Nicéforo Basilácio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nicéforo Basilaques)
Ir para: navegação, pesquisa
Follis de Nicéforo Basilácio, cunhada durante o seu breve reinado.

Nicéforo Basilácio (em grego: Νικηφόρος Βασιλάκιος/Βασιλάκης; transl.: Nikephoros Basilákios/Basilákes; em latim: Nicephorus Basilacius), que aparece frequentemente apenas como Basilácio, foi um general e aristocrata bizantino do final do século XI que, em 1078-1079, tentou derrubar o imperador Nicéforo III Botaniates e foi derrotado por Aleixo Comneno.

História[editar | editar código-fonte]

No caso que se seguiu à derrubada de Miguel VII Ducas, Nicéforo Basilácio, na época um duque do Tema de Dirráquio decidiu que a sua hora havia chegado. Ele se posicionou na Tessalônica e esperou pelo resultado do confronto entre outros dois candidatos ao trono, Nicéforo III Botaniates e Nicéforo Briênio, com o objetivo de rapidamente esmagar o já desgastado vitorioso.[1]

Suas forças consistiam principalmente de soldados veteranos francos, esclavenos (eslavos), albaneses e gregos. Sua confiança em suas próprias habilidades e na sua coragem o convenceram de que ele poderia rapidamente obter a vitória. Nicéforo III enviou seu melhor general, Aleixo Comneno para enfrentá-lo e Aleixo conseguiu aprisionar Basilácio num ataque noturno ao campo imperial, nas margens do rio Vardar, a uns trinta quilômetros de Tessalônica.[1] Derrotado, Basilácio fugiu para Tessalônica, que ele tentou defender, mas foi capturado por seus próprios soldados e entregue para Nicéforo III, que ordenou que ele fosse cegado.

Referências

  1. a b Finlay 1854, p. 58

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Finlay, George. History of the Byzantine and Greek Empires from 1057 - 1453. [S.l.]: William Blackwood & Sons, 1884. vol. 2.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.
  • Skoulatos, Basile. Les personnages byzantins de I'Alexiade: Analyse prosopographique et synthese. Louvain: Nauwelaerts, 1980.