Nova Xavantina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Nova Xavantina
Bandeira de Nova Xavantina
Brasão de Nova Xavantina
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 14 Abril 1944
Gentílico nova xavantinense
Prefeito(a) Gercino Caetano Rosa (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Nova Xavantina
Localização de Nova Xavantina no Mato Grosso
Nova Xavantina está localizado em: Brasil
Nova Xavantina
Localização de Nova Xavantina no Brasil
14° 40' 22" S 52° 21' 10" O14° 40' 22" S 52° 21' 10" O
Unidade federativa  Mato Grosso
Mesorregião Nordeste Mato-Grossense IBGE/2008 [1]
Microrregião Canarana IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Barra do Garças, Água Boa, Campinápolis
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 5 526,733 km² [2]
População 19 475 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 3,52 hab./km²
Altitude 275 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,76 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 221 460,804 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 493,71 IBGE/2008[5]
Página oficial

Nova Xavantina é um município brasileiro do estado de Mato Grosso.

História[editar | editar código-fonte]

As primeiras notícias da região que hoje compreende Nova Xavantina vêm de meados do século XVII. Bandeiras como a de Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera, e Pires de Campos percorreram a área por volta de 1660, capturando índios para depois vendê-los como escravos.

Estas expedições foram responsáveis pelo surgimento da lenda da Serra dos Martírios, um lugar fantástico indicado por formações geográficas que lembravam os martírios de Cristo, onde haveria muito ouro de superfície. O local descrito pelos bandeirantes nunca foi encontrado, mas rapidamente surgiram pequenas vilas garimpeiras, como a de Araés, ao longo do Rio das Mortes.

Com o fim do ouro de lixiviação, os povoados logo foram abandonados. Somente em 1944, com a chegada da Expedição Roncador-Xingu, começaram a erguer a cidade. Em 28 de fevereiro daquele ano, um dos expedicionários avistou – de cima de um “pau d’óleo”, tipo de árvore típica da região – o Rio das Mortes. Em torno desta árvore foi construído o acampamento de Xavantina, nome escolhido pela Expedição em homenagem aos índios Xavantes, habitantes originais do lugar.

Há quem diga que, durante o governo Getúlio Vargas, o lugar foi cogitado como um dos possíveis locais para a construção da nova capital brasileira.

No ano de 1977 existiam na área, duas cidades distintas (às margens do Rio das Mortes) sendo que na margem direita do rio denominava-se a cidade de Xavantina e a margem esquerda Nova Brasilia. A cidade emancipou-se através da Lei nº. 4.176, de 3 de março de 1980, de autoria do Deputado Estadual Ricardo Corrêa, quando realizou-se a fusão dos dois povoados, formando-se o municipio Nova Xavantina.

Desde a década de 70 a cidade passou por diversas transformações, inclusive no sistema politico. Os sulistas foram fortes desbravadores das áreas de agricultura da região iniciando o forte plantio de arroz, gerando riquezas para a região. A partir da emancipação politica iniciou-se um processo imenso de transformação na cidade.

Infelizmente, quando se iniciou a formação da cidade, a consciência ecológica dos novos habitantes ainda era primária. Assim, muito da biodiversidade foi explorada de modo inadequado. Porém, mesmo assim, a região continua imponente, com vegetação exuberante.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 14º40'24" sul e a uma longitude 52º21'11" oeste, estando a uma altitude de 275 metros. Sua população segundo senso 2010 é de 19.475 habitantes.

Nova Xavantina fica situada numa região de rara beleza natural, encontra-se numa posição estratégica para o turismo cercada pela Serra do Roncador entre a cidade de Barra do Garças e Nova Xavantina, a cidade é cortada pelo Rio das Mortes ou também chamado em sua nascente por Rio Manso, sua principal atividade é a agropecuária.

Em questões economicas a cidade possui um centro comercial razoável que serve bem a população, possuindo diversas lojas, desde materiais de construção, supermercados, farmácias, 2 hospitais sendo um municipal e outro privado, possui inclusive construtoras e estabelecimento de arquitetura. Possui um campus da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) no qual funciona os cursos de graduação em Agronomia, Biologia e Turismo, o Mestrado Acadêmico em Ecologia e Conservação.

Cidade de rara beleza natural, desencadeando paz de espírito profunda, propiciando saúde corporal e mental para o interessado, já que a natureza é esplêndida, imponente e exuberante. A pérola da cidade é o Rio das Mortes, que passa no meio da cidade e forma prainhas propicias para banho. Também é local interessante para pesca. É, sem dúvida, um local de futuro promissor nas áreas ecológicas e de sustentabilidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Mato Grosso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.