Nova Esquerda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Nova Esquerda (New Left em inglês) é um termo utilizado para se referir aos movimentos políticos de esquerda surgidos em vários países a partir da década de 1960. [1] Eles se diferenciam dos movimentos esquerdistas anteriores que haviam sido mais orientados para um ativismo trabalhista, e adotam uma definição de ativismo político mais ampla, comumente chamada de ativismo social. Nos Estados Unidos, a Nova Esquerda está associada com a movimentos populares, como o Hippie, os de protesto à Guerra do Vietnã e pelos direitos civis, que visavam acabar com a opressão de classe, gênero sexual, raça e sexualidade. Na Europa, a Nova Esquerda foi um movimento intelectualmente dirigido, que buscava corrigir os erros dos antigos partidos de esquerda no período do pós-Guerra. O movimento começou a perder força na década de 1970, quando ativitas ou se engajavam em projetos partidários, desenvolviam organizações de justiça social ou se tornaram inativos no movimento.

O ex-Beatle John Lennon também exerceu grande influência no movimento, foi investigado pelo FBI por causa de suas ideologias políticas. Através de sua influência, lutava pelo fim da Guerra do Vietnã e também forçava a derrota de Richard Nixon nas eleições de 1972, em razão disso quase foi deportado. [2] [3]

Ao invés de focar-se na economia, a Nova Esquerda voltou a atenção para a cultura ocidental tratando de temas como raça, gênero, sexualidade e elitismo tanto quanto do papel econômico do conceito de classe. Como muitos dos que eram estudantes nos anos 60 agora dirigem as instituições as quais haviam se oposto, suas visões - às vezes chamadas de politicamente corretas - se tornaram a ortodoxia. Esta hegemonia foi desafiada no que foi descrito como guerras de cultura por aqueles que rejeitam o equalitarismo radical e defendem a existência de padrões objetivos de excelência.

Influências[editar | editar código-fonte]

Figuras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Breines, Wini. Community and Organization in the New Left, 1962-1968: The Great Refusal (em inglês). [S.l.]: Rutgers University Press, 1989. 187 pp. ISBN 9780813514031.
  2. Patricia, Richard. John Lennon: Original FBI Files: Interesting FBI Paperwork Involving Cases (em inglês). [S.l.]: Richard Patricia.
  3. Mäkelä, Janne. John Lennon Imagined: Cultural History of a Rock Star (em inglês). [S.l.]: Peter Lang, 2004. 301 pp. p. 143, 177, 160. ISBN 9780820467887.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]