Nicolas Bouvier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2010).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Bouvier em 1987.

Nicolas Bouvier (6 de março de 192917 de fevereiro de 1998) foi um escritor, viajante, iconógrafo e fotógrafo suíço.

Maiores Viagens[editar | editar código-fonte]

Khyber Pass (1953 - 1954)

Mesmo sem esperar pelo resultado dos seus exames Bouvier foi com o seu amigo Thierry Vernet num Fiat Topolino de viagem.( Ele soube que estava licenciado em Letras em Bombaim). Primeiro Destino: Jugoslávia. A viagem dura até Dezembro de 1954. Os dois foram até à Turquia, ao Irão e ao Paquistão e Thierry Vernet deixa o seu amigo em Khyber Pass/Estreito de Khyber. Bouvier continua sozinho, mas as suas palavras e os seus desenhos juntam-se alguns anos mais tarde para recontar esta viagem em "L'usage du monde". O peregrino encontra as palavras para se exprimir e os seus pés seguem-no fielmente: "Uma viagem não precisa de razões. Já é há muito uma razão por si própria. Alguém pensa que vai fazer uma viagem, mas a viagem é que o faz ou refaz". O livro tem sido descrito como uma viagem de auto-descoberta, por exemplo no "On the order of Robert M. Pirsig’s Zen and the Art of Motorcycle Maintenance". Mais tarde, em "The Paths of Halle-San:" Se não dermos o direito à viagem de nos destruir um pouco, podemos por isso ficar em casa."

Sri Lanka (1955)

Em companhia intermitente, Bouvier atravessa o Afeganistão, o Paquistão e a Índia, antes de chegar ao Ceilão. Aqui perde o seu chão: a solidão e o calor são o seu chão. Levar-lhe-ia 7 meses para deixar a ilha e quase trinta anos para se libertar do peso desta aventura com "Le Poisson-Scorpion", um conto mágico oscilando entre a luz e a sombra. Acaba com uma citação de Louis-Ferdinand Céline: "A maior derrota de todas é esquecer e especialmente a coisa que te derrotou."

Japão (1955-1956)

Depois do Ceilão parte para outra ilha: Japão. Ele encontra um país em mudança e volta uns anos mais tarde. Estas experiências levaram ao "Japon", que se transformou em "Chroniques Japonaises" depois de um terceiro sojurnem 1970 (Bouvier produziu alguns livros para o pavilhão suíço na Expo de Osaka) e houve depois uma completa re-edição. Ele diria deste país que "o Japão é uma aula de economia. Não é considerado bom ocupar muito espaço." Em "Chroniques Japonaises" ele mistura as suas experiências pessoais e re-escreve a história do Japão de uma perspectiva ocidental. É uma re-representação do longínquo oriente a partir de perspectivas ocidentais pessoais.

Irlanda (1985)

A partir de reportagens para um jornal das ilhas Aran, Bouvier escreveu "Journal d'Aran et d'autres lieux", um conto de viagens que escorrega às vezes para o supernatural, onde o viajante sofre de tifóide. Não é que se meta no meio da apreciação do ar das ilhas irlandesas, as quais "dilatam, tonificam, intoxicam, tornam mais leve e libertam na cabeça os espíritos animais, que de dão a jogos desconhecidos, mas divertidos. Conglomera as virtudes da champanhe, cocaína, cafeína, arrebatamento amoroso e o escritório de turismo comete um grande erro em esquecer isso nos seus prospectos."

Obras[editar | editar código-fonte]

  • L'Usage du monde, 1963, Payot poche, 1992
  • Japon, éditions Rencontre, Lausanne, 1967
  • Chronique japonaise, 1975, éditions Payot, 1989
  • Vingt cinq ans ensemble, histoire de la television Suisse Romande, éditions SSR, 1975
  • Le Poisson-scorpion, 1982, éditions Gallimard, Folio, 1996
  • Les Boissonas, une dynastie de photographes, éditions Payot, Lausanne, 1983
  • Journal d'Aran et d'autres lieux, éditions Payot, 1990
  • L'Art populaire en Suisse, 1991
  • Le Hibou et la baleine, éditions Zoé, Genève, 1993
  • Les Chemins du Halla-San, éditions Zoé, Genève, 1994
  • Comment va l'écriture ce matin?, éditions Slatkine, Genève, 1996
  • La Chambre rouge et autres textes, éditions Métropolis, 1998
  • Le Dehors et le dedans, éditions Zoe, Genève, 1998
  • Entre errance et éternité, éditions Zoé, Genève, 1998
  • Une Orchidée qu'on appela vanille, éditions Métropolis, Genève, 1998
  • La Guerre à huit ans, éditions Mini Zoé, Genève, 1999
  • L'Échappée belle, éloge de quelques pérégrins, éditions Métropolis, Genève, 2000
  • Histoires d'une image, éditions Zoé, Genève, 2001
  • L'Oeil du voyageur, éditions Hoëbeke, 2001
  • Charles-Albert Cingria en roue libre, éditions Zoé, Genève, 2005

Referências[editar | editar código-fonte]

  • "A Master Traveler (Nicolas Bouvier)", 'Paths to Contemporary French Literature', volume 1, by John Taylor, New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers, 2004, pp. 60–61.