Numídia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Numídia, num mapa de 1921

Numídia é o nome antigo de uma região no norte da África localizado no território onde hoje estão a Argélia e, em menor proporção, a Tunísia ocidental. O nome foi utilizado pela primeira vez por Políbio e outros historiadores durante o século III a.C. para indicar o território a oeste de Cartago, incluindo todo o norte da Argélia até o rio Mulucha (Muluya), aproximadamente 160 km a oeste de Oran[1] .

A região foi um reino berbere-líbio independente por quase 200 anos depois de 202 a.C. Posteriormente, a região se alternou entre ser uma província romana e um reino cliente de Roma. Seus habitantes chamavam-se númidas ou numídios.

História[editar | editar código-fonte]

Reino da Numídia[editar | editar código-fonte]

Reino da Numídia em 220 a.C.

Reino da Numídia (202- 46 a.C.) foi um antigo reino berbere-líbio no Norte da África. Originalmente, a região estava dividida entre os massílios no leste e os masésilos no oeste. Massinissa, o rei dos massílios, derrotou Sífax (Syphax), dos masésilos e reuniu-a sob seu comando.

Durante a primeira parte da Segunda Guerra Púnica, os massílios orientais, sob o rei Gala, se aliaram com Cartago, enquanto que os masésilos ocidentais, sob o rei Sífax, aliaram-se com Roma. Porém, em 206 a.C., o novo rei dos massílios, Masinissa, se aliou com Roma e Sífax mudou de lado e passou a apoiar os cartagineses. Ao final da guerra, os vitoriosos romanos deram toda a Numídia para Masinissa, dos massílios. Quando ele morreu, em 148 a.C., o seu território se estendia a oeste da Mauritânia até a fronteira com Cartago e para o sudeste até a Cirenaica, circundando completamente Cartago, com exceção do litoral[2] .

Após a morte de Masinissa, ele foi sucedido por seu filho Micipsa. Quando este morreu, em 118 a.C., foi sucedido por seus dois filhos em conjunto (Hiempsal I e Aderbal) e pelo filho ilegítimo de Masinissa, Jugurta, de origem líbia e que era muito popular entre os númidas. Hiempsal e Jugurta discutiram imediatamente após a morte de Micipsa. Jugurta mandou matá-lo, o que provocou uma guerra civil com Aderbal.

Após Jugurta tê-lo derrotado em batalha, Aderbal fugiu para Roma em busca de ajuda. Os oficiais romanos, supostamente motivados por propinas ou - mais provável - pelo desejo de terminar rapidamente o conflito no rico reino cliente, terminaram a luta dividindo a Numídia em duas partes. Jugurta ficou a metade ocidental. A propaganda romana posterior alegou que esta metade era a mais rica, o que não era verdade, pois era menos populosa e menos desenvolvida.

Guerra contra Roma[editar | editar código-fonte]

Em 112 a.C., Jugurta reiniciou sua guerra com Aderbal. Ele incorreu na ira de Roma no processo ao matar alguns comerciantes romanos que estavam ajudando Aderbal. Após uma breve guerra com Roma, Jugurta se rendeu e recebeu um tratado de paz altamente favorável, o que levantou suspeitas de propinas mais uma vez. O comandante local foi convocado até Roma para enfrentar acusações de corrupção feitas por seu rival político Caio Mêmio. Jugurta foi também forçado a ir até Roma para testemunhar contra o comandante romano e foi completamente desacreditado assim que seu passado violento e impiedoso foi revelado, principalmente após ele ter sido considerado suspeito na morte de um rival númida.

Finalmente a guerra foi declarada entre a Numídia e a República Romana e diversas legiões fora enviadas para o norte da África sob o comando do cônsul Quinto Cecílio Metelo. O conflitou acabou se transformando numa campanha longa e sem final à vista pois os romanos tentavam derrotar Jugurta de forma decisiva. Frustrados com a aparente falta de ação, Caio Mário, tenente de Metelo, retornou a Roma para tentar ser eleito cônsul. Ele foi eleito e retornou à Numídia para tomar controle da guerra. Ele enviou seu questor Lúcio Cornélio Sula para a vizinha Mauritânia para eliminar ali o suporte à Jugurta. Com a ajuda de Boco I da Mauritânia, Sula capturou Jugurta e terminou definitivamente a guerra. Jugurta foi levado acorrentado à Roma e colocado no Tuliano.

