Nicomedes I da Bitínia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nicomedes I (ca. 300 a.C. — ca. 255 a.C.) foi um rei da Bitínia. Filho e sucessor de Zipoetas.

Zipoetas, filho e herdeiro de Bas, viveu 76 anos e reinou por 48 anos, e tinha quatro filhos quando morreu.[1] Nicomedes, o filho mais velho, matou seus próprios irmãos.[1]

Durante a guerra entre Antíoco I Sóter, filho de Seleuco, e Antígono II Gónatas, filho de Demétrio, Nicomedes se aliou a Antígono.[1] Quando Antíoco atacou Nicomedes, este buscou aliados, dentre os quais Heracleia Pôntica enviou 13 trirremes.[1] As duas frotas se confrontaram, mas evitaram a batalha.[1]

Durante a invasão gaulesa da Grécia, quando os gauleses atacaram Bizâncio, Nicomedes fez um acordo com eles, para que eles cruzassem para a Ásia; eles haviam tentado cruzar várias vezes antes, sendo impedidos pelos bizantinos.[1] Pelo acordo, eles apoiariam Nicomedes e seus filhos, sendo aliados de seus aliados, e inimigos de seus inimigos.[1] Os gauleses tinham 17 líderes, os mais importantes sendo Leonório e Leotário; eles terminaram se estabelecendo na Galácia, a dividindo em três partes, uma para cada tribo: os trocmnos em Ancira, os tolistóbogos em Távio e os tectosages em Pessino.[1]

Nicomedes fundou a cidade de Nicomédia próxima de onde antes ficava Astaco, uma colônia de Mégara que havia sido atacada por seu trisavô Dédalo, pai de Boteiras, pai de Bas.[1]

Nicomedes tinha um filho do primeiro casamento, Zeilas, mas nomeou como herdeiros os filhos de sua segunda esposa, Etazeta, e como eles eram muito jovens, nomeou como guardiães Ptolemeu, Antígono, e os povos de Bizâncio, Heracleia Pôntica e Cius.[1] Zeilas, expulso do reino pelos esquemas de sua madrasta, estava exilado na Armênia, mas voltou e reivindicou o trono, com uma força dos gauleses da tribo Tolostobogii; como os bitínios queriam guardar o reino para os filhos mais novos de Nicomedes, arranjaram para que o irmão de Nicomedes se casasse com Etazeta.[1] Com ajuda dos guardiães, os bitínios resistiram ao ataque de Zeilas, e eles chegaram a um acordo.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l Memnon de Heracleia, Livros XIII e XIV, citado por Fócio, Biblioteca de Fócio [em linha]