Ngũgĩ wa Thiong'o

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ngũgĩ wa Thiong'o
Ngũgĩ wa Thiong'o a autografar a sua obra Wizard of the Crow, em Londres.
Nacionalidade Quénia Queniana
Data de nascimento 5 de janeiro de 1938
Local de nascimento Kamiriithu, Quénia
Ocupação Escritor
Página oficial http://www.ngugiwathiongo.com

Ngũgĩ wa Thiong'o (pronunciado [ŋɡoɣe wa ðiɔŋɔ]; nascido em 5 de janeiro de 1938[1] ) é um escritor queniano, que escreveu obras em língua inglesa e que posteriormente tem escrito em língua gĩkũyũ. A sua obra inclui novelas, peças teatrais, contos e ensaios, da crítica social à literatura infantil. É o fundador e editor da revista gĩkũyũ Mutiiri.

Em 1977, Ngũgĩ wa Thiong'o escreveu uma peça de teatro no seu Quénia natal que procurava libertar o processo teatral do que ele dizia ser "o sistema geral de educação burguês", ao encorajar a espontaneidade e a participação da audiência na execução da peça.[2] A peça não foi bem acolhida pelo autoritário regime queniano e o autor passou mais de um ano na cadeia.

A Amnistia Internacional tomou-o como prisioneiro de consciência, e o artista foi libertado da cadeia, saindo do país. Nos Estados Unidos, ensinou na Universidade de Yale durante alguns anos, e também na Universidade de Nova Iorque, nas áreas de "Literatura Comparada" e "Performance Studies". Ngũgĩ vê muitas vezes o seu nome nas listas de candidatos ao prémio Nobel da Literatura.[3] [4] [5]

Biografía[editar | editar código-fonte]

Ngũgĩ wa Thiong'o é o quinto da terceira de quatro esposas do seu pai Thiong'o wa Nducu. Frequentou uma escola presbiteriana da igreja escocesa antes de entrar em 1949 numa escola religiosa e nacionalista Karing'a; devido às pressões políticas no seu país, estudou no Uganda, na Universidade Makerere.

A sua prmeira novela Weep not Child, escrita em 1962 pouco antes da independência queniana aborda, através dos olhos de um jovem chamado Njoroge, as tensões entre brancos e negros, entre a cultura africana e a europeia, numa época (1952-1956) em que os revoltosos kikuyus, mais conhecidos como Mau Mau, se levantaram contra a autoridade britânica.

De volta ao Quénia, trabalhou como jornalista para The Nation, antes de investigar sobre Joseph Conrad para a Universidade de Leeds e a partir de 1967, foi dividindo atividade entre Quénia e Uganda, seguindo a carreira literária.

O ano que passou preso fê-lo radicalizar as ideias contra o governo do seu país, e exilar-se em Londres e na Califórnia.

Regressou ao Quénia em 31 de julho de 2004, após 22 anos de ausência (tinha jurado não regressar enquanto Daniel Arap Moi estivesse no poder). Uns dias depois, o escritor e a sua mulher foram atacados de noite no seu apartamento das Norfolk Towers. Quatro agressores com revólveres, machetes e uma tesoura de podar violaram a mulher de Ngũgĩ à sua frente. O escritor tentou defender-se e foi golpeado e queimado na face. Os atacantes foram posteriormente presos e colocados à disposição dos tribunais.[6]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Black Hermit, 1963 (teatro)
  • Weep Not, Child, 1964, Heinemann 1987, McMillan 2005
  • The River Between, Heinemann 1965, Heinemann 1989
  • A Grain of Wheat, 1967 (1992)
  • This Time Tomorrow , c. 1970
  • Homecoming: Essays on African and Caribbean Literature, Culture, and Politics, Heinemann 1972
  • A Meeting in the Dark (1974)
  • Secret Lives, and Other Stories, 1976, Heinemann 1992
  • The Trial of Dedan Kimathi (play), 1976
  • Ngaahika Ndeenda: Ithaako ria ngerekano (I Will Marry When I Want), 1977 (teatro)
  • Petals of Blood, (1977) Penguin 2002,
  • Caitaani mutharaba-Ini, 1980
  • Writers in Politics: Essays, 1981
  • Education for a National Culture, 1981
  • Detained: A Writer's Prison Diary, 1981
  • Caitaani mutharaba-Ini 1982
  • Barrel of a Pen: Resistance to Repression in Neo-Colonial Kenya, 1983
  • Decolonising the Mind: The Politics of Language in African Literature, 1986
  • Mother, Sing For Me, 1986
  • Writing against Neo-Colonialism, 1986
  • Njamba Nene na Mbaathi i Mathagu , 1986
  • Matigari ma Njiruungi, 1986
  • Njamba Nene na Chibu King'ang'i , 1988
  • Matigari, Heinemann 1989,
  • Bathitoora ya Njamba Nene , 1990,
  • Moving the Centre: The Struggle for Cultural Freedom, Heinemann, 1993
  • Penpoints, Gunpoints and Dreams: The Performance of Literature and Power in Post-Colonial Africa, (The Clarendon Lectures in English Literature 1996), Oxford University Press, 1998.
  • Mũrogi wa Kagogo, 2004
  • Wizard of the Crow, 2006
  • Something Torn and New: An African Renaissance, 2009[7]
  • Dreams in a Time of War: a Childhood Memoir, Harvill Secker, 2010

Referências

  1. Ngugi Wa Thiong’o: A Profile of a Literary and Social Activist. ngugiwathiongo.com. Página visitada em 2009-03-20.
  2. Ngugi wa Thiongo. Decolonising the mind: the politics of language in African literature. 1994, page 57-9
  3. Despite the Criticism, Ngugi is 'Still Best Writer'. 8 November 2010.
  4. Kenyan author sweeps in as late favourite in Nobel prize for literature. The Guardian. 5 October 2010.
  5. Ngugi wa Thiong'o: a major storyteller with a resonant development message. The Guardian. 6 October 2010.
  6. Tirthankar Chanda, « Le périlleux retour au pays de Ngugi wa Thiong’o », rfi.fr, 5 de setembro de 2004.
  7. Daily Nation, Lifestyle Magazine, June 13, 2009: Queries over Ngugi’s appeal to save African languages, culture

Ligações externas[editar | editar código-fonte]