Jugurta foi executado pelos romanos em 104 a.C., após ter sido mostrado ao povo romano nas ruas no triunfo de Caio Mário.

Reis númidas[editar | editar código-fonte]

Província romana[editar | editar código-fonte]

África Nova[editar | editar código-fonte]

Provincia Africa Nova
Província da África Nova
Província do(a) Império Romano

46 a.C.293
 

Período : Antiguidade Clássica
 -  Anexada por Júlio César 46 a.C.
 -  Abolida por Otaviano 31 a.C.
 -  Recriada quando Juba II foi feito rei na Mauritânia 25 a.C.
 -  Reforma de Diocleciano 293

Após a morte de Jugurta, a Numídia ocidental foi anexada às terras de Boco I, rei da Mauritânia, enquanto o resto, excluindo Cirene e suas proximidades, continuou a ser governado por príncipes locais até a guerra civil entre Júlio César e Pompeu. Depois que Cato foi derrotado por César, ele cometeu suicídio (46 a.C.) em Útica e a Numídia tornou-se brevemente uma província chamada África Nova, que foi abolida em 31 a.C. por Otaviano depois da batalha de Ácio, com Juba II, filho de Juba I, no trono. Logo em seguida, em 25 a.C., Juba foi transferido para o trono da Mauritânia e a Numídia foi dividida novamente entre ela e a província da África Nova. Sob Sétimo Severo (193 d.C.), a Numídia foi separada da África Vetus e governada por um procurador imperial.

Numídia[editar | editar código-fonte]

Provincia Numidia Cirtense
Provincia Numidia Militiana
Numídia Cirtense
Numídia Miliciana
Província do(a) Império Romano e Império Bizantino

293–Séc. VII
Location of Numídia
A província da Numídia num mapa da Diocese da África, ca. 400
Capital: Cirta (Cirtense)
Lambésis (Miliciana)
Governador: Consularis (depois da década de 330)
Período : Antiguidade Tardia
 -  Reformas de Diocleciano 293
 -  Constantino reúne as duas na província da Numídia 330s
 -  Conquistada pelos vândalos ca. 439
 -  Reconquistada depois da Guerra Vândala de Justiniano I e anexada à nova Prefeitura pretoriana da África ca. 533-534
 -  Conquista muçulmana do Magrebe Séc. VII

Durante a nova organização do império por Diocleciano, a Numídia foi dividida em duas províncias: o norte se tornou a Numídia Cirtense, com a capital em Cirta, e o sul, que passou a incluir os Montes Aurès, controlado por bandidos, tornou-se a Numídia Militar ou Numídia Miliciana, com capital na base legionária de Lambésis. Depois disso, o imperador Constantino I reuniu-as novamente numa única, sediada em Cirta (agora rebatizada como "Constantina", a moderna Constantina, Argélia em sua homenagem). Seu governador foi promovido para o cargo de consularis em 320 d.C. e a província permaneceu como uma das sete províncias da Diocese da África da Prefeitura pretoriana do Oriente até a invasão dos vândalos em 428 d.C., que iniciou a sua lenta derrocada, que foi acompanhada de ampla desertificação de suas terras. A província permaneceu sob controle dos vândalos, ainda que, já nesta época, as investidas dos berberes tenham limitado esse controle às faixas costeiras. O domínio romano foi restabelecido após a Guerra Vândala, quando a região se tornou parte da nova Prefeitura pretoriana da África. Entre 696 e 708, a Numídia foi invadida e conquistada pela armada muçulmana.

Grandes cidades[editar | editar código-fonte]

A Numídia se tornou fortemente romanizada e estava repleta de cidades. As principais eram:

Incluindo estas cidades, havia no todo vinte que sabemos terem recebido o status de colônia romana em um momento ou outro. A partir do II século, a província está cristianizada e no século V, o Notitia Dignitatum listou nada menos que 123 sés episcopais cujos bispos se reuniram em Cartago em 479 d.C.

