Nigéria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nigeria)
Ir para: navegação, pesquisa
Federal Republic of Nigeria
República Federal da Nigéria
Bandeira da Nigéria
Brasão  República Federal da Nigéria
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Unity and Faith, Peace and Progress"
("Unidade e Fé, Paz e Progresso")
Hino nacional: "Arise, O compatriots"
("Levantem-se, ó compatriotas")
Gentílico: nigeriano(a)[1]

Localização  República Federal da Nigéria

Capital Abuja
9° 04' N 7° 29' E
Cidade mais populosa Lagos
Língua oficial Inglês
Governo República presidencialista
 - Presidente Goodluck Jonathan
 - Vice-presidente Namadi Sambo
Independência do Reino Unido 
 - Data 1 de outubro de 1960 
Área  
 - Total 923 768 km² (31.º)
 - Água (%) 1,4
 Fronteira Níger (N), Chade (L), Camarões (L e S), e
Benim (O)
População  
 - Estimativa de 2013 174 507 539[2] hab. (7.º)
 - Censo 2006 140 431 790 hab. 
 - Densidade 188,9 hab./km² (71.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2013
 - Total US$ 478,526 bilhões*[3]  (30.º)
 - Per capita US$ 2 827[3]  
PIB (nominal) Estimativa de 2013
 - Total US$ 292,028 bilhões*[3]  (38.º)
 - Per capita US$ 1 725[3]  
IDH (2013) 0,504 (152.º) – baixo[4]
Gini (2010) 48,8[5]
Moeda Naira (NGN)
Fuso horário (UTC+1)
 - Verão (DST) não observado (UTC+1)
Clima Tropical e semiárido
Org. internacionais ONU, OMC, UA, OCI, CEN-SAD, G15, D-8, OPEP, ZPCAS, G20 (países em desenvolvimento), Comunidade
das Nações
Cód. ISO NGA
Cód. Internet .ng
Cód. telef. +234
Website governamental http://www.nigeria.gov.ng/

Mapa  República Federal da Nigéria

Nigéria, oficialmente República Federal da Nigéria (em inglês: Federal Republic of Nigeria), é uma república constitucional federal que compreende 36 estados e o Território da Capital Federal, Abuja. O país está localizado na África Ocidental e compartilha fronteiras terrestres com a República do Benim a oeste; com Chade e Camarões a leste e com o Níger ao norte. Sua costa encontra-se ao sul, no Golfo da Guiné, no Oceano Atlântico.

Por muito tempo a sede de inúmeros reinos e impérios, o Estado moderno da Nigéria tem suas origens na colonização britânica da região durante final do século XIX a início do século XX, surgindo a partir da combinação de dois protetorados britânicos vizinhos: o Protetorado Sul e o Protetorado Norte da Nigéria). Os britânicos criaram estruturas administrativas e legais, mantendo as chefias tradicionais. O país tornou-se independente em 1960, mas mergulhou em uma guerra civil, vários anos depois. Desde então, alternaram-se no comando da nação governos civis democraticamente eleitos e ditaduras militares, sendo que apenas as eleições presidenciais de 2011 foram consideradas as primeiras a serem realizadas de maneira razoavelmente livre e justa.[6]

A Nigéria é muitas vezes referida como "o gigante da África", devido à sua grande população e economia.[7] Com cerca de 174 milhões de habitantes, é o país mais populoso do continente e o sétimo país mais populoso do mundo.[8] A nação africana é habitada por mais de 500 grupos étnicos, dos quais os três maiores são os hauçás, os igbos e os iorubás. O país é dividido ao meio entre cristãos, que em sua maioria vivem no sul e nas regiões centrais, e muçulmanos, concentrados principalmente no norte. Uma minoria da população pratica religiões tradicionais e locais, tais como as religiões igbo e iorubá.

