ídolo dos torcedores John Starks, conseguiu uma campanha de 53 vitórias e 31 derrotas, suficiente para ser o primeiro na Divisão do Atlântico. Após bater os Pistons na primeira rodada, caiu novamente diante dos Bulls em 7 jogos.

Os anos de 1992-1993 provaram o sucesso do time, com a melhor campanha na Divisão do Atlântico novamente, em 60-22. Nesse ano, após a temporada regular, Mark Jackson foi negociado para o Los Angeles Clippers em troca de Charles Smith, Doc Rivers, e Bo Kimble, além de contarem com Rolando Blackman, que veio do Dallas Mavericks. Na final de Conferência, encontraram novamente o Chicago Bulls de Jordan e, após liderar a série por 2-0, acabaram perdendo os quatro jogos seguintes e sendo eliminados de novo.

Com a (primeira) aposentadoria de Michael Jordan na temporada 1993-1994, muitos acharam que seria a hora dos Knicks conseguirem finalmente a passagem para as finais da NBA. O time, com a aquisição de Derek Harper no meio da temporada vindo do Dallas Mavericks, novamente foi o melhor da Divisão do Atlântico, mantendo a boa campanha com um 57-25. Nos playoffs, o time conseguiu o recorde de 25 jogos realizados (batido recentemente em 2008 pelo Celtics). Primeiro, encarou o rival vizinho New Jersey Nets e, finalmente, venceram os Bulls na segunda rodada. Na final da Conferência Leste, o adversário era o Indiana Pacers, que chegou a liderar a série por três jogos a dois, graças principalmente a Reggie Miller, que anotou 25 pontos no quarto período do jogo cinco para dar a vitória a seu time. Porém, os Knicks conseguiram vencer os dois próximos jogos para voltar as finais da NBA desde 1973. Na grande final, diante do Houston Rockets e após perder os dois primeiros jogos no Texas, a equipe venceria dois fora, de três jogos no Madison Square Garden e ficava a apenas um jogo do título da liga em 21 anos. Entretanto, no jogo 6, a tentativa no último segundo de Starks para dar a sonhada vitória foi bloqueada por Hakeem Olajuwon, dando a vitória aos Rockets por 86-84 e forçando o jogo 7. A trágica partida final, quando Starks acertou apenas 2 de 18 tentativas de arremesso e a relutância de Riley em colocá-lo no banco, culminaram na vitória dos Rockets por 97-95, apesar das boas atuações de Rolando Blackman e Hubert Davis, após entrarem em quadra.

A temporada seguinte, depois de ficar em segundo na Divisão do Atlântico com 57-27, os Knicks passaram pelo Cleveland Cavaliers na primeira rodada e encontraram o Pacers novamente nos playoffs. O tom do confronto entre Knicks e Pacers foi dado logo na primeira partida, quando Miller anotou incríveis 8 pontos nos últimos 8 segundos do jogo, para dar vitória ao seu time de 107-105. A série chegou ao jogo 7, quando a jogada de Ewing para empatar a partida foi perdida, dando a vitória aos Pacers de novo por 97-95. Riley pediu demissão no dia seguinte a derrota, e os Knicks contrataram Don Nelson como novo técnico.

Durante a temporada 1995-1996, Nelson foi demitido depois de muita pressão após 59 jogos e, em seu lugar, assumiu o assistente técnico de muitos anos da franquia, Jeff Van Gundy, apesar de não ter experiência como técnico principal. A equipe conseguiu 47-35 naquele ano, batendo os Cavaliers na primeira rodada dos playoffs, mas caindo em cinco jogos novamente diante dos Bulls, campeões daquele ano (com o recorde de 72 vitórias na temporada regular).

Em 1996, o time começava o ano com jogadores como Larry Johnson e Allan Houston, conquistando a boa campanha de 57-25. Nos playoffs, bate o Charlotte Hornets na primeira rodada e encara o Miami Heat, comandado por Pat Riley, na segunda. Chegando a liderar a série por 3-1, uma confusão no final da partida 5 suspende vários jogadores. Vários jogadores foram suspensos, em especial Ewing que não participou da briga em si, mas foi suspenso por violar uma regra da NBA de que um jogador não poderia deixar o banco de reservas mediante uma briga (que resultou na criação da regra de limitação da "área do banco de reservas", de onde nenhum jogador que não está em quadra pode sair). Sem Ewing e Houston no jogo 6 e Johnson e Starks no jogo 7, além de Charlie Ward suspenso de ambos, os Knicks perderam polêmica série.