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província e que aparecem no Annuario Pontificio como sés titulares são[3] :

  • Alba (na região de Qarentina)
  • Ampora
  • Aquae na Numídia (Henchir-El-Hammam)
  • Aquae Novae na Numídia
  • Aquae Thibilitanae (Hammam-Meskhoutine)
  • Arae na Numídia
  • Arsacal (Goulia)
  • Augurus (ruínas de Sidi-Tahar e Sidi-Embarec?)
  • Ausuccura (Ascours?)
  • Azura (perto de Henchir-Loulou)
  • Babra (ruínas do território de Babar)
  • Badiae (Badès)
  • Bagai (Ksar-Bagaï)
  • Baia (Henchir Settara? Henchir-El-Hammam?)
  • Bamaccora
  • Barica
  • Belesasa
  • Betagbara
  • Bocconia
  • Buffada
  • Burca
  • Cesareia na Numídia (Youks-les-Bains, Henchir-El-Hammam)
  • Caesariana (ruínas de Kessaria)
  • Calama
  • Capsus (Aïn-Guigba)
  • Casae Calanae
  • Casae na Numídia (El Madher)
  • Casae Medianae (Henchir-El-Taouil?)
  • Casae Nigrae (perto de Negrine)
  • Castellum na Numídia (Henchir-Gastal)
  • Castellum Titulianum
  • Castra Galbae (Ksar-Galaba?)
  • Cataquas (perto de Annaba)
  • Cediae (Oum-Kif)
  • Celerina (Guebeur-Bou-Aoun)
  • Cemerianus
  • Centenaria (Henchir-El-Harmel? Henchir-Cheddi?)
  • Centuria (ruínas de Aïn-Hadjar-Allah? Fedj-Deriasse?)
  • Centuriones (ruínas de El-Kentour)
  • Ceramussa (Gueramoussa?)
  • Chullu (Collo)
  • Coeliana (Ain Tine)
  • Cuicul (Djémila)
  • Diana Veteranorum
  • Dusa
  • Fata
  • Fesseë
  • Forma (ruínas de Kherbet-Fraim?)
  • Fussala
  • Gadiaufala (Ksar Sbehi)
  • Garba (ruínas de Aïn-Garb)
  • Gaudiaba
  • Gauriana (Henchir-Gouraï?)
  • Gemellae na Numídia
  • Germânia na Numídia (ruínas de Ksar-El-Kelb?)
  • Gibba (Henchir-Dibba)
  • Gilba
  • Giru Marcelli
  • Girus (na região de Djemila?)
  • Girus Tarasii
  • Guzabeta (ruínas de Henchir-Zerdan?)
  • Idassa (perto de Merkeb-Talha)
  • Idicra (Aïn-Aziz-Bin-Tellis)
  • Iucundiana
  • Iziriana
  • Irzidzada
  • Lamasba (Merouana)
  • Lambésis
  • Lambiridi (Kherbet-Ouled-Arif)
  • Lamiggiga (Seriana)
  • Lamphua (Aïn-Foua)
  • Lamsorti (Henchir-Mâfouna)
  • Lamzella (Henchir-Resdis)
  • Leges (no território de Mila ou Annaba)
  • Legia
  • Legis Volumni
  • Liberalia (oásis de Lioua?)
  • Limata (no território de Mila)
  • Lugura (Aïn-Laoura?)
  • Macomades (Merkeb-Talha)
  • Macomades Rusticiana (Canrobert, Oum-El-Bouaghi?)
  • Madaurus (M'Daourouch)
  • Mades (Mides)
  • Magarmel (Aïn-Moughmel?)
  • Mascula (Khenchela)
  • Mathara na Numídia
  • Maximiana na Numídia (ruínas de Mexmeia?)
  • Mazaca
  • Mesarfelta
  • Meta
  • Midila (Mdila?)
  • Milevo
  • Mons na Numídia (perto de Mdila)
  • Moxori
  • Múlia (ruínas de El-Milia?)
  • Municipa
  • Musti na Numídia
  • Mutugena (ruínas de Aïn-Tebla?)
  • Naratcata
  • Nasai (Aïn Zoul?)
  • Nebbi (no território de Tobma)
  • Nicives (N'Gaous)

Referências

  1. Numidia, Encyclopedia Brittanica 1911
  2. Apiano, Punica, 106
  3. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Numídia