O país tem sido identificado como uma potência regional no continente africano, com particular hegemonia sobre a África Ocidental.[9] [10] [11] Em 2013, o seu produto interno bruto (PIB) se tornou o maior da África, com mais de 500 bilhões de dólares, ultrapassando a economia da África do Sul e chegando ao posto de 26ª maior economia do mundo.[12] [13] Além disso, a dívida do país em relação ao PIB é de apenas 11%, 8% abaixo da taxa de 2012,[14] e estima-se que a Nigéria irá se tornar uma das 20 maiores economias do mundo por volta de 2050.[9] As reservas de petróleo nigerianas têm desempenhado um papel importante na crescente riqueza e influência do país. A Nigéria é considerada um mercado emergente pelo Banco Mundial[15] e está listado entre as economias chamadas de "Próximos Onze". A maior parte da população nigeriana, no entanto, ainda vive na pobreza absoluta.[16] O país é membro da Commonwealth, da União Africana, da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e das Nações Unidas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Nigéria" foi criado de uma fusão das palavras Niger (referente ao Rio Níger) e area (termo inglês para "área"), em contraste ao país Níger (colônia Francesa vizinha). Esse nome foi cunhado pela Flora Shaw, futura esposa do Barão Lugard, uma administradora colonial britânica, no final do século XIX. [carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Máscara de marfim da realeza do Império do Benim

O Império de Kanem-Bornu, próximo ao Lago Chade, dominou a parte norte da Nigéria por mais de 600 anos, prosperando como rota de comércio entre os bárbaros norte-africanos e o povo da floresta.

No começo do século XIX, Usman dan Fodio reuniu a maior parte das áreas do norte sob o controle de um império islâmico tendo como centro Sokoto. Ambos os reinos de Oyo, no sudoeste, e Benim, no sudeste, desenvolveram sistemas elaborados de organização política nos séculos XV, XVI e XVII.

Colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Até 1471, navios portugueses haviam descido o litoral africano até o delta do Rio Níger. Em 1481 emissários do rei de Portugal visitaram a corte do oba de Benim, com o qual mantiveram por um tempo laços estreitos, usufruindo de monopólio comercial até o fim do século XVI.[17]

Entre os séculos XVII e XIX, comerciantes europeus estabeleceram portos costeiros para o aumento do tráfico de escravos(prisioneiros de guerra das tribos africanas mais fortes e dominadoras regionais) para as Américas, concorrendo fortemente com os árabes neste comércio. O comércio de commodities substituiu o de escravos no século XIX.

A Compania Real do Níger foi criada pelo governo britânico em 1886 e, em 1900, criou os protetorados britânicos do Norte da Nigéria e do Sul da Nigéria. Estes protetorados foram fundidos em 1914, para formar a colônia da Nigéria.

República[editar | editar código-fonte]

Em resposta ao crescimento do nacionalismo nigeriano ao final da Segunda Guerra Mundial, o governo britânico iniciou um processo de transição da colônia para um governo próprio com base federal, concedendo independência total em 1960, tornando-se a Nigéria uma federação de três regiões, cada uma contendo uma parcela de autonomia (Norte, Leste e Oeste).

Soldados nigerianos em outubro de 2004, parte da UNAMID em Darfur, preparando-se para embarcar em um C-130 da Força Aérea dos Estados Unidos.

Em 1966, dois golpes sucessivos por diferentes grupos militares deixaram o país sob uma ditadura militar. Os líderes do segundo golpe tentaram aumentar o poder do governo federal, e substituíram os governos regionais por doze governos estaduais. Os igbos, grupo dominante etnicamente na região leste, declararam independência como a República de Biafra em 1967, iniciando uma sangrenta guerra civil que terminou com sua derrota.

Em 1975, um golpe pacífico levou Murtala Ramat Mohammed ao poder, que prometeu um retorno ao estado civil. Entretanto, ele foi morto em seguida, tendo como sucessor Olusegun Obasanjo. Uma nova constituição foi promulgada em 1977 e eleições foram realizadas em 1979, sendo ganhas por Shehu Shagari.

A Nigéria retornou ao governo militar em 1983, através de um golpe que estabeleceu o Supremo Conselho Militar como o novo órgão regulamentador do país. Depois das eleições de 1993, que foram canceladas pelo governo militar, o general Sani Abacha subiu ao poder. Quando ele morreu subitamente em 1998, Abdulsalami Abubakar tornou-se o líder do conselho, agora conhecido como o Conselho Provisório de Regulamentação. Ele anulou a suspensão da constituição de 1979 e, em 1999, a Nigéria elegeu Olusegun Obasanjo como presidente nas suas primeiras eleições em dezesseis anos. Obasanjo e seu partido também ganharam as turbulentas eleições de 2003.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da Nigéria

A Nigéria situa-se no Golfo da Guiné. As suas maiores cidades localizam-se nas terras baixas do sul. A parte central do país é composta por colinas e planaltos. A leste, na divisa com Camarões, encontra-se parte do planalto ou maciço de Adamawa (conhecidas como Montanhas Gotel, atingindo 2419 metros em Chappal Waddi, o ponto mais elevado do país). O norte consiste de terras baixas áridas. Os países limítrofes são o Benim, o Níger, o Chade e Camarões. Em tamanho, o país é um pouco maior que o estado brasileiro do Mato Grosso.