A contusão de Ewing em 22 de dezembro, e sua consequente falta no restante da temporada e parte dos playoffs, marcou a temporada 1997-1998. Com campanha de 43-39, venceu o rival Heat na primeira rodada e encontrou outra vez com o Pacers na segunda. Ewing conseguiu voltar no jogo 2 da série. Mas a equipe de Indiana venceu em cinco jogos sem maiores dificuldades, com Reggie Miller sendo o carrasco dos Knicks novamente, marcando uma cesta de três pontos faltando apenas 5.1 segundos no jogo 4. Pelo quarto ano consecutivo, a equipe de Nova York era eliminada na segunda rodada dos playoffs.

A história mudava na temporada 1998-1999, quando os Knicks trocaram Starks por Latrell Sprewell com o Golden State Warriors (cujo contrato foi rescindido após o jogador se desentender com o técnico P. J. Carlesimo antes do início da temporada) e a troca de Charles Oakley por Marcus Camby. Com campanha de 27-23 (encurtada devido a greve dos jogadores aquele ano, atrasando o início da liga), o time chegava aos playoffs na última posição da Conferência Leste e desacreditado. Com cesta decisiva de Allan Houston faltando apenas 0.8 segundos para o término da partida 5, o time batia o Miami Heat. Era apenas a segunda vez que o classificado na posição número oito na temporada regular derrotava o time de melhor campanha antes dos playoffs. Depois de passar rapidamente pelo Atlanta Hawks por 4-0, o time chegava a decisão da Conferência contra os Pacers. Mesmo com a contusão de Ewing no jogo 3, o New York Knicks vence a série, com destaque para jogada de quatro pontos (cesta de três mais falta) de Larry Johnson nos segundos finais do jogo 3. Era a primeira vez que o oitavo colocado da temporada regular de uma Conferência estava na final da NBA. Mas na final contra o San Antonio Spurs, das estrelas David Robinson e Tim Duncan, o time não suportou a falta de jogadores por contusão e perdeu o título em cinco partidas. Fato marcante aconteceu na partida cinco, quando o duelo entre Duncan e Sprewell foi decidido com um grande salto de Avery Johnson para impedir a cesta faltando 10 segundos para o fim da partida, dando o título a equipe do Texas.

Ewing se despediu do time na temporada 1999-2000, com campanha de 50-32 durante a temporada regular. Após vitória histórica contra o rival Miami Heat em 7 jogos, com enterrada de Ewing faltando apenas um minuto para o fim do jogo 7, dando a vitória ao time por 1 ponto, os Knicks estavam de volta a final. Mas a decisão da Conferência foi novamente contra o Pacers, dessa vez com vitória dos rivais em seis jogos. Ao final da temporada, Ewing é repassado ao Seattle SuperSonics em 20 de setembro de 2000, encerrando a era de maior sucesso da franquia nos playoffs mas sem o desejado título da liga.

Declínio na Era Pós-Ewing[editar | editar código-fonte]

Em sua primeira temporada depois da saída de Ewing, o time mantém a boa campanha na temporada regular, com 48-34. Mas nos playoffs, cai diante do Toronto Raptors já na primeira rodada, fato que não acontecia em uma década.

Não demorou para começar o declínio. Mesmo com início de 10-9 na temporada regular, o time é surpreendido com a saída repentina de Van Gundy do comando, para dar lugar a Don Chaney, a anos como assistente técnico. A temporada termina com a pífia campanha de 30-52 e, pela primeira vez desde a temporada 1986-1987, Nova York não estaria presente na pós-temporada da NBA.

A temporada 2001-2002 começa com as negociações de "free agents" (jogadores livres de contrato que podem assinar com qualquer time). As escolhas dos armadores Shandon Anderson e Howard Eisley, ambos sem experiência e com contratos longos,[7] resulta em muitas críticas de especialistas e fãs, nem tanto pelas atuações medianas dos jogadores, mas pelos voluptuosos contratos que geram problemas com o "salary-cap".[8] Os altos valores dos contratos e a dificuldade em trocas com esse jogadores, resultam em anos ruins para o time. A temporada seguinte é marcada pela escolha do brasileiro Maybyner Rodney Hilário, o "Nenê", como sétima escolha do draft, mas negociado em seguida com o Denver Nuggets e pela péssima campanha de 37-45 e nova decepção pela ausência nos playoffs pela segunda temporada consecutiva.

Chegada de Isiah Thomas e Stephon Marbury[editar | editar código-fonte]

New York Knicks vs Orlando Magic

Após o péssimo início de temporada com 15-24 na temporada 2003-2004, os Knicks passam por profunda mudança. Isiah Thomas é nomeado o novo presidente da franquia em 22 de dezembro de 2003 no lugar de Scott Layden e, eventualmente, substituindo Don Chaney por Lenny Wilkens. Ao mesmo tempo, Thomas orquestra algumas trocas que resultam na chegada de Stephon Marbury. Apesar da classificação para os playoffs com 39-43, é batido logo na primeira rodada pelo New Jersey Nets.

