Nosso Lar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nosso Lar
Autor (es) André Luiz/Chico Xavier
Idioma português
País  Brasil
Género Romance Espírita
Série André Luiz
Editora FEB
Lançamento 1944
Páginas 312
ISBN 8573280239
Cronologia
Último
Último
Os Mensageiros
Próximo
Próximo
Chico Xavier jovem

Nosso Lar[1] é um dos livros psicografados pelo médium brasileiro Chico Xavier, que compõem uma coleção intitulada A Vida no Mundo Espiritual, atribuída ao espírito André Luiz. No movimento espírita brasileiro essa coleção é também conhecida como Série Nosso Lar.

Clássico da literatura espírita brasileira, Nosso lar é um romance que versa sobre os primeiros anos do médico André Luiz após sua morte, numa "colônia espiritual", espécie de cidade onde se reúnem espíritos para aprender e trabalhar entre uma encarnação e outra. O romance levanta questões acerca do sentido do trabalho justo e dignificante e da Lei de causa e efeito a que todos os espíritos, segundo o espiritismo, estariam submetidos.

A novelista Ivani Ribeiro teve o livro Nosso lar entre suas bases para escrever a novela A viagem, que até agora teve produzidas duas versões, ambas com sucesso e impulsionando a venda de literatura relacionada ao tema.

Nosso Lar obteve o primeiro lugar entre os dez melhores livros espíritas publicados no século XX, segundo pesquisa realizada em 1999 pela "Candeia Organização Espírita de Difusão e Cultura"[2] ).

Desenhos minuciosos do mapa da cidade "Nosso Lar" assim como a arquitetura das edificações, ministérios e casas, foram criados pela médium Heigorina Cunha através de suas observações realizadas durante supostos desdobramentos (saídas do corpo) em março de 1979, conduzidas e orientadas pelo espírito Lucius. Estes desenhos serviram de inspiração para criar o visual arquitetônico da cidade que se vê na adaptação cinematográfica da obra, o filme Nosso Lar. Seus desenhos foram esclarecidos e confirmados por Chico Xavier de que se tratava realmente da cidade "Nosso Lar". A obra de Chico Xavier, também ganhou versão para o teatro, com direção de Gabriel Veiga Catellani.

Sobre André Luiz[editar | editar código-fonte]

Segundo relatos mediúnicos, André Luiz teria sido, em sua última encarnação, datada do início do século XX, um médico sanitarista brasileiro que morou no Rio de Janeiro. Há pessoas que afirmam que ele era Carlos Chagas; dentre estas estão o médium e médico Waldo Vieira[3] e o suposto espírito Inácio Ferreira através da psicografia de Carlos A. Bacelli no livro "Na Próxima Dimensão").[4] "Habitaria", pelo menos à época em que ditou Nosso Lar a Chico Xavier, a "colônia espiritual" homônima à obra, "situada próxima ao Rio de Janeiro". Há obras de André Luiz posteriores à série que leva seu nome, a exemplo de Respostas da Vida, psicografado por Chico Xavier e publicado em 1976.

Relativos a reencarnação anterior de André Luiz, o pesquisador e jornalista, Luciano dos Anjos, afirma que André Luiz, era o renomado neurologista Faustino Esposel.

Faustino Monteiro Esposel nasceu no dia 10 de agosto de 1888, na rua dos Araújos nº 10, bairro do Engenho Velho, cidade do Rio de Janeiro. Desencarnou na mesma cidade, às 17 horas do dia 16 de setembro de 1931, residindo então na rua Martins Ferreira nº 23, no bairro de Botafogo.

Era filho de João Paiva dos Anjos Esposel e de Maria Joaquina Monteiro (filha reconhecida, ou seja, não registrada oficialmente). Tinha cinco irmãos: Oscar, Noêmia, Mário, Adolfo e Carlos. Eram seus avós paternos: José Maria dos Anjos Esposel e Margarida Maria; e avós maternos: Isidro Borges Monteiro e Paulina Luísa de Jesus.