A floresta e os bosques ocorrem principalmente no terço sul do país, que é afetado por chuvas sazonais vindas do oceano Atlântico entre Junho e Setembro. À medida que se segue para norte, o país vai-se tornando mais seco e a vegetação mais semelhante à da savana. O terço norte do país inclui-se na região semiárida do Sahel, que marca o limite sul do deserto do Saara.

A Nigéria é dividida em três pelos rios Níger e Benue, que chegam ao país vindos de nordeste e noroeste e se vão juntar mais ou menos no centro, perto da nova capital, Abuja. Daí, o rio Níger acrescentado com água do Benue flui para sul até desaguar no mar num grande delta.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Densidade populacional da Nigéria.

O país mais populoso da África, a Nigéria, representa aproximadamente um quarto da população do Oeste Africano. Embora menos de 25% dos nigerianos sejam populações urbanas, pelo menos 24 cidades têm uma população de mais de 100.000 habitantes. A variedade dos costumes, línguas, tradições entre 389 grupos étnicos do país, oferece uma rica diversidade. É impossível indicar os montantes demográficos sobre a Nigéria, autoritariamente, pois os resultados dos censos nacionais foram contestados.

As Nações Unidas estimam que a população em 2005 era de 141 milhões, e previu que iria atingir os 289 milhões em 2050. A Nigéria tem uma grande taxa de fecundidade e um grande crescimento populacional. O Departamento de Recenseamento dos Estados Unidos estima que a população da Nigéria irá atingir 356 milhões em 2050 e 602 milhões em 2100, ultrapassando os próprios Estados Unidos como o terceiro país mais populoso do mundo.

A Nigéria é composta por mais de 250 grupos étnicos; as seguintes são as mais populosas e, politicamente, mais influentes: hauçá-fulani com 29%, yorubás com 20%, igbos com 20%, ijaw com 6,5%, kanuris com 4%, ibibios com 3,5%, annangs com 2,5%, tiv com 2,5%, efik com 2%. Estas percentagens são estimativas, com base no número de colonatos, incluindo o número de cidades, vilas e aldeias, com as informações fornecidas pelo serviço postal da Nigéria. Na ausência de um censo até à data, outros números da população não seguem procedimentos científicos. Só estes são cientificamente apoiados por liquidação de números fornecidos pelo governo. A língua oficial é o inglês.

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Religiões[editar | editar código-fonte]

Religiões na Nigéria (est. 2012)[20] [21] [22]
Religions Percent
Cristianismo
  
49,3%
Islamismo
  
48,8%
Outros
  
1,9%

A Nigéria é o lar de diversas religiões que tendem a concentrar-se regionalmente. Esta situação acentua diferenças regionais e étnicas e tem sido muitas vezes vista como uma fonte de conflito sectário entre a população.[23] Embora o país seja dividido igualmente entre seguidores do islamismo e do cristianismo (que predominam no norte e no sul, respectivamente), por toda a Nigéria há uma crença generalizada, embora suprimida por razões políticas, em práticas religiosas tradicionais locais.

Um relatório sobre religião e vida pública feito pelo Pew Research Center em dezembro 2012 afirmou que 49,3% da população nigeriana era cristã;[21] 48,8% era muçulmana;[22] e 1,9% era seguidora de religiões nativas e outras ou não eram afiliado a qualquer religião.[20] A pesquisa também previu que, em 2030, a Nigéria teria uma ligeira maioria muçulmana na população (51,5%).[24] Entre os cristãos, 24,8% são católicos, 74,1% são protestantes, 0,9 % pertencem a outras denominações cristãs e alguns de eles são cristãos ortodoxos.[25]

Dados da Association of Religion Data Archives (ARDA) de 2010 também informaram que 46,5% do total da população era cristã, ligeiramente maior do que a população muçulmana (45,5%), enquanto 7,7% eram membros de outros grupos religiosos.[26] De acordo com o The World Factbook da CIA, em 2001 cerca de 50% da população da Nigéria era muçulmana, 40% era cristã e 10% eram seguidores de religiões locais.[27]

