Nova Canaã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Nova Canaã é um município do estado da Bahia, no Brasil.

Município de Nova Canaã
"Canaã"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 21 de outubro
Fundação 1961
Gentílico Não disponível
Prefeito(a) Raquel Lopes Andrade (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Nova Canaã
Localização de Nova Canaã na Bahia
Nova Canaã está localizado em: Brasil
Nova Canaã
Localização de Nova Canaã no Brasil
14° 47' 38" S 40° 08' 31" O14° 47' 38" S 40° 08' 31" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro-Sul Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Vitória da Conquista IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Iguai-Poçoes
Distância até a capital 490 km
Características geográficas
Área 757,461 km² [2]
População 16 727 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 22,08 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,545 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 56 972,811 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 867,86 IBGE/2008[5]
Página oficial

História[editar | editar código-fonte]

O município de Vitória da Conquista, como centro regional, vivenciou ainda na primeira metade do século a ascensão econômica e política dos “distritos” que fazem parte de uma vasta extensão territorial do chamado “planalto da Conquista”. A primeira cidade a se tornar auto-suficiente frente ao domínio de Vitória da Conquista foi Poções, que emancipou-se politicamente.

Poções se tornou então, um sub-centro conquistense e passou a governar os seus vários distritos, que antes pertenciam à cidade de Vitória da Conquista, como Ibicuí, Iguaí, Nova Canaã, Boa Nova, Manoel Vitorino. Poções exerceu seu domínio frente a essas regiões com autoridade, não tolerando a mesma auto-suficiência, apesar das sérias dificuldades que sofreu para se separar do domínio de Vitória da Conquista.

Porém, os distritos de Ibicuí e Iguaí conseguem a separação mais cedo do que Nova Canaã. Entre os motivos que dificultaram a emancipação deste distrito, destaca-se a proximidade (apenas 45 quilômetros) da sede Poções, enquanto Iguaí e Ibicuí situam-se mais distantes .

Toda região sofreu importante influência indígena, por se tratar de uma comarca habitada pelos índios. Camacãs, Imborés, e Pataxós. Esses indígenas deixaram muito da sua cultura e mistura com os povos que povoaram estas regiões. As cidades têm seus nomes característicos indígenas como Ibicuí, Iguaí, Ibicaraí, Itabuna, Itamaraju, Itororó Itapetinga e muitas outras.

Um ponto curioso sobre Nova Canaã: foi uma cultura importada de outra região. A família Matos, “fundadora” da cidade, deu seus primeiros passos na região, que anos mais tarde, em 1910, constituiria o município emancipado.

Nova Canaã é uma cidade desde sua emancipação está inserida na microrregião de Vitória da Conquista, limitando-se ao norte com a cidade de Boa Nova, ao sul com, Caatiba, Itororó, a oeste com Poções e Planalto. Segundo histórico oficial da cidade e entrevistas realizadas na cidade foi o senhor Bernardino Rodrigues de Matos chegando à região, de terras férteis, ”onde se plantando tudo dá”, onde as matas verdes e compactas, com terras incultas formavam um belo cenário, adquiriu uma propriedade à custa do seu trabalho dando o nome de Fazenda Floresta.

Descendente de família pobre, Bernardino Rodrigues de Matos, primogênito do senhor Joaquim Inácio de Matos e Rosalina Ludivina de Matos, nascendo em 20 de maio de 1883, no município de três lagoas, na fazenda Ferrugem, vindos depois com seus pais para a região onde futuramente nasceria o município de Nova Canaã, logo seu pai adoeceu e as responsabilidades da família ficaram aos cuidados de Bernardino, que passou a ser o homem da casa cuidando dos seus irmãos na terra na qual estavam derrubando a mata.

Segundo relatos orais houve muita disputa territorial com os indígenas que não aceitaram a ocupação das terras, a primeira clareira foi aberta e veio a ser, mais tarde a casa grande da fazenda Floresta. Logo a partir de 1910 seus irmãos chegaram à localidade, sendo eles os senhores Sinfronio, Leovegidio e Inocêncio Rodrigues de Matos, que adquiriram novas fazendas e se instalaram na região. Até então nem mesmo um povoado tinha se formado nesta localidade. Toda constituída de mata fechada ou virgem. Esta região, mais tarde amplamente explorada, era simplesmente corta caminho em direção as cidades de Itabuna e Ilhéus, no sul da Bahia.