Wilkens rescinde o contrato de técnico no meio temporada 2004-2005, que termina com 33-49 comandado por Herb Williams. Durante as férias, a franquia acerta com Larry Brown um contrato de 50 milhões, esperando que volte aos playoffs.

Com o teto salarial mais alto da liga, batendo os 130 milhões de dólares, mas com um dos piores times da liga, a temporada termina com decepcionantes 23-59 e a demissão de Larry Brown.[9] A temporada 2006-2007 não melhora muito, com campanha fraca, com o time perdendo a chance de ir aos playoffs novamente na última semana da temporada regular. Essa temporada fica marcada pela briga generalizada em 16 de dezembro de 2006 no Madison Square Garden com os jogadores do Denver Nuggets, resultando na suspensão de vários jogadores.[10]

Isiah Thomas é constantemente criticado em sua administração, por trazer jogadores caros como Stephon Marbury, Jamal Crawford, Jerome James (assinado como free agent), Malik Rose, Jalen Rose, e Steve Francis, aceitando contratos ruins em trocas e elevando o teto salarial da equipe, que fica impedida de fazer boas negociações nas aberturas de mercado da liga. Isso gera protestos da torcida dentro e fora do ginásio, principalmente na Internet. Uma marcha foi realizada no Madison Square Garden, local onde tradicionalmente é organizado o draft da NBA, contra a administração da franquia.

A temporada de 2007-2008 é marcada pelas vaias e pedidos de demissão em coro dos torcedores no Madison Square Garden contra Isiah Thomas, agora acumulando as funções de técnico e gerente geral do time. Nessa temporada acontece uma das piores derrotas da história da franquia para o Boston Celtics, com placar final de 104-59, sendo essa a terceira maior diferença de pontos da história da liga.

Temporada Atual[editar | editar código-fonte]

Na atual temporada de 2012/2013 temos a Era Anthony no auge com o time fazendo uma campanha com 50 vitórias, coisa que não acontecia desde 1994, Carmelo Anthony segue como líder da liga em pontos e o time vence a divisão do atlântico.

Arena / Ginásio[editar | editar código-fonte]

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

New York Knicks
Jogadores Comissão Técnica
Pos. # País Nome Altura Peso Universidade
G 0 EUAEstados Unidos Shane Larkin 715 ft 11 in 1 80 m 176 lb 80 kg Miami (FL)
F/C 1 EUAEstados Unidos Amar'e Stoudemire (C) 836 ft 11 in 2 11 m 245 lb 111 kg Cypress Creek HS (FL)*
G 3 ESPEspanha José Calderón 756 ft 3 in 1 91 m 211 lb 96 kg Spain
F 4 EUAEstados Unidos Quincy Acy 796 ft 7 in 2 01 m 225 lb 102 kg Baylor
G 5 EUAEstados Unidos Tim, Jr. Hardaway 786 ft 6 in 1 98 m 205 lb 93 kg Michigan
F 6 EUAEstados Unidos Travis Wear 826 ft 10 in 2 08 m 230 lb 104 kg UCLA
F 7 EUAEstados Unidos Carmelo Anthony (INJ) (C) 806 ft 8 in 2 03 m 235 lb 107 kg Syracuse
G/F 8 EUAEstados Unidos J. R. Smith 786 ft 6 in 1 98 m 220 lb 100 kg St. Benedict's Prep (NJ)*
G 9 ARGArgentina Pablo Prigioni 756 ft 3 in 1 91 m 185 lb 84 kg Argentina
C 11 HTIHaiti Samuel Dalembert 836 ft 11 in 2 11 m 250 lb 113 kg Seton Hall
F/C 14 EUAEstados Unidos Jason Smith 847 ft 0 in 2 13 m 240 lb 109 kg Colorado State*
F 17 EUAEstados Unidos Cleanthony Early 806 ft 8 in 2 03 m 219 lb 99 kg Wichita State*
G/F 21 EUAEstados Unidos Iman Shumpert 776 ft 5 in 1 96 m 220 lb 100 kg Georgia Tech
C 45 EUAEstados Unidos Cole Aldrich 836 ft 11 in 2 11 m 245 lb 111 kg Kansas
F/C 77 ITAItália Andrea Bargnani (INJ) 847 ft 0 in 2 13 m 250 lb 113 kg Italy
Técnico
Técnicos assistentes

Legenda
  • (C) Capitão
  • (D) Escolhido no Draft
  • (FA) Free agent
  • (IN) Inativo
  • (S) Suspenso
  • (DS) Liga de desenvolvimento
  • (INJ) Contundido