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

O país é o lar de uma robusta rede de crime organizado, ativa principalmente no tráfico de drogas, principalmente no transporte de heroína da Ásia para a Europa e América; e de cocaína da América do Sul para Europa e África do Sul.[28] As várias "irmandades" nigerianas estão ativas tanto no crime organizado e na violência política, quanto ao proporcionar uma rede de corrupção dentro do sistema político do país. Como as irmandades têm amplas conexões com figuras políticas e militares importantes, eles acabam por oferecem a essas organizações criminosas uma rede de excelentes ex-seguidores. A Irmandade dos Vikings Supremos, por exemplo, se gaba do fato de doze dos membros da assembleia legislativa do estado de Rivers serem também seus seguidores.[29] Nos níveis mais baixos da sociedade, existem os chamados "area boys", que são gangues organizadas, principalmente ativas em Lagos, que se especializam em assaltos e no tráfico de drogas em pequena escala. De acordo com estatísticas oficiais, a violência das gangues na cidade de Lagos resultou na morte de 273 civis e de 84 policiais no período de agosto de 2000 a maio de 2001.[30]

Internacionalmente, a Nigéria é conhecida por um tipo de golpe bancário conhecido como "fraude nigeriana", que é praticada por indivíduos e organizações criminosas, principalmente através de correio eletrônico. Essas fraudes envolvem um banco nigeriano cúmplice e um fraudador, que tenta convencer a vítima a pagar quantias cada vez maiores em busca de obter um ganho ainda maior no final.[31]

A Nigéria também é permeada por corrupção política. O país é classificado no 143º lugar entre 182 países no Índice de Percepção de Corrupção de 2011, elaborado pela Transparência Internacional. Mais de 400 bilhões de dólares foram roubados do tesouro nacional por líderes nigerianos entre os anos de 1960 e 1999.[32]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

A Nigéria é uma república federal inspirada no modelo dos Estados Unidos,[33] com o poder executivo exercido pelo presidente e com conotações do modelo do Sistema Westminster na composição e gestão das casas superiores e inferiores da legislatura bicameral nacional. O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, sucedeu Umaru Musa Yar'Adua no cargo em 2010. O presidente preside tanto como chefe de Estado quanto como chefe do executivo nacional e é eleito por voto popular para um máximo de dois mandatos de quatro anos de duração cada.[2]

O poder do presidente é moderado por um Senado e por uma Câmara dos Representantes, que são combinados em um corpo bicameral chamado de Assembleia Nacional. O senado é um órgão com 109 lugares, com três membros de cada estado do país e um da região da capital, Abuja; os membros são eleitos por voto popular para mandatos de quatro anos. A câmara tem 360 assentos e o número de deputados por estado é determinado pela população.[2]

O etnocentrismo, o tribalismo, a perseguição religiosa e o patrimonialismo têm desempenhado um papel visível na política nigeriana, antes e depois da independência do país, em 1960. O nacionalismo também levou a movimentos separatistas ativos, tais como o MASSOB, a movimentos nacionalistas, como o Congresso Popular Oodua, o Movimento para a Emancipação do Delta do Níger e a uma guerra civil. Os três maiores grupos étnicos da Nigéria (hauçás, igbos e iorubás) mantiveram proeminência histórica na política local; a competição entre esses três grupos tem alimentado a corrupção e o suborno no sistema político do país.[34]

Como em muitas outras sociedades africanas, o patrimonialismo e a corrupção extremamente excessivos continuam a constituir grandes desafios para a Nigéria, sendo que fraudes eleitorais e outros meios de coerção são praticados por todos os principais partidos políticos para se manterem competitivos. Em 1983, foi julgado pelo instituto de política em Kuru que apenas as eleições de 1959 e 1979 testemunharam algum aparelhamento mínimo.[35]

Direitos humanos[editar | editar código-fonte]

Os registros sobre direitos humanos na Nigéria continuam a serem pobres e funcionários do governo, em todos os níveis, continuam a cometer abusos graves nessa área.[36]

Um soldado nigeriano na Libéria.