Faustino Esposel casou com Odette Portugal Esposel, conhecida por Detinha, nascida no dia 6 de junho de 1900 e desencarnada no dia 5 de fevereiro de 1978. Era professor substituto da seção de neurologia e psiquiatria da Faculdade de Medicina, catedrático de neurologia na Faculdade Fluminense de Medicina. Foi ainda chefe do serviço da Policlínica de Botafogo e do Sanatório de Botafogo e médico da Associação dos Empregados do Comércio. E era também sanitarista, portador por concurso do título de docente de higiene da Escola Normal do Rio de Janeiro, na qual foi continuamente encarregado de cursos complementares. Fez os estudos primários na Escola Alemã, conhecia profundamente o idioma germânico, cursou durante alguns anos o externato Mosteiro de São Bento. Formou-se em 1910 em farmácia e em medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde defendeu tese sobre "Arteriosclerose cerebral", em que recebeu a nota de distinção.

Entusiasta dos esportes e da educação física, Faustino Esposel foi presidente do Clube de Regatas do Flamengo, do Rio de Janeiro.

Bibliografia da Série André Luiz[editar | editar código-fonte]

Coleção A Vida no Mundo Espiritual[editar | editar código-fonte]

  1. Nosso Lar (1944);
  2. Os Mensageiros (1944);
  3. Missionários da Luz (1945);
  4. Obreiros da Vida Eterna (1946);
  5. No Mundo Maior (1947);
  6. Libertação (1949);
  7. Entre a Terra e o Céu (1954);
  8. Nos Domínios da Mediunidade (1955);
  9. Ação e Reação (1957);
  10. Evolução em Dois Mundos (1958);
  11. Mecanismos da Mediunidade (1960);
  12. Sexo e Destino (1963);
  13. E a Vida Continua... (1968);

Obras complementares[editar | editar código-fonte]

  1. Agenda Cristã (1948);
  2. Conduta Espírita (1960);
  3. Desobsessão (1964);

Sobre a obra[editar | editar código-fonte]

Até o ano de 2010 o livro já possuía mais de 2 milhões de exemplares vendidos[5] . Os direitos autorais do mesmo foram doados por Chico Xavier à Federação Espírita Brasileira (FEB) em 1944.

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  1. André Luiz (o próprio autor);
  2. Laura (mãe de Lísias);
  3. Lísias (amigo de André Luiz em Nosso Lar);
  4. Narcisa (enfermeira da colônia Nosso Lar, trabalha prestando assistência espiritual aos recém-chegados);
  5. Clarêncio (Um dos Ministros de Nosso Lar. Resgatou André Luiz do umbral, sendo este um de seus tutelados).

Resumo[editar | editar código-fonte]

No livro, André Luiz apresenta-se como um estudioso do mundo espiritual, "traduzindo" as suas percepções de forma didática para que possam ser entendidas pelos encarnados. Descreve com riqueza de detalhes a colônia de apoio Nosso Lar, com as suas construções (principalmente as casas de repouso para os recém desencarnados), o seu sistema de transporte e os Ministérios de Trabalho. Segundo André Luiz, a forma de organização da colônia, e de como se dão os trabalhos, são concepções criadas pelos espíritos superiores, e visam disponibilizar uma assistência permanente aos homens desencarnados e, inclusive, encarnados.

CAPÍTULO 1 - Nas Zonas Inferiores

Descrição do umbral e da condição de grande sofrimento em que se encontrava o autor do livro, André Luiz. Reflexão profunda relativa à filosofia de vida que adotou e arrependimento por concluir que não cumpriu com a Vontade Divina enquanto na Terra. Exortação do autor para os leitores.

CAPÍTULO 2 - Clarêncio

Acusações de seres monstruosos que tacham o autor como suicida. Maiores detalhes sobre a desventura que acometeu o autor desde a internação hospitalar até a penúria que o castigava no umbral. André Luiz eleva seu pensamento a Deus e após oração profundamente sincera surge o Ministro Clarêncio que o resgata.