“Seus irmãos também adquiriram suas propriedades e começaram a trabalhar por conta própria, saindo, depois, da tutela de Bernardino, seu irmão mais velho.”

Em pouco tempo a fazenda Floresta já produzia todo sustento da família, desenvolvendo uma agricultura de subsistência, o resto da região se mostrava inóspita já que a cidade mais próxima era Poções a 60 km de distancia, de estrada ruim e difícil acesso, sendo o único transporte o animal.

Levavam-se quatro ou cinco dias para se chegar à cidade de Poções. Muitas das famílias precisavam comprar sal, querosene, vela e outros produtos, fazendo essa viagem a pé ou no lombo do animal. Bernardino tinha várias funções como medico, dentista e farmacêutico sendo o mesmo quem resolvia os problemas locais em relação a doenças e socorros de acidentes de qualquer espécie, só deixou essa função quando o primeiro medico chegou à região.

Os filhos estavam crescendo e precisavam estudar. Bernardino, assim preocupado com a educação dos mesmos resolveu construir um salão – escola na sua fazenda indo a Jaguaquara em 1930 buscar a professora Ana Dulce conhecida como “Dona Tutu” na cidade de Jaguaquara abrindo as portas da educação na região.

Em 1925 foi fundado o povoado de “Água Fria” , neste momento foi criado o Cartório de Paz, sendo nomeado o Sr. Manoel Monteiro Costa, como primeiro escrivão, Ramiro Jose de Souza- Juiz de Paz e Inocêncio Rodrigues de Matos , sub, delegado de policia. A vida em Água Fria cresceu e se tornou prospera atraindo muitos moradores de outros municípios, motivados pela lavoura de café, com toda essa movimentação surgiu, então a 1° escola municipal, tendo a frente a professora Ana Brito, bem mais tarde onde funcionou a escola Estadual onde lecionou a professora Guiomar Cardoso Rego, vinda de Salvador, onde estudaram os filhos da terra.

O projeto para transferir a vila de Água Fria para um local mais acessível partiu do fazendeiro e irmão de Bernardino e Leovegidio Rodrigues de Matos em comum acordo com os outros irmãos e os outros moradores da região, foi comprada a fazenda Caldeirão do Sr. João Cancio com objetivo de torná-la uma vila. Num tempo recorde, Nova Canaã começou a se erguer com as casas de telhas e palhoças, tomando forma de uma prospera vila, além dos Matos, outras famílias como os, Vieira, Freires, mais, Andrade, Oliveira, Sampaio, Duarte, Martins, Barreto, Bulhões, Rocha, Teles, Soares. Dentre outras importantes famílias da região, todos tinham um ponto em comum bastante peculiar a questão educacional todos pensavam na educação de suas gerações sendo ela intelectual espiritual e moral.

Em 19 de agosto de 1945, Igreja Batista construída no centro da cidade tinha como seu primeiro pastor para ministrar cultos, o José Jacinto da Silva, paralelo a esses acontecimentos já funcionava nas dependências da igreja batista o Instituto Batista Florestal atraindo alunos de toda região, Bernardino era um grande incentivador principalmente na criação de um ginásio a fim de uma melhor preparação para os filhos estudarem em outras cidades como Jaguaquara e Salvador.

Em 1957, foi criada a Sociedade Educadora Florestal, sob a direção de Jezimiel Norberto da Silva, Pr. Da Igreja Batista, que veio substituir Pr. José Jacinto da Silva. O Sr. Bernardino junto com seus irmãos participaram de forma assídua dos projetos de educação do municio de Nova Canaã.

Em 1961 Nova Canaã finalmente se separou do municio de Poções através da lei 1.540, de 21 de outubro de 1961, “publicado no Diário oficial de 8 de novembro de 1961, foi criado o município de Nova Canaã, com território desmembrado do município de Poções.”