Segundo o Departamento de Estado dos Estados Unidos,[36] os problemas mais significativos dos direitos humanos no país são: execuções extrajudiciais e uso excessivo da força por parte das forças de segurança; impunidade para os abusos cometidos pelas forças de segurança; detenções arbitrárias; prisão preventiva prolongada; corrupção judicial e influência do poder executivo no poder judiciário; estupro, tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes dados a prisioneiros, detidos e suspeitos; condições adversas e de risco de vida nas prisões e centros de detenção; tráfico de seres humanos para fins de prostituição e trabalho forçado; violência social e assassinatos de policiais; trabalho infantil e abuso e exploração sexual de crianças; a mutilação genital feminina; violência doméstica; discriminação por orientação sexual, etnia, região e religião; restrições à liberdade de reunião, de movimento, de imprensa, expressão e de religião; violação do direito à privacidade; e simplificação do direito dos cidadãos de mudar o governo. Além disso, o casamento infantil continua a ser comum na Nigéria.[37] e estima-se de que 700 mil escravos existam no país.[38]

Sob o código penal islâmico da Charia, que se aplica aos muçulmanos em doze dos estados do norte do país, atos considerados como crimes, como o consumo de álcool, a homossexualidade, a infidelidade e o roubo, levam a penas severas, como amputação, apedrejamento e longas penas de prisão.[39]

Sob uma lei assinada no início de 2014, casais do mesmo sexo que se casam podem passar até 14 anos na prisão cada um. Testemunhas ou qualquer pessoa que ajude casais homossexuais a se casarem são condenadas a dez anos atrás das grades. O projeto de lei também pune "atos públicos de relacionamentos amorosos entre pessoas do mesmo sexo, direta ou indiretamente" e aqueles que forem considerados culpados por organizarem, comandarem ou apoiarem clubes, organizações e/ou reuniões homossexuais com uma pena de dez anos de prisão.[40]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Nigéria é um Estado federal constituído por 36 estados. A capital, Abuja, localiza-se no Território da Capital Federal que não pertence a nenhum estado. Os estados são subdivididos em 774 Áreas de Governo Local (LGAs).

Estados da Nigéria, há um total de 36 estados na Nigéria e Abuja, o território da capital federal.

Estados:

  1. Anambra
  2. Enugu
  3. Akwa Ibom
  4. Adamawa
  5. Abia
  6. Bauchi
  7. Bayelsa
  8. Benue
  9. Borno
  10. Cross River
  11. Delta
  12. Ebonyi
  1. Edo
  2. Ekiti
  3. Gombe
  4. Imo
  5. Jigawa
  6. Kaduna
  7. Kano
  8. Katsina
  9. Kebbi
  10. Kogi
  11. Kwara
  12. Lagos
  13. Nasarawa
  1. Níger
  2. Ogun
  3. Ondo
  4. Osun
  5. Oyo
  6. Plateau
  7. Rivers
  8. Sokoto
  9. Taraba
  10. Yobe
  11. Zamfara

Território da Capital Federal: Abuja


Economia[editar | editar código-fonte]

Lagos, uma das maiores cidades do mundo, com cerca de 21 milhões de habitantes[19]

A Nigéria é classificada como uma economia mista e um mercado emergente. O país já atingiu o nível de renda média-baixa de acordo com o Banco Mundial,[41] com a sua oferta abundante de recursos naturais e com setores financeiros importantes, como de telecomunicações, transportes e o mercado de ações da Bolsa de Valores Nigeriana, que é a segundo maior da África. O país está classificado em 30º lugar no mundo em termos de PIB (PPC) em 2012. A Nigéria é o maior parceiro comercial dos Estados Unidos na África subsaariana e fornece um quinto do seu petróleo (11% das importações de petróleo). O país tem o sétimo maior superávit comercial com os Estados Unidos em relação ao mundo. A Nigéria é o 50º maior mercado de exportação para os produtos estadunidenses e o 14º maior exportador de bens para norte-americanos. Os Estados Unidos também são os maiores investidores estrangeiros no país.[42] O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou um crescimento econômico de 9% em 2008, de 8,3% em 2009[43] [44] [45] e de 8% em 2011 para a economia da Nigéria.[46]

Anteriormente, o desenvolvimento econômico havia sido prejudicado por anos de ditadura militar, corrupção e má gestão governamental. A restauração da democracia e reformas econômicas posteriores conseguiram colocar com sucesso a Nigéria de volta no sentido de atingir seu potencial econômico pleno. Em 2013, a Nigéria ultrapassou a África do Sul como maior economia da África.[47] [48]

Principais setores[editar | editar código-fonte]

O vasto sistema nigeriano de produção de petróleo e gás natural no Delta do Níger