CAPÍTULO 3 - A oração coletiva

Chegada do autor à colônia espiritual Nosso Lar. Descrição do caminho desde os portões da mesma até aposento onde ficou internado. André Luiz conversa com enfermeiros que o esclarecem. O autor toma um caldo (poção) que o revigora. Esses encaminham-se para o local de oração coletiva. Descrição do local e da grandiosa manifestação espiritual que aconteceu então.

CAPÍTULO 4 - O médico espiritual

André Luiz sente-se mais fortalecido, mas ainda debilitado. Recebe a visita de Clarêncio e Henrique de Luna, um médico espiritual. Este o examina e reitera que o autor se suicidou, explicando que a doença o acometeu por conta de sua imprevidência. Novas reflexões do autor sobre a conduta que adotou em vida e conseqüente choro de lamentação. Clarêncio o consola.

CAPÍTULO 5 - Recebendo assistência

André Luiz conhece a Lísias, seu grande amigo durante o livro que o auxiliaria grandemente durante a recuperação. Este faz elucidações sobre o hospital onde estão e da condição dos enfermos que lá se encontram. Lisias faz reflexão sobre o valor do trabalho e da perda da oportunidade de evoluir enquanto em vida da maioria das pessoas. Andre Luiz chora novamente. Lisias presta últimos cuidados de assistência e reconforta o amigo.

CAPÍTULO 6 - Precioso aviso

Visita de Clarêncio a André Luiz. Este ainda encontrar-se em desequilíbrio e faz uma série de lamentações. Clarêncio explana que o autor deve serenar seus pensamentos e confiar na Providência Divina que auxiliará a ele e seus familiares. André Luiz assimila os ensinamentos e se acalma.

CAPÍTULO 48 - Culto familiar

André Luiz é convidado para participar da reunião na qual será realizada a comunicação com Ricardo, marido de Laura e pai de Lísias que encontra-se encarnado em tenra idade. O autor recebe instruções de como é o mecanismo dessa comunicação. Clarêncio comanda a sessão. Após Laura, suas filhas, neta e Lísias entoarem cantos clamando pela presença de Ricardo, este surge, agora em idade madura, pronunciando mensagem que causa grande comoção dos presentes. Após breve diálogo dos parentes, a sessão encerra-se e Clarêncio convida à André Luiz para que o acompanhe no dia seguinte ao planeta Terra, onde poderá rever seus familiares durante uma semana.

CAPÍTULO 49 – Regressando a casa

Acompanhado de uma caravana espiritual André Luiz retorna ao Rio de Janeiro. A cidade encontra-se muito semelhante desde a época de sua desencarnação. Ao adentrar em sua antiga residência, percebe que essa se transformou consideravelmente. Constata que sua mulher Zélia casou-se novamente com outro médico (Ernesto), sendo que apenas sua filha mais nova ainda residia junto com a mãe. A filha mais velha já estava casada e tinha um bebe de colo, e seu filho tomou caminhos tortuosos na vida. Sua ex-mulher encontra-se em grande angústia, pois seu atual marido encontra-se seriamente adoentado. Depois de breves diálogos entre os familiares, percebe que a única que ainda nutre verdadeiro amor por ele é sua filha mais velha. Também constata que Ernesto encontra-se subjugado por entidades espirituais maléficas. Após profunda reflexão, André Luiz percebe que devido a sua estada em “Nosso Lar” já conseguia digerir de forma diferente a desagradável realidade da qual tivera conhecimento.

