Nilto Maciel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Nilto Maciel Escritor brasileiro, nascido em Baturité/CE, em 30 de janeiro de 1945, faleceu em 29 de abril de 2014, em Fortaleza/CE.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará.

Morou em Brasília de 1977 a 2002, tendo trabalhado na Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal e Tribunal de Justiça do DF.

Em Fortaleza, foi um dos fundadores da revista O Saco (1976).

Editou, de 1992 a 2008, a revista Literatura.

Tem contos e poemas publicados em esperanto, espanhol, italiano e francês. O Cabra que Virou Bode foi transposto para a tela (vídeo), pelo cineasta Clébio Ribeiro, em 1993.

Organizou, com Glauco Mattoso, Queda de Braço — Uma Antologia do Conto Marginal (Rio de Janeiro/Fortaleza, 1977). Participa de diversas coletâneas, entre elas Quartas Histórias – Contos Baseados em Narrativas de Guimarães Rosa, org. por Rinaldo de Fernandes (Ed. Garamond, Rio de Janeiro, 2006); 15 Cuentos Brasileros/15 Contos Brasileiros, edición bilingüe español-portugués, org. por Nelson de Oliveira e tradução de Federico Lavezzo (Córdoba, Argentina, Editorial Comunicarte, 2007); e Capitu Mandou Flores, org. por Rinaldo de Fernandes (Geração Editorial, São Paulo, 2008).

Obra publicada[editar | editar código-fonte]

  • Itinerário, contos, 1.ª ed. 1974, ed. do Autor, Fortaleza, CE; 2.ª ed. 1990, João Scortecci Editora, São Paulo, SP.
  • Tempos de Mula Preta, contos, 1.ª ed. 1981, Secretaria da Cultura do Ceará; 2.ª ed. 2000, Papel Virtual Editora, Rio de Janeiro, RJ.
  • A Guerra da Donzela, novela, l.ª ed. 1982, 2.ª ed. 1984, 3.ª ed. 1985, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, RS.
  • Punhalzinho Cravado de Ódio, contos, 1986, Secretaria da Cultura do Ceará.
  • Estaca Zero, romance, 1987, Edicon, São Paulo, SP.
  • Os Guerreiros de Monte-Mor, romance, 1988, Editora Contexto, São Paulo, SP.
  • O Cabra que Virou Bode, romance, 1.ª ed. 1991, 2.ª ed. 1992, 3.ª ed. 1995, 4.ª ed. 1996, Editora Atual, São Paulo, SP.
  • As Insolentes Patas do Cão, contos, 1991, João Scortecci Editora, São Paulo, SP.
  • Os Varões de Palma, romance, 1994, Editora Códice, Brasília.
  • Navegador, poemas, 1996, Editora Códice, Brasília.
  • Babel, contos, 1997, Editora Códice, Brasília.
  • A Rosa Gótica, romance, 1.ª ed. 1997, Fundação Catarinense de Cultura, Florianópolis, SC (Prêmio Cruz e Sousa, 1996), 2.ª ed. 2002, Thesaurus Editora, Brasília, DF.
  • Vasto Abismo, novelas, 1998, Ed. Códice, Brasília.
  • Pescoço de Girafa na Poeira, contos, 1999, Secretaria de Cultura do Distrito Federal/Bárbara Bela Editora Gráfica, Brasília.
  • A Última Noite de Helena, romance, 2003. Editora Komedi, Campinas, SP.
  • Os Luzeiros do Mundo, romance, 2005. Editora Códice, Fortaleza, CE.
  • Panorama do Conto Cearense, ensaio, 2005. Editora Códice, Fortaleza, CE.
  • A Leste da Morte, contos, 2006. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Carnavalha, romance, 2007. Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Contistas do Ceará: D'A Quinzena ao Caos Portátil, ensaio, 2008. Imprece, Fortaleza, CE.
  • Contos reunidos (volume I), 2009. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Sôbolas Manhãs, 2014. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio da Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, 1981, com o livro de contos Tempos de Mula Preta;
  • Prêmio da Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, 1986, com o livro de contos Punhalzinho Cravado de Ódio;
  • Prêmio “Brasília de Literatura”, 90, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Distrito Federal, com A Última Noite de Helena;
  • Prêmio “Graciliano Ramos”, 92/93, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Estado de Alagoas, com Os Luzeiros do Mundo;
  • Prêmio “Cruz e Sousa”, 96, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina, com A Rosa Gótica;
  • Prêmio VI Prêmio Literário Cidade de Fortaleza, 1996,
  • Prêmio Fundação Cultural de Fortaleza, CE, com o conto Apontamentos Para Um Ensaio;
  • Prêmio “Bolsa Brasília de Produção Literária”, 98, categoria conto, com o livro Pescoço de Girafa na Poeira;
  • Prêmio "Eça de Queiroz", 99, categoria novela, União Brasileira de Escritores, Rio de Janeiro, com o livro Vasto Abismo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Antonio Miranda
  • Entrelinhas Tortas, por Nilto Maciel
  • Editora Thesaurus
  • Macedo, Dimas. Uma novela de Nilto Maciel, in Leitura e Conjuntura, Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, Fortaleza, 1984, 1.ª ed., e UFC/Casa de José de Alencar, Fortaleza, 1995, 2.ª ed. ver. amp.
  • Estaca Zero, in Ossos do Ofício, Editora Oficina, Fortaleza, 1992.
  • Contos Picarescos e Alegóricos, in Punhalzinho Cravado de Ódio, Secretaria de Cultura e Desporto, Fortaleza, CE, 1986.
  • Visão e Revisão das Letras Cearenses, in A Metáfora do Sol, Ed. Oficina, Fortaleza, CE, 1989.
  • Punhalzinho Cravado de Ódio, in Crítica Imperfeita, Imprensa Universitária da UFC, Fortaleza, CE, 2001.