Nome papal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lista dos papas, com os seus nomes pontifícios, na Cripta Vaticana da Basílica de São Pedro.

O Nome papal ou Nome pontifício é um nome formal utilizado pelos papas durante o seu pontificado, em detrimento do seu nome de batismo. Alguns monarcas desde a Idade Média também possuem um costume semelhante, adotando um nome de reinado. Esse costume remonta ao século VI e possui um importante significado simbólico.

História[editar | editar código-fonte]

Durante os primeiros séculos da Igreja, os primeiros bispos de Roma, continuaram a usar seus nomes de batismo, após as eleições. O costume de escolher um novo nome começou em 533 com a eleição de Mercúrio,[1] que decidiu que não seria apropriado para um papa portar o nome de um deus pagão romano e decretou que ele deveria ser chamado de João II. Desde o final do século X os papas tem habitualmente escolhido um novo nome durante o seu pontificado, no entanto, até o século XVI alguns pontífices usaram seus nomes de batismo. O último papa a usar seu nome de batismo foi Marcelo II em 1555.

Simbolismo[editar | editar código-fonte]

O nome do novo papa é visto como um sinal ao mundo de que atitudes e políticas marcarão seu pontificado, como por exemplo, Bento XVI, que possivelmente escolheu o nome Bento em homenagem ao último papa que adotou esse nome, o italiano Giacomo della Chiesa, entre 1914 e 1922, conhecido como o "Papa da paz", Bento XV tentou negociar a paz durante a Primeira Guerra Mundial. Além disso, Bento XVI sempre foi muito ligado espiritualmente ao mosteiro da beneditino de Schotten, perto de Ratisbona, na Baviera.

Nunca houve um Papa Pedro II, sendo que os bispos de Roma eleitos se abstém de escolher este nome, como parte da tradição de somente São Pedro, príncipe dos apóstolos, nomeado pelo próprio Cristo, deve ter essa honra. Isso pode ser observado pelo fato de que muitos papas tinham "Pedro" como seu nome de batismo, mas ao serem eleitos o mudaram, como por exemplo, Pedro Canepanova, que quando foi eleito papa no século X, escolheu o nome de João XIV. Também existe uma lenda, de acordo com algumas interpretações das profecias de São Malaquias, que Pedro II será o suposto nome que adotará o último papa.

Em 1978, o Cardeal Albino Luciani tornou-se o primeiro Papa a ter um nome duplo, ele tomou o nome de João Paulo I, para honrar seus dois antecessores imediatos – os Papas João XXIII e Paulo VI, e sua intenção de aplicar os decretos do Concílio Vaticano II. João Paulo I foi também o primeiro papa em quase 1.100 anos que escolheu um nome papal inédito desde o Papa Lando em 913. Depois de João Paulo I morreu repentinamente logo depois, o cardeal Karol Józef Wojtyla foi eleito e, querendo continuar o que João Paulo I tinha começado, escolhendo o nome João Paulo II.

A prática corrente[editar | editar código-fonte]

Imediatamente após um novo papa ser eleito no conclave, e aceitar sua eleição, o Decano do Colégio dos Cardeais pergunta: "Com que nome você deve ser chamado?", o novo papa escolhe seu nome pontifício. Em seguida, o Decano aparece na sacada da Basílica de São Pedro para fazer a proclamação Habemus Papam, em que anuncia o nome de batismo e o nome pontifício do novo papa.

Latim Tradução portuguesa
Annuntio vobis gaudium magnum;
Habemus Papam:
Eminentissimum ac reverendissimum Dominum,
Dominum [Nome],
Sanctæ Romanæ Ecclesiæ Cardinalem [Sobrenome],
Qui sibi nomen imposuit [Nome papal].
Anuncio-vos uma grande alegria;
Temos um Papa:
O eminentíssimo e reverendíssimo Senhor,
Dom [Nome],
Cardeal da Santa Romana Igreja [Sobrenome],
Que se impôs o nome de [Nome papal].

Frequência[editar | editar código-fonte]

Nome Frequência
João 23
Gregório 16
Bento 16
Clemente 14
Inocêncio 13
Leão 13
Pio 12
Estêvão 9
Bonifácio 9
Urbano 8
Alexandre 8
Adriano 6
Paulo 6
Celestino 5
Martinho 5
Nicolau 5
Sisto 5
Félix 4
Sérgio 4
Anastácio 4
Honório 4
Eugênio 4
Silvestre 3
Vítor 3
Lúcio 3
Calisto 3
Júlio 3
Pelágio 2
Adeodato (ou Deusdedit) 2
Teodoro 2
Marino 2
Agapito 2
Damaso 2
Pascoal 2
Gelásio 2
Marcelo 2
João Paulo 2
Pedro 1
Lino 1
Anacleto (ou Cleto) 1
Evaristo 1
Telésforo 1
Higino 1
Aniceto 1
Sotero 1
Eleutério 1
Zeferino 1
Ponciano 1
Antero 1
Fabiano 1
Cornélio 1
Dionísio 1
Eutiquiano 1
Caio (ou Gaio) 1
Marcelino 1
Eusébio 1
Melquíades 1
Marcos 1
Libério 1
Sirício 1
Zósimo 1
Hilário 1
Simplício 1
Símaco 1
Hormisdas 1
Silvério 1
Vigílio 1
Sabiano 1
Severino 1
Dono 1
Agatão 1
Cónon 1
Sísinio 1
Constantino 1
Zacarias 1
Valentino 1
Formoso 1
Romano 1
Lando 1
Francisco 1

Referências

  1. McCLintock, John. 1891. Cyclopaedia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature. Harper & Brothers. Pág.: p. 82. (Available online)