Elenco
• Última atualização: 09-12-2014

Hall da Fama do Basquete[editar | editar código-fonte]

New York Knicks Hall da Fama do Basquete
Players
Nome Posições Temporadas Ano da eleição Nome Posições Temporadas Ano da eleição
6 Tom Gola G/F 1962–1966 1976 10 Walt Frazier PG 1967–1977 1987
11 Harry Gallatin F/C 1948–1957 1991 15 Earl Monroe G 1972–1980 1990
15 Dick McGuire G 1949–1957 1993 19 Willis Reed C 1964–1974 1982
22 Dave DeBusschere PF 1969–1974 1983 24 Bill Bradley SF/SG 1967–1977 1982
32 Jerry Lucas C 1971–1974 1980 33 Patrick Ewing C 1985–2000 2008
Management
Número Nome Posições Temporadas Ano de eleição Número Nome Posições Temporadas Ano de eleição
613 Red Holzman Treinador 1967–1977, 1978–1982 1986 Hubie Brown Treinador 1982–1986 2005
Larry Brown Treinador 2005–2006 2002 Pat Riley Treinador 1991–1995 2008
Lenny Wilkens Treinador 2004–2005 1998

Números aposentados[editar | editar código-fonte]

New York Knicks números aposentados
Jogador Posição Época que jogou N° aposentado
10 Walt Frazier G 1967–77 December 15, 1979
12 Dick Barnett G 1965–74 March 10, 1990
15 Earl Monroe G 1972–80 March 1, 1986
Dick McGuire G 1949–57 March 14, 1992
19 Willis Reed C 1964–74 October 21, 1976
22 Dave DeBusschere F 1969–74 March 24, 1981
24 Bill Bradley F 1967–77 February 18, 1984
33 Patrick Ewing C 1985–2000 February 28, 2003
613 Red Holzman 1967–77, 1978–82 March 10, 1990

Premiações Individuais[editar | editar código-fonte]

Trajetória Ano a Ano[editar | editar código-fonte]

Principais Títulos[editar | editar código-fonte]

Mundiais[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

  • Campeonatos da NBA: 2 vezes - 1969/1970, 1972/1973
  • 8 Títulos de Conferência
  • 4 Títulos de Divisão

[editar | editar código-fonte]

Design do logo primário[editar | editar código-fonte]

A versão atual do logo do Knicks foi criada em 1995, sendo uma versão moderna do antigo e tradicional logo chamado "roundball" usado desde 1964, onde uma bola de basquetebol da época, em couro e de cor escura (mais próxima do marrom) era usado junto com a inscrição "Knicks" acima. A nova versão traz as inscrições "New York Knicks" (com o "Knicks" maior e com mais destaque que as outras duas palavras) acima de uma bola de basquete com design atual e cor laranja sobre um triâgulo isósceles de ponta cabeça. Esse novo logo esteve presente nos shorts dos jogadores.

Outros designs[editar | editar código-fonte]

Os Knicks também usam um emblema circular, com as inscrições "NYK", inspirado no design das moedas utlizadas nos metrôs da cidade de Nova York. Do final dos anos 1960 até o início dos 1990, a franquia usou um logo laranja intercalado com as letras "NY" (com o mesmo design usado nas camisas do time de beisebol New York Yankees) em seus agasalhos e depois nos shorts (às vezes com a silhueta de uma maçã - um dos apelidos da cidade, "The Big Apple" ou "A Grande Maça"). Ainda é encontrado quando o time usa réplicas dos antigos uniformes.

Referências

  1. Página Oficial da franquia explicando o motivo do nome é um time de basquete profissional de Nova York, que joga na National Basketball Association (NBA).
  2. Ranking das franquias mais valiosas pela revista Forbes (em língua inglesa)
  3. #1 New York Knicks (em inglês) Forbes. Visitado em 5 de setembro de 2013.
  4. Cablevision Rises on Madison Square Garden Spinoff (Update2) (em inglês) Bloomberg. Visitado em 5 de setembro de 2013.
  5. Página Oficial sobre a história do jogo 7 da temporada 69-70 (em língua inglesa)
  6. Resumo e Estatísticas dos playoffs em 1973 (em língua inglesa)
  7. Estatísticas da temporada 2001-2002 (em língua inglesa)
  8. Explicação do funcionamento do salary-cap (em língua inglesa)
  9. Reportagem da revista Sports Illustrated sobre demissão de Larry Brown (em língua inglesa)
  10. Comunicado Oficial da NBA sobre briga envolvendo jogadores de Knicks e Nuggets em 2006 (em língua inglesa)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre New York Knicks