CAPÍTULO 50 – Cidadão de Nosso Lar

André Luiz constata que longe da colônia espiritual e da presença de seus amigos de lá suas energias esgotam-se rapidamente e não consegue prestar assistência a Ernesto sozinho. Assim pelo pensamento ele pede a ajuda da enfermeira Narcisa que prontamente vem em seu auxílio. Após aplicação de passe onde os seres que subjugam Ernesto se afastam, eles dirigem-se à Natureza, onde próximos de árvores a enfermeira obtém de servidores espirituais do reino vegetal emanações do eucalipto e mangueira que são aplicadas ao doente durante a noite. No dia seguinte, após visita médica, fica evidente a melhora considerável de Ernesto. Narcisa ensina a André Luiz a capacidade de volitação e nos próximos dias André Luiz realizaria várias vezes a viagem da colônia espiritual para sua antiga residência. Após expiração do tempo de ausência programado, André Luiz retorna para “Nosso Lar” onde foi recepcionado por grande gama de amigos espirituais que o auxiliaram nesse último ano, sendo declarado por Clarêncio que a partir de então ele seria considerado cidadão de “Nosso Lar” em definitivo.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Sendo um dos mais bem sucedidos livros da obra psicográfica de Chico Xavier, Nosso Lar já foi adaptado para diversas mídias, dentre elas uma audionovela e um filme longa metragem com o mesmo título do livro, lançado no dia 3 de setembro de 2010[6] .

Filme[editar | editar código-fonte]

Audionovela[editar | editar código-fonte]

Com produção realizada pela Editora Elevação a partir da iniciativa de José de Paiva Netto, a audionovela Nosso Lar foi realizada sob a direção e adaptação do diretor de TV Paulo Figueiredo. Diferentemente de audiolivros convencionais onde normalmente a obra é lida em sua inteireza - ou às vezes de forma condensada - por apenas uma pessoa, a audionovela Nosso Lar é em formato semelhante às novelas de rádio, onde há a representação dos personagens, efeitos sonoros e músicas. Na produção as vozes dos personagens são realizadas por grandes dubladores de superproduções de Hollywood[7] .

Trechos[editar | editar código-fonte]

Capítulo 12 - O umbral[editar | editar código-fonte]

  • Sobre os compromissos que o espírito leva ao reencarnar:
"Quando o espírito reencarna, promete cumprir o programa de serviços do Pai; entretanto, ao recapitular experiências no planeta, é muito difícil fazê-lo, para só procurar o que lhe satisfaça ao egoísmo."
"O Umbral funciona (…) como região destinada a esgotamento de resíduos mentais (…)"
(…)
"Há legiões compactas de almas irresolutas e ignorantes, que não são suficientemente perversas para serem enviadas a colônias de reparação mais dolorosas, nem bastante nobres para serem conduzidas a planos de elevação. Estando separado do mundo dos homens encarnados apenas por leis vibratórias."

O umbral seria também um estado mental em que muitos espíritos permaneceriam por não conseguirem se desvincular de "ondas mentais" emitidas por si mesmos e/ou por outros espíritos. Assim sendo, ficam aprisionados por "formas-pensamentos", projeções mentais ou ideias fixas.

Capítulo 36 - O sonho[editar | editar código-fonte]

  • Sobre como converter as oportunidades em ações:
"Em todas as (…) colônias espirituais, como na esfera do globo, vivem almas inquietas, ansiosas de novidades e distração. Sempre que possa, porém, olvida o entretenimento e busca o serviço útil."

Capítulo 37 - A preleção da ministra[editar | editar código-fonte]

  • Sobre a comunicação através do pensamento:
"O pensamento em si é a base de todas as mensagens silenciosas da ideia, nos maravilhosos planos da intuição, entre os seres de toda espécie. Dentro desse princípio, o espírito que haja vivido exclusivamente em França poderá comunicar-se no Brasil, pensamento a pensamento, prescindindo de forma verbalística especial, que, nesse caso, será sempre a do receptor; mas isso também exige a afinidade pura."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://onlineshop.com.br/febnet/down/Nosso_lar.pdf
  2. Os Melhores Livros Espíritas do Século. Visitado em 05-02-2010.
  3. SOUTO MAIOR, Marcel. Por Trás do Véu de Ísis. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004; pg. 121
  4. TERÁ SIDO O ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ O DR. CARLOS CHAGAS?. Visitado em 11-02-2010.
  5. .Martha Mendonça, Chico Xavier e a Alma do Brasil, Revista Época, 01.03.2010, p.88
  6. Filme 'Nosso Lar' deve chegar aos cinemas em setembro Último Segundo. Visitado em 05-02-2010.
  7. Audiobook 'Nosso Lar' na Editora Elevação. Visitado em 06-02-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]