O país é o 12º maior produtor e o oitavo maior exportador de petróleo do mundo, além de ter as 10 maiores reservas provadas deste recurso. A Nigéria entrou para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 1971 e o produto desempenha um grande papel na economia local, respondendo por 40% do PIB e por 80% do orçamento do governo nigeriano. No entanto, a agitação por um melhor controle dos recursos no Delta do Níger, a principal região produtora de petróleo, levou a interrupções na produção e impede o país de exportar com 100% da capacidade.[49]

A Nigéria tem um dos mercados de mais rápido crescimento no setor de telecomunicações do mundo, sendo que os principais operadores de mercados emergentes (como MTN, Etisalat, Zain e Globacom) baseiam seus maiores e mais rentáveis centros no país.[50] O país tem um setor de serviços financeiros altamente desenvolvido, com uma mistura de bancos locais e internacionais, empresas de gestão de ativos, corretoras, seguradoras, fundos de private equity e bancos de investimento.[51]

O território nigeriano também tem uma grande variedade de recursos minerais subexplorados, que incluem gás natural, carvão, bauxita, tantalita, ouro, estanho, minério de ferro, calcário, nióbio, chumbo e zinco.[52] Apesar de possuir enormes depósitos desses recursos naturais, a indústria de mineração local ainda está em um estágio primário.

A agricultura costumava ser a principal fonte de divisas da Nigéria.[53] Ao mesmo tempo, o país era o maior exportador mundial de amendoim, cacau e óleo de palma, além de ser um importante produtor de cocos, frutas cítricas, milho, milheto, mandioca, inhame e cana-de-açúcar. Cerca de 60% dos nigerianos trabalham no setor agrícola e o país tem vastas áreas subutilizadas de terra arável.[54]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Crianças na escola em Ile-Ife, Nigeria

A Nigéria oferece um sistema educacional livre e sustentado pelo governo, mas a freqüência não é obrigatória em qualquer nível educacional e certos grupos, como os nômades e os deficientes, são sub-atendidos. O sistema de ensino é composto por seis anos de ensino primário, três anos do ensino secundário geral, três anos de escola secundária superior e quatro anos de ensino universitário que leva a um grau de bacharel. A taxa de frequência do ensino secundário é de 32% para o sexo masculino e de 27% para o sexo feminino. Em 2004, a Comissão de Planejamento Nacional da Nigéria descreveu o sistema educacional do país como "disfuncional". As razões para essa caracterização incluem instituições decadentes e graduados mal preparados.[55]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A Nigéria reorganizou seu sistema de saúde desde a Iniciativa Bamako de 1987, quando métodos baseados na comunidade foram formalmente promovidos para aumentar a acessibilidade de medicamentos e serviços de saúde à população, em parte, através da implementação de taxas moderadoras.[56] A nova estratégia aumentou drasticamente a acessibilidade para a comunidade através da reforma da saúde, o que resultou em uma prestação mais eficiente e equitativa dos serviços médicos. A estratégia de uma abordagem abrangente foi estendida a todas as áreas de assistência médica, com melhora posterior nos indicadores de saúde e melhoria na eficiência dos custos e dos cuidados de saúde.[57]

O sistema de saúde nigeriano é constantemente confrontado pela escassez de médicos, o que é conhecido como "fuga de cérebros", devido ao fato de que muitos médicos nigerianos altamente qualificados emigraram para a América do Norte e a Europa. Em 1995, estimava-se que 21 mil médicos nigerianos estavam trabalhando apenas nos Estados Unidos, o que é aproximadamente o mesmo que o número de médicos que trabalham no serviço público do país. Mantendo esses profissionais treinados foi identificado como uma das metas do governo.[58]

De acordo com estimativas de 2009, a prevalência do HIV/AIDS na Nigéria é de cerca de 3,6% da população adulta.[59] Apesar da baixa taxa de prevalência, o relatório da UNAIDS de 2011 indica que a Nigéria tem o segundo maior número de novas infecções por HIV em todo o mundo e não tem feito os investimentos necessários para combater a doença.[60]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

A indústria cinematográfica nigeriana é conhecida como "Nollywood" e é a segunda maior produtora de filmes do mundo. Muitos dos estúdios de cinema estão sediados em Lagos e Enugu e a indústria é agora uma renda muito lucrativa para essas cidades. O cinema nigeriano é a maior indústria de cinema do continente africano em termos de valor e em número de filmes produzidos por ano. Apesar dos filmes nigerianos serem produzidos desde a década de 1960, a melhora das tecnologias de filmagem e de edição digital de vídeo, que se tornaram mais acessíveis, estimulou a indústria cinematográfica do país. O nome Nollywood é do termo Hollywood, da mesma maneira como Bollywood.[61]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Feriados
Data Nome em português Observações
1 de outubro Dia da Independência Independência do Reino Unido (1960).

