Newar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Neuaris. Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde abril de 2014)
Arte newar: Estatua em Bhaktapur
Casamento da etnia Newar
O templo de Pashupatinath

Os Newar´s ( Nepal Bhasa : नेवाः Newa (h) , Classical Nepal Bhasa : नेवार Newar ou नेवाल novação ) ( Nepali : नेवार जाति ) são os indígenas e os criadores da civilização histórica do Vale de Kathmandu no Nepal.[1] O vale e território envolvente têm sido conhecidos desde a antiguidade, como Nepal Mandala,[2] com seus limites em constante mutação ao longo da história.

Os Newars viveram no Vale de Kathmandu desde os tempos pré-históricos, e os imigrantes que chegaram em diferentes períodos da sua história, eventualmente, se fundiram com a população local, adotando sua língua e costumes.[1] Os Newars são uma comunidade linguística e cultural da maioria Tibeto-Burman e alguns da indo-arianos etnias. Eles são unidos por uma língua e cultura comum.[3] A linguagem comum é Bhasa Nepal ("Newari" de acordo com as estatísticas Nepalesas).[4]

Segundo o censo do Nepal de 2001, havia 1,245,232 Newars no país sendo o sexto maior grupo étnico da nação, o que representa 5,48% da população total.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A primeira dinastia "Newar", a dos "Lichhavi", criou a partir do século VI um reino que formou o núcleo original do Nepal de hoje. O período de esplendor Newar entretanto só começou no século XII , com a dinastia, Malla.[6]

Os Newar no Vale de Kathmandu criaram as três cidades que são agora património da UNESCO: Katmandu, Patan e Bhaktapur.[7] Durante todo o período entre o XII e o XVII século as cidade-estado foram alternado fases de colaboração e conflitos armados.

Na construção destas cidades, os Newar desenvolveram um estilo arquitetónico único e peculiar, que inclui as históricas praças (Durbar Square) de Katmandu, Patan e Bhaktapur como testemunho do seu estilo. Altamente valorizada pelos historiadores da arte é o estilo de janelas e frisos de madeira dos templos. Com, na maioria das vezes, cenas religiosas e eróticas.[8]

Os Newars são ambos budistas e hindus, e os historiadores acreditam que originalmente era prevalente entre eles o budismo, mas ao longo dos séculos eles absorveram uma forte influência hindu.[9]

Os Newars também criaram a sua própria cultura nos campos específicos da dança,[10] da música e da comida.[11]

O domínio Newar sobre o Nepal terminou em 1768 com a conquista de Kathmandu pelos soldados Gurkhas,[12] liderado por Prithvi Narayan Shah,[13] quando o Nepal foi unificado. Mesmo após a unificacão os Newars mantiveram uma considerável autonomia e influência na cultural e no comércio.

Ainda hoje vários festivais religiosos, budistas e hindu, são celebrados entre eles o "Punhi Gunhu", que dura nove dias e termina no dia do aniversário do deus Krishna.[14]

Os Newars vivem principalment no Nepal, mas há minorias na Índia e no Butão.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b von Furer-Haimendorf, Christoph. (1956). "Elements of Newar Social Structure". Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland. Page 15.
  2. Slusser, Mary (1982). Nepal Mandala: A Cultural Study of the Kathmandu Valley. Princeton University. ISBN 978-0-691-03128-6. Page vii.
  3. Malla, Kamal P. (1981). Linguistic Archaeology of the Nepal Valley: A Preliminary Report. Kailash - Journal of Himalayan Studies. Ratna Pustak Bhandar. Página visitada em 4 May 2011. Volume 8, Number 1 and 2, Page 18.
  4. Levy, Robert I. (1991). Nepal, the Kathmandu Valley, and Some History. Mesocosm: Hinduism and the Organization of a Traditional Newar City in Nepal. University of California Press. Página visitada em 22 May 2011 Page 34..
  5. Caste Ethnicity Population. Government of Nepal, National Planning Commission Secretariat, Central Bureau of Statistics. Página visitada em 1 May 2011. Page 1.
  6. Kathmandu Valley: Long Description. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. Página visitada em 15 May 2011.
  7. "Architectural jewels lost in haphazard urbanisation", 27 January 2012. Página visitada em 30 January 2012.
  8. Diwasa, Tulasi; Bandhu, Chura Mani and Nepal, Bhim (2007). The Intangible Cultural Heritage of Nepal: Future Directions. UNESCO Kathmandu Series of Monographs and Working Papers: No 14. UNESCO Kathmandu Office. Página visitada em 4 May 2011. Page 7.
  9. Vergati, Anne (2009). Image and Rituals in Newar Buddhism. Société Européenne pour l'Etude des Civilisations de l'Himalaya et de l'Asie Centrale. Página visitada em 30 May 2011.
  10. Charya Nritya and Charya Giti. Dance Mandal: Foundation for Sacred Buddhist Arts of Nepal. Página visitada em 28 April 2011.
  11. Löwdin, Per. "Food, Ritual and Society: A Study of Social Structure and Food Symbolism among the Newars", July 2002. Página visitada em 1 May 2011. Doctoral dissertation, Department of Culture Anthropology, University of Uppsala, Sweden.
  12. Giuseppe, Father (1799). Account of the Kingdom of Nepal. Asiatick Researches. London: Vernor and Hood. Página visitada em 29 May 2011. Pages 320-322.
  13. Vergati, Anne (July 1982). Social Consequences of Marrying Visnu Nārāyana: Primary Marriage among the Newars of Kathmandu Valley. Contributions to Indian Sociology. Página visitada em 2 June 2011. Page 271.
  14. Levy, Robert I. (1991). Biska: The Solar New Year Festival. Mesocosm: Hinduism and the Organization of a Traditional Newar City in Nepal. University of California Press. Página visitada em 22 May 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
  • Newar
  • Texto inicialmente baseado na tradução dos artigos « Newar » na Wikipédia em inglês e «Newar» na Wikipédia em francês.