Importante mencionar como o município veio a se tornar independente de Poções. Membros da elite intelectual e financeira, do então distrito de Nova Canaã, pensaram até altas horas da noite em estratégias para desmembrar Nova Canaã de Poções diante do estudo de toda a documentação exigida para tal façanha. Inúmeros recolhimentos de assinaturas de pessoas gratos a sociedade como o senhor Manoel Monteiro da Costa, aliado ao senhor Bernardino Rodrigues de Matos e ao senhor Leovegidio Rodrigues de Matos, que corriam contra o tempo já que seus adversários políticos corriam contra o tempo para criarem o distrito de Itajaí, assim dividindo as terras de Nova Canaã, e inviabilizando o projeto de emancipação política.

Depois das manobras políticas como recolhimento de assinaturas dos vereadores na Câmara Municipal de Poções de forma isolada, pois tinham tentado lançar o projeto na Câmara, sendo este negado. Individualizando as assinaturas quando os vereadores tinham dado as assinaturas de forma isolada, não tendo mais como voltar atrás.Estava criado e legitimado o município de Nova Canaã a contra gosto dos políticos da cidade de Poções.

Uma das estratégias políticas foi a de elaborar um documento e pedir a Antonio Teles Barreto, que era vereador em Poções representando o distrito de Nova Canaã para tomar as assinaturas dos demais vereadores porém, separadas, pois era importante que assinassem. “Até em Planalto ele foi tomar a assinatura de um dos vereadores. Isso porque em 1956 Manoel Monteiro Costa elaborou um documento idêntico para assinatura dos vereadores, porém apresentado o documento em plenário, a câmara negou o pedido de emancipação do distrito de Nova Canaã.”

Por isso, desta vez foi adotada a estratégia das assinaturas isoladas, o que ocasionou no pedido de emancipação política mesmo depois de longos protestos, não houve mais o que se protelar estava criado o município de Nova Canaã, emancipado de Poções em 3 de novembro de 1961, graças aos trabalhos astutos destes homens, Nova Canaã se tornou município.

Em 1962 foram organizadas eleições municipais, onde foi criado o PR com o candidato Jezimiel Norberto da Silva para primeiro prefeito de Nova Canaã, com o apoio dos seus amigos correligionários, inclusive, do Leovegildo Rodrigues de Matos, que fazia parte do diretório do PSD. Havia mais dois candidatos, um pelo PSD, Samuel Miranda, e o outro pela UDN Antonio João de Oliveira. A luta foi difícil, mas em 3 de outubro 1962 foi eleito o candidato, do PR o pastor Jezimiel Norberto da Silva.

O texto não fala sobre Eufrosina Rodrigues de Matos, irmã de Sinfronio, Leovegidio e Inocêncio Rodrigues de Matos, (minha avó materna), mãe de Roque, Gerulino, Arlindo, Amerino, Analia (minha querida Mãe) e Idália todos nascidos em Nova canaã - Ba. Que depois de ficar viúva de Manoel Antonio Cardoso se casaria pela segunda vez com Antonio João de Oliveira, citado no final desse texto.

Meu Nome é Ronaldo de Matos Barreto, Moro na Cidade de Marabá - Pará.

Para onde viemos juntos com Amerino e Arlindo na década de sessenta depois de passar pelo estado de Minas Gerais.

Nasci na Fazenda Rio das Pombas no dia 16 de dezembro de 1956 em Nova Canaã, Fazenda essa, na época de propriedade de Minha Avó já com o nome de Eufrosina Cardoso de Matos.

Sobre a cidade[editar | editar código-fonte]

Considerada um cidade muito pequena e com muito pouco desenvolvimento , muitos moradores de Nova Canãa ou regiões saem da cidade para trabalhar nas grandes cidades como Iguaí e etc , principalmente no sudoeste. Um dos pontos mais conhecidos da cidade e o colégio Florestal (estadual e municipal) que se localiza no bairro florestal onde estuda maioria dos alunos da cidade, um desfile é realizado na cidade com os alunos do colégio Florestal para comemorar o aniversário da cidade.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Fica a 6 km de Iguaí, 45 de Poções, a 23 de Ibicuí, a 127 de Itabuna, a 163 de Ilhéus.

Sua população estimada em 2004 era de 16.162 habitantes.

Possui dois distritos: Itajaí e Icaraí do Ranulfo.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 de dezembro de 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.