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos da Nigéria
  2. a b c Nigeria The World Factbook Central Intelligence Agency (United States).
  3. a b c d Nigeria Fundo Monetário Internacional. Visitado em 22 de outubro de 2013.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 3 de agosto de 2014.
  5. Gini Index Banco Mundial. Visitado em 2 de março de 2011.
  6. Nossiter, Adam. "Nigerians Vote in Presidential Election", 16 de abril de 2011. Página visitada em 17 de abril de 2011.
  7. Nigeria: Giant of Africa, by Peter Holmes 1987
  8. Library of Congress – Federal Research Division. (Julho de 2008). "Country profile: Nigeria".
  9. a b Nigeria is poised to become Africa's most powerful nation. Visitado em 28 de novembro de 2013.
  10. Nigeria West Africa Gateway. Visitado em 25 d 201e agosto de 2013.
  11. Nigeria. Visitado em 28 de novembro de 2013.
  12. Nigeria becomes Africa's largest economy. Visitado em 5 de abril de 2014.
  13. Nigerian Economy Overtakes South Africa’s on Rebased GDP. Visitado em 20 de abril de 2014.
  14. UPDATE 2-Nigeria surpasses South Africa as continent's biggest economy. Visitado em 26 de abril de 2014.
  15. Nigeria World Bank. Visitado em 28 de novembro de 2013.
  16. Kostbar, teuer und selten – das Erdöl aus Nigeria (em em alemão) Ngo-Online.de. Visitado em 18 de junho de 2009.
  17. Helen Chapin Metz, ed. Nigeria: A Country Study. Washington: GPO for the Library of Congress, 1991.
  18. Cities and urban areas in Nigeria with population over 100,000
  19. a b John Campbell. "This Is Africa's New Biggest City: Lagos, Nigeria, Population 21 Million", The Atlantic, 10 de julho de 2012. Página visitada em 23 de setembro de 2012.
  20. a b Pew Forum on Religion. Features.pewforum.org (18 December 2012). Retrieved on 9 October 2013.
  21. a b Regional Distribution of Christians. Pewforum.org (19 December 2011). Retrieved on 9 October 2013.
  22. a b Distribution of Muslims[ligação inativa]
  23. Osita Agbu (2004) Ethnic Militias and the Threat to Democracy in Post-Transition Nigeria, Nordic African Institute, ISBN 91-7106-525-3, p. 6.
  24. The Future of the Global Muslim Population. Pewforum.org (27 de janeiro de 2011). Acessado em 9 de outubro de 2013.
  25. Global Christianity Sortable Data Tables- Pew Forum on Religion & Public Life Features.pewforum.org (19 de dezembro de 2011). Visitado em 24 de julho de 2013.
  26. Religious Adherents, 2010 – Nigeria World Christian Database. Visitado em 28 de julho de 2013.
  27. Religions CIA World Factbook.
  28. Organized Crime: African Criminal Enterprises Federal Bureau of Investigation. Visitado em 7 de junho de 2011.
  29. "Cults of violence – How student fraternities turned into powerful and well-armed gangs", The Economist, 31 de julho de 2008. Página visitada em 7 de junho de 2011.
  30. Olukoya, Sam. "Crime war rages in Nigeria", BBC News, 20 de fevereiro de 2003. Página visitada em 7 de junho de 2011.
  31. Glickman, Harvey (2005). The Nigerian "419" Advance Fee Scams: Prank or Peril? Haverford College, Department of Political science. Visitado em 27 de maio de 2011. Cópia arquivada em 15 January 2005.
  32. "A Failure of Democracy in Nigeria", 'Time', 23 de abril de 2007.
  33. Charles Mwalimu. The Nigerian Legal System: Public Law. Peter Lang. 2005. Page 6.
  34. Rashid, Khadijat K. (September 2003) "Ethnicity and Sub-Nationalism in Nigeria: Movement for a Mid-West State/Ethnic Politics in Kenya and Nigeria/Federalism and Ethnic Conflict in Nigeria", African Studies Review, 46(2).
  35. Ibrahim, Jibrin (2006) "Legislation and the Electoral Process: The Third Term Agenda and the Future of Nigerian Democracy". Paper for Centre for Democracy and Development (CDD) Nigeria Roundtable.
  36. a b 2008 Human Rights Report: Nigeria 2008 Country Reports on Human Rights Practices United States, Department of State, Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor (25 de fevereiro de 2009). Visitado em 20 de março de 2009.
  37. "Nigeria's child brides: 'I thought being in labour would never end'", 'The Guardian', 9 de setembro de 2013.
  38. "30 million trapped in a life of slavery". The Scotsman. 18 de outubro de 2013
  39. Sub Saharan Africa, Nigeria Travel advice by country United Kingdom, Foreign & Commonwealth Office (20 de março de 2009). Visitado em 20 de março de 2009. Cópia arquivada em 2011-05-24.
  40. "Nigeria's president signs law imposing up to 14 years' jail for gay relationships'", 'The Guardian', 13 de janeiro de 2013.
  41. World Bank list of economies http: www.worldbank.org (Janeiro de 2011). Visitado em 27 de maio de 2011.
  42. Nigeria (07/08) State.gov. Visitado em 21 de novembro de 2008.
  43. IMF Survey: Nigeria Needs Sustained Reforms to Build on Success Imf.org. Visitado em 21 de novembro de 2008.
  44. Aminu, Ayodele (13 de abril de 2008). allAfrica.com: Africa: IMF Forecasts 9 Percent Growth for Nigeria (Page 1 of 1) Allafrica.com.
  45. Godwin, Atser (29 de fevereiro de 2008). The Punch: IMF predicts 9% GDP growth rate for Nigeria Punchng.com. Cópia arquivada em 2011-05-11.
  46. Odueme, Stella (9 de maio de 2011). RenCap projects 8% growth for Nigeria in 2011 Independentngonline.com. Visitado em 28 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de julho de 2011.
  47. Patrick McGroarty; Drew Hinshaw (07 de abril de 2014). Economia da Nigéria agora é a maior da África (em português) The Wall Street Journal. Visitado em 07 de abril de 2014.
  48. Reuters (06 de abril de 2014). Nigéria ultrapassa África do Sul como maior economia africana (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 07 de abril de 2014.
  49. Williams, Lizzie. Nigeria: The Bradt Travel Guide. [S.l.]: Bradt Travel Guides, 2008. p. 26. ISBN 1-84162-239-7 Visitado em 26 de dezembro de 2008.
  50. DeRouen, Karl R. and Bellamy, Paul. International Security and the United States: An Encyclopedia. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2008. p. 546. ISBN 0-275-99253-5 Visitado em 26 de dezembro de 2008.
  51. Lewis, Peter. Growing Apart: Oil, Politics, and Economic Change in Indonesia and Nigeria. [S.l.]: University of Michigan Press, 2007. p. 168. ISBN 0-472-06980-2 Visitado em 26 de dezembro de 2008.
  52. Safire, William. The New York Times Guide to Essential Knowledge: A Desk Reference for the Curious Mind. [S.l.]: Macmillan, 2007. p. 1093. ISBN 0-312-37659-6
  53. Ake, Claude. Democracy and Development in Africa. [S.l.]: Brookings Institution Press, 1996. p. 48. ISBN 0-8157-0220-5 Visitado em 26 de dezembro de 2008.
  54. Levy, Patricia. Nigeria. [S.l.]: Marshall Cavendish, 2004. p. 14. ISBN 0-7614-1703-6 Visitado em 26 de dezembro de 2008.
  55. Country profile: nigeria Library of CongressFederal Research Division (Julho de 2008). Visitado em 7 de junho de 2011.
  56. User fees for health: a background. Visitado em 28 de dezembro de 2006. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2006.
  57. Effect of the Bamako-Initiative drug revolving fund on availability and rational use of essential drugs in primary health care facilities in south-east Nigeria. Visitado em 28 de dezembro de 2006.
  58. Anekwe, Mike Chinedu (Abril de 2003). BRAIN DRAIN: THE NIGERIAN EXPERIENCE (1) Niger Delta Congress. Visitado em 7 de junho de 2011.
  59. CIA world factbook: HIV/AIDS – adult prevalence rate. Cia.gov. Acessado em 9 de abril de 2012.
  60. UNAIDS World AIDS Day Report 2011 (PDF) UNAIDS. Visitado em 8 de abril de 2012.
  61. "Nollywood: Lights, camera, Africa", The Economist, 18 de dezembro de 2010, pp. 85–88.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal Nigeria.jpg

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Flag-map of Nigeria.svg Nigéria
História • Política • Forças